Com o mesmo efetivo policial de 2010 e pagando o pior salário do Brasil, Ricardo Coutinho acredita que a violência se combate com mentiras

Morando na granja mais vigiada do Brasil e cercado por dezenas de seguranças, o governador Ricardo Coutinho provavelmente não sabe o que é se sentir inseguro nas ruas de João Pessoa ou nas dezenas de cidades do interior vítimas – quase que diariamente -, de explosões à agências bancárias.

E quando não está na Granja Santana, o governador “se diverte” em sua outra granja, em Bananeiras, mas igualmente cercado por seguranças, policiais militares e câmeras de vigilância. Tanto conforto e segurança faz RC achar que a crescente onda de violência na Paraíba é fruto da mídia sensacionalista ou da oposição, mas jamais reconhece que tem errado na gestão da segurança.

O candidato que prometeu solucionar o problema da violência em apenas 6 meses se transformou num governador que mente para tentar iludir a sociedade que é vítima daquela que talvez seja a maior mazela da sociedade; a violência.

Ricardo manipula dados e insiste na mentira, mas nada disso serve para combater a violência. O vídeo abaixo desmascara pontualmente o discurso mentiroso do governador sobre os números da segurança pública na Paraíba:

Enquanto a população da Paraíba cresceu, de 2010 pra cá, saltando de 3,7 milhões para 4 milhões, o efetivo da Polícia Militar caiu de 9.793 para 8.993. Durante sete anos, a política de segurança estabelecida pelo governador Ricardo Coutinho andou na contramão do país; enquanto a população cresceu, o efetivo da PM diminuiu.

Os dados são do Tribunal de Contas do Estado, não cabendo a mínima contestação. É fato. O efetivo da PM não apenas congelou durante o Governo Ricardo, mas também foi reduzido em 800 policiais:

A alta carga tributária da Paraíba pode servir para muitas coisas, menos para a valorização do policial militar e a melhoria da segurança pública; que piora a cada ano. Nos 7 anos de PSB, a categoria viu o salário praticamente congelar e ser corroído pela inflação. De acordo com a Associação das Entidades Representativas dos Militares Brasileiros – Anermb (tabela abaixo), um soldado paraibano ganha apenas R$ 2.823; o segundo pior salário do Brasil.

A onda de violência que tomou conta da Paraíba tem raízes na desvalorização dos homens e mulheres que fazem a Polícia Militar e Civil da Paraíba. Mas o governador Ricardo Coutinho está convencido que segurança pública se faz com discurso político na imprensa, e não com a valorização das polícias.

O problema é que bandidos não tem medo de discurso político e continuam matando e explodindo agências bancárias sem a menor preocupação.

Tabela salarial das polícia militares brasileiras

 

Comentar com Facebook

Comentários

COMPARTILHAR