Excluído da construção da chapa governista, PT sinaliza rompimento com Ricardo Coutinho

O tempo passa e Ricardo Coutinho continua o mesmo político de sempre; centralizador e personalista. O Ricardo de hoje é o mesmo do ano 2000, que foi expulso do PT por considera-se maior que o partido e não respeitar as decisões dos diretórios.

Sem dialogar com (exatamente) ninguém, Ricardo excluiu o PT e começou a montar a chapa que ele acha ideal. Imaginou que só porque deu meia dúzia de gestos contra o impeachment e a favor de Lula, o PT estaria obrigado a aguentar tudo calado, inclusive a ausência na chapa majoritária.

No discurso Ricardo é ‘Lula Livre’, mas na prática está cercado por políticos que o PT considera ‘golpistas’, a exemplo de Efraim Filho, Veneziano, Wilson Filho, Hugo Mota. E chegando mais, já que RC tenta atrair Aguinaldo Ribeiro para a chapa.

O PT também não se sente prestigiado no governo, e tem deputado federal que hoje possui mais cargos que todo o partido.

As executivas municipais do PT em João Pessoa, Campina Grande, Bayeux, Cabedelo e Santa Rita emitiram uma nota na noite deste sábado (28) defendendo que o partido lance uma candidatura própria ao Governo do Estado, deixando de apoiar a pré-candidatura do ex-secretário João Azevêdo, nome defendido pelo governador Ricardo Coutinho (PSB).

 

Confira a nota:

No próximo dia 26 de maio, o Encontro de Tática Eleitoral definirá os rumos do Partido dos Trabalhadores nas eleições de 2018 na Paraíba. Nesse sentido o PT/PB afirma, em resolução política recentemente aprovada, que nossa prioridade absoluta é a eleição do companheiro Lula e reitera a estrita observância a uma das principais deliberações do VI Congresso Nacional do PT: não apoiará e nem participará de chapas com partidos ou lideranças políticas que apoiaram o golpe.

Embora o PSB tenha fechado questão e votado em bloco pelo impeachment sem crime da presidenta Dilma – sendo, portanto, cúmplice decisivo do golpe – a resolução política aponta para a possibilidade de diálogo com João Azevedo, evocando o apoio e solidariedade do governador Ricardo Coutinho à companheira Dilma e ao companheiro Lula nos momentos mais difíceis.

Nós reconhecemos e agradecemos ao governador por sua postura firme e corajosa no enfrentamento ao golpe, mas o PT/PB não pode definir os seus rumos políticos tendo como norte apenas a retribuição a um posicionamento que, a rigor, era o esperado, pois diante dos processos flagrantemente ilegais, ilegítimos, injustos e inconstitucionais que levaram à deposição da companheira Dilma e à prisão do companheiro de Lula, cabia (e ainda cabe) às lideranças do campo progressista, a solidariedade e a resistência. Para o militante de esquerda, estar ao lado da Democracia, da Constituição e da Justiça na conjuntura de um golpe de Estado não é um favor a ser retribuído, mas um dever a ser cumprido.

Ademais, o PSB vem definindo opções eleitorais que colidem frontalmente com os interesses da esquerda, do PT e do campo progressista. Em nível nacional, a legenda está prestes a lançar a candidatura de Joaquim Barbosa à Presidência da República, um homem sem propostas para o Brasil, o candidato dos sonhos da direita. Um ex-ministro que, na Suprema Corte, se portou como um reles justiceiro sob o comando da mídia corporativa, com o único objetivo de criminalizar o PT. Foi ele o primeiro a rasgar a Constituição, dando início ao golpe por meio de esdrúxulo uso da “teoria do domínio do fato” – aliás, rejeitado pelo próprio autor – para levar à prisão, mesmo sem provas, dirigentes e militantes históricos do PT, como José Dirceu e José Genoíno. Na Paraíba, desenha-se uma chapa majoritária capitaneada pelo PSB com lideranças e partidos conservadores que apoiaram (e ainda apoiam) o golpe.

Ora, o povo brasileiro já entendeu a lógica do golpe e tem consciência da perseguição midiático-judicial ao PT e ao companheiro Lula, sentimentos que se objetivam na sua liderança em todas as pesquisas eleitorais à Presidência da República, no crescimento da aprovação do partido nas pesquisas de opinião e num expressivo processo de novas filiações, acelerado desde a prisão arbitrária e injusta do maior líder popular da história deste país, encarcerado numa solitária há 21 dias e, sadicamente, mantido incomunicável até hoje. Dia a dia, a indignação popular contra a prisão política de Lula se amplia e o PT cresce na confiança do povo, enquanto a militância conclama o partido ao protagonismo.

Assim, avaliamos que o PT/PB deve dialogar com os partidos de esquerda e construir uma candidatura própria ao governo do Estado, de maneira a atender à convocação da militância e oferecer uma alternativa eleitoral aos amplos setores da sociedade paraibana que, crescentemente, se sensibilizam e se mobilizam na resistência ao golpe e em defesa de Lula livre.

Só a candidatura própria do PT ao governo do Estado realmente garantirá um palanque ao companheiro Lula na Paraíba.

Paraíba, 28 de abril de 2018.

Márcio Caniello
Presidente do PT de Campina Grande

Luzenira Linhares
Presidenta do PT de João Pessoa

Alexandro Batista
Presidente do PT de Cabedelo

Severino Leôncio do Nascimento Sobrinho (Biló)
Presidente do PT de Santa Rita

José de Arimatéia Souto de Oliveira – Presidente PT de Bayeux

VAQUINHA VIRTUAL: Pré-candidatos poderão arrecadar doações financeiras a partir de 15 de maio; confira o artigo de Rômulo Oliveira

A criatividade e a inovação são parceiras inseparáveis na construção de soluções para diversas demandas da sociedade. É incalculável o alcance das ideias exponenciais para nichos, tipos, áreas. Dê um problema aos criativos que eles oferecerão uma solução.

Vejam o que acontece com o crowdfunding, a vaquinha virtual. O famoso financiamento coletivo que surgiu para ajudar no custeio de produções literárias, artísticas, para ajudar pessoas a se casar, realizar procedimentos cirúrgicos e para uma infinidade de coisas, agora também servirá para bancar campanhas políticas.

Com as restrições impostas pelas novas regras eleitorais, a eleição geral de 2018 será a primeira realizada apenas com fundo público de campanha e com doações de pessoas físicas, já que o Supremo Tribunal Federal vedou as doações de pessoas jurídicas. Isto é alicerçado no artigo 23parágrafo 1º da Lei das Eleicoes:

Art. 23. Pessoas físicas poderão fazer doações em dinheiro ou estimáveis em dinheiro para campanhas eleitorais, obedecido o disposto nesta lei.

§ 1º As doações e contribuições de que trata este artigo ficam limitadas a 10% (dez por cento) dos rendimentos brutos auferidos pelo doador no ano anterior à eleição.

Neste sentido, a Resolução N.º 23.553/17 que regula as doações por pessoas físicas trouxe o financiamento coletivo como uma novidade que pode pegar nas eleições deste ano, sobretudo para candidatos de partidos menores que não irão dispor de grande acesso às gordas fatias do Fundo Eleitoral. O art. 22, III da resolução aprovada no ano passado, estabelece:

Art. 22. As doações de pessoas físicas e de recursos próprios somente poderão ser realizadas, inclusive pela internet, por meio de:

(…)

III – instituições que promovam técnicas e serviços de financiamento coletivo por meio de sítios da internet, aplicativos eletrônicos e outros recursos similares.

De olho na nova regra, um grupo de empreendedores criou o ELEITOR PRESENTE, a primeira plataforma on-line de financiamento coletivo especializada em campanhas políticas do Brasil.

A plataforma já está no ar e os candidatos já podem fazer seu cadastro, sem pagamento de taxa de adesão. A partir de 15 de maio, as doações estarão liberadas pelo TSE.

As doações podem variar entre R$ 30 e R$ 1.064,10, e os repasses deverão ser feitos por débito, crédito ou boleto bancário. A transferência para as contas dos pré-candidatos ocorrerá a partir do dia 15 de agosto, quando terão a candidatura aprovada TRE. Os valores doados a candidatos impugnados serão devolvidos aos doadores.

A plataforma é apartidária. Seus organizadores são engenheiros formados pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Com os escândalos envolvendo propina de empreiteiras e grandes empresas para partidos e agentes políticos, alvo de operações no âmbito da Polícia Federal, Ministério Público e Justiça Federal, como a Lava-jato. Os partidos que se habituaram às grandes doações de empresas terão que desenvolver novas estratégias – além do Fundo Partidário – para mobilizar sua base eleitoral através da internet.

Um novo momento que exige novas posturas.

Para as eleições de 2018 analistas políticos, estrategistas e marqueteiros concordam em pelo menos uma questão: esta será a campanha do conteúdo. Quem apresentar um conteúdo qualificado, exequível e coerente com sua história poderá colher bons frutos, principalmente se utilizar corretamente as plataformas digitais disponíveis na rede.

Além do serviço de arrecadação, a plataforma ELEITOR PRESENTE também oferece ao candidato espaço para divulgar suas ideias e propostas. Trocando em miúdos, para arrecadar, o candidato precisará convencer o doador em potencial com o seus argumentos e propostas. Bons conteúdos = boas doações.

Para se ter uma ideia, apenas 5% dos recursos de campanha vieram de pessoas físicas nas eleições de 2010. O comportamento pouco usual no Brasil mobiliza milhões de dólares nas campanhas americanas. Mesmo assim, nas eleições municipais de 2016 no Rio de Janeiro, a campanha de arrecadação para a candidatura de Marcelo Freixo (PSOL), se tornou o maior “crowdfunding” do país. Foram arrecadados, segundo dados oficiais, R$ 1,054 milhão.

O ELEITOR PRESENTE é orientado pela economia do compartilhamento, o braço tecnológico da economia criativa, mas é um empreendimento, e como tal visa o lucro… sua receita virá de um percentual do valor bruto da arrecadação, descontadas as taxas de manutenção e taxas bancárias. Um negócio criativo, inovador focado na democracia, transparência e no compromisso com eleições limpas. Merece todo respeito!

______________________________________________________

Rômulo Oliveira é advogado, professor e pesquisador das relações entre a economia criativa com o direito econômico.

Pré-candidato a governador, Lucélio Cartaxo visita feira de Sapé e dialoga com a população

O pré-candidato Lucélio Cartaxo visitou, neste sábado (28), a feira de Sapé. Acompanhado de lideranças políticas, como Edson Figueiredo (PV), vice-prefeito do município, dos ex-prefeitos João da Utilar e Vicente de Inhaú, vereadores locais, do deputado estadual João Henrique e do presidente Estadual do PSDB, Ruy Carneiro, Cartaxo cumprimentou os comerciantes e foi ouvir de perto os anseios da população.

“Estamos visitando todas as regiões da Paraíba, ouvindo as pessoas, entendendo problemas e buscando soluções”, disse Lucélio. O pré-candidato recebeu o reconhecimento da população. “Lucélio é um nome novo, próximo das pessoas. É de alguém assim que a Paraíba precisa”, mencionou o o vereador Wilson Cavalcante, que acompanhou Lucélio no contato com os comerciantes, na feira livre.

Depois da visita à feira, Lucélio se reuniu com lideranças políticas do município para tratar dos principais problemas da cidade. Nesta ocasião, Lucélio foi recebido pelos ex-prefeito João e Tota Leôncio e ex-candidata a vice-prefeita, Lenilda Leôncio.
Na visita a Sapé, Lucélio Cartaxo foi acompanhado pelo prefeito de Cruz do Espírito Santo, Pedrito, com os vereadores Beto Alberto, presidente da Câmara, Santo, Josimar, Sebastião, Márcio, Mano, Adalgisa, Aline, Maria do Socorro, João Santana, Zebra e Memeu, além de lideranças de Riachão, a exemplo Ronaldo do Sindicato.

Ainda na noite de hoje, o pré-candidato participa da comemoração da emancipação política de Riachão. Amanhã, Cartaxo vai a Guarabira, onde haverá grande encontro do PSDB.

Célio Alves deve desistir de candidatura a deputado estadual

Uma fonte ligada ao PSB de Guarabira informou ao Polítika que o radialista e pré-candidato a deputado estadual, Célio Alves, deve desistir da disputa. Filiado ao PSB, Célio não teria chances de vitória e no máximo garantiria uma distante suplência na coligação que deve reunir os maiores partidos da base do governo.

Dentro do PSB a briga é de cachorro grande e os mais votados devem ser Cida Ramos, Buba Germano, Antonio Mineral, Jeová Campos, Adriano Galdino, Hervázio Bezerra, Ricardo Barbosa e Estela.

Sem contar nos 5 deputados bons de voto do Podemos (Trocoli, Lindolfo, João Gonçalves, Edmilson Soares e Branco) que devem formar a “coligação da morte” juntamente com o PSB e uma terceira sigla.

Sem perspectiva de vitória, Célio Alves só iria “bater esteira” para quem realmente tem voto. Além de jogar dinheiro fora.

Ex-secretário executivo de Comunicação do Governo RC, Célio ficou famoso após uma menor de idade – de apenas 16 anos – denunciá-lo por agressão física e psicológica, em 2016. Fato que culminou em sua demissão.

Em entrevista, Ciro Gomes compara Bolsonaro a Hitler

Em recente entrevista ao Jornal O Estado de São Paulo, Ciro Gomes, atual pré-candidato a presidente pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), disse que não se preocupa com  o espaço ocupado por Joaquim Barbosa (PSB) na chamada centro-esquerda. O que realmente preocupa Ciro é o combate ao que chama de “candidatura bolsoloide”, imposta por Jair Bolsonaro (PSC).

Ciro afirma que não se sente incomodado com pessoas como Joaquim Barbosa ou Marina Silva, mas confessa sentir forte repugna em relação à candidatura de Bolsonaro. Cita que  possui o dever de proteger a nação, o que não foi feito  na Alemanha no período nazista, comparando assim, Bolsonaro a Hitler.

Ciro Gomes revelou ter feito convite ao presidente da Coteminas, Josué Gomes, “Eu gostaria de escolher alguém da produção ligado ao sudeste brasileiro, Minas Gerais e São Paulo”.

Em relação a hipótese de uma chapa única com o PT, rumor que ganhou força na última semana, Ciro Gomes disse ser “possível e até desejável”, mas acha  improvável, analisando o momento em que se encontra a politica do partido.

Quem é Ciro Gomes

Ciro Ferreira Gomes é um político, advogado e professor universitário brasileiro, filiado ao PDT (Partido Democrático Trabalhista) onde atualmente é vice-presidente. Tendo ocupado também altos cargos políticos no país, como por exemplo: dois mandatos de deputado estadual pelo estado do no Ceará.

Já foi também Prefeito de Fortaleza, Governador do Ceará e Ministro da Fazenda do Governador Itamar Franco, durante a implantação do Plano Real. Foi também Ministro da Integração Nacional durante o projeto de mudança do rio São Francisco no mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 1998 e em 2002, Ciro se candidatou à Presidência da República, nas duas  ocasiões pelo PPS.

Nas eleições de 2018, Ciro é visto como um dos nomes fortes da esquerda brasileira

Luiz Couto senador; por que não?

Considerado o deputado federal mais qualificado e atuante da última década, Luiz Couto hoje é a esperança do eleitor progressista que não quer votar em Cássio Cunha Lima, Veneziano ou Raimundo Lyra para o Senado. Para o eleitor de Lula, todos eles são golpistas e responsáveis pela ascensão do presidente mais corrupto da história.

Mas este eleitor está à deriva, órfão de candidato.

Equivocadamente o PT nunca tentou eleger um senador através do prestígio de Lula e da avaliação positiva do governo federal na era Lula-Dilma. Era o PMDB que espertamente usava o lulismo para se dar bem, seja com Vitalzinho, Maranhão, Roberto Paulino ou Wilson Santiago.

Mesmo sem lançar a pré-candidatura ao Senado, Luiz Couto já pontua bem nas pesquisas internas. Inclusive à frente de quem já tem mandato e muitos dólares pra gastar. E proporcionalmente – e circunstancialmente –  melhor que muito profissional da política com tradição familiar, mas pouco conteúdo.

O sentimento pós-golpe favorece uma candidatura realmente lulista. Lula detém mais de 60% das intenções de votos na Paraíba, e não seria uma utopia eleger para o Senado Federal um político da qualidade de Luiz Couto.

A estratosférica rejeição ao governo Temer é outro ponto positivo para o padre, pois na lógica do eleitor médio e simpático ao PT, todo político que ajudou a derrubar Dilma é co-autor desse governo sustentado por um Congresso de picaretas e um judiciário vendido.

De todos os candidatos ao Senado, Couto é o único que não votou a favor das reformas de Temer e foi contra o impeachment da Dilma. Portanto, seria ele o único na disputa com propriedade para acusar o golpe e associar todos os demais a Temer. Além disso, Luiz Couto tem um passado limpo e os adversários não teriam o que criticar, a não ser que inventassem.

A popularidade também é boa. O tempo de TV é generoso. E aliado ao prestígio, à estrutura financeira e a militância do governador Ricardo Coutinho, Luiz Couto passa a reunir todos os elementos para surpreender e virar o primeiro senador petista da Paraíba.

O momento é oportuno, duas vagas estão em disputa e o povo quer votar em gente decente pra combater a corrupção. E tudo indica que a maior crise política da história do Brasil vai resultar na maior taxa de renovação do Congresso, desde a redemocratização.

Com a presença do prefeito Luciano Cartaxo, Amorim lança pré-candidatura a deputado federal em evento com mais de 200 apoiadores

Em evento bastante prestigiado, o policial federal aposentado e ex-vereador de João Pessoa, Geraldo Amorim, lançou oficialmente a sua pré-candidatura a deputado federal, na noite da ultima quinta, 26.

Amorim acredita no sentimento de renovação do povo paraibano e na sua trajetória política para superar a estrutura e a superioridade financeira dos adversários.

“A mudança depende de cada um de nós e chegou a hora de fazer uma faxina geral em Brasília, derrotando aqueles que só aparecem a cada quatro anos, não pensam no bem-estar do povo e ainda sustentam um governo corrupto como o de Temer”, disse Amorim.

Recém filiado ao PV, partido do também pré-candidato Lucélio Cartaxo, Geraldo Amorim aposta na imagem positiva construída como vereador de João Pessoa por dois mandatos.

“Quando ninguém denunciava os privilégios da classe política, em 2004 eu já apresentava projeto de lei reduzindo o recesso parlamentar de 90 para 45 dias. Também me posicionei contra o auxílio paletó, carros oficiais e outras mordomias desnecessárias. Meus exemplos falam por mim, e isso é mais importante que discurso político. O eleitor precisa ficar atento à trajetória política do candidato e suas atitudes, porque discurso todos fazem, mas bons exemplos poucos têm”, afirmou Geraldo Amorim.

O prefeito Luciano Cartaxo ressaltou as qualidades de Amorim e o período de 5 anos em que ele esteve à frente da secretaria municipal de Segurança. “Amorim foi um dos melhores secretários da gestão e tenho certeza que o atual momento político pede pessoas como Amorim na Câmara Federal. Ele é um político decente e o Brasil precisa de renovação com qualidade e, acima de tudo, honestidade”, disse Cartaxo.

POLÍCIA FEDERAL: Temer lavou propina em imóveis da família

A polícia federal avança nas investigações sobre a lavagem de dinheiro atribuída a Michel Temer. A nova evidência encontrada pela Polícia Federal são transações imobiliárias em nomes de terceiros que dizem respeito a imóveis pertencentes à família Temer. Marcela Temer e o filho do casal são proprietários de alguns desses imóveis.

A investigação é um desdobramento das conexões entre Temer e seu operador, o coronel João Baptista de Lima Filho, cujo montante de propina repassada a Temer chega a R$ 2 milhões.

Reformas também estão na lista de possíveis ilegalidades o horizonte judicial do emedebista e aí entram aparecem os nomes da filha Maristela Temer e a sogra, Norma Tedeschi.

Maria Rita Fratezi, mulher do coronel Lima, teria repassado em dinheiro vivo a fornecedores pagamentos de reforma de um imóvel pertencente à Maristela.

Empresas como JBS e Engevix aparecem como possíveis fornecedores do dinheiro que serviu a pagamentos de reformas, em cruzamentos financeiros que remontam às campanhas eleitorais do MDB.

Na Paraíba, ex-ministro da Justiça diz que Ficha Limpa não afeta Lula

O ex-ministro da Justiça, Carlos Eduardo Barroso, saiu em defesa do ex-presidente Lula, nesta sexta-feira (27), em João Pessoa,  e disse acreditar que a prisão do petista será revertida no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele profere palestra na Câmara Municipal de João Pessoa, onde também recebeu cidadania pessoense, proposta pelo ex-vereador Fernando Milanez.

De acordo com Barroso, a sentença que condena Lula “é insustentável do ponto de vista jurídico, faltam provas, a prisão foi apressada de forma indevida e o processo todo foi acelerado de uma maneira inaceitável”.

“O presidente não poderia continuar preso. Eu confio na justiça brasileira. Espero que se faça justiça. É uma violência que não pode continuar sendo perpetrada contra o ex-presidente da República”,  destacou.

Para Barroso, Lula pode concorrer à Presidência por não se enquadra na Lei Ficha Limpa. Ele lembrou que foi relator da Lei quando deputado e uma emenda de sua autoria garantiria a candidatura do petista.

“Uma emenda que eu fiz prevê o efeito suspensivo no caso do recurso ser plausível. Os recursos do presidente são plausíveis porque não havia razão para condenação”, afirmou.

Confira vídeo

MaisPB

O PCdoB não é trotskista, mas rachou!

O PCdoB “raiz” era adepto ao centralismo democrático, característica do stalinismo. Hoje o PCdoB “Nutela” está mais para um partido trotskista. O “racha” interno que dividiu a sigla entre cartaxistas e ricardistas me fez lembrar uma piada dos tempos de movimento estudantil:

Qual a diferença entre um tijolo e um trotskista? Resposta: Quando arremessamos ambos numa parede, o trotskista sempre racha.

E no tal racha, Lucélio Cartaxo ficou com o melhor pedaço; vereadores, suplentes e a militância. João Azevedo ficou só com a foice e o martelo.

Combina com o perfil sisudo…