SALÁRIO DE MARAJÁ: Por que João Azevedo não segue o exemplo de Ciro Gomes, que abriu mão de três pensões vitalícias?

Na política os exemplos valem mais que discursos, principalmente na crise ética e moral que nossa classe política enfrenta. Justificar um salário de marajá só porque a lei permite, é brincar com a inteligência do povo e se esconder atrás do Estado para manter seus privilégios.

Recebendo mais que o presidente da República e ministros do STF, o novo marajá da Paraíba, João Azevedo, pré-candidato a governador pelo PSB, deveria seguir os bons exemplos e abrir mão daquilo que não é ilegal (mas é imoral) para se enquadrar no teto salarial do funcionalismo público.

Num Estado onde mais de 80% da população recebe um salário de R$ 937, um pré-candidato que recebe R$ 45 mil por mês, não tem propriedade (nem cara) para se colocar como representante do povo e pleitear uma vaga de governador.

O novo marajá da Paraíba deveria seguir o exemplo do presidenciável Ciro Gomes, um dos raros casos no Brasil de um ex-governador, prefeito e deputado federal que abriu mão de três pensões vitalícias aos 33 anos de idade; que hoje lhe renderia R$ 86 mil por mês.

Não que João Azevedo tivesse que abrir mão da sua aposentadoria, apenas do seu salário de secretário e a três gratificações desnecessárias que recebe como conselheiro da Cagepa, Docas e Cehap. Seria o suficiente para ele se ajustar ao teto do funcionalismo público e dar exemplo, pois se esconder atrás dos privilégios da lei, certamente não é a melhor saída para quem almeja ser governador.

O problema é que alguns políticos na Paraíba, a exemplo do governador Ricardo Coutinho, usam o “privilégio” apenas como mote para o discurso político, mas sempre mantém as regalias que lhes convém.

Quem não lembra da farra de toneladas de frutos do mar, papel higiênico de seda, sais de banhos e outros mimos na Granja Santana? Aliás, qual a necessidade de se manter uma granja gigante apenas para abrigar uma só pessoa e lotar com quase uma centena de funcionários e serviçais?

Comentar com Facebook

Comentários

COMPARTILHAR