Cássio: “Vamos garantir no Senado mais recursos para UPAs e a saúde na Paraíba”

Durante visita às obras da UPA dos Bancários, em João Pessoa, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) afirmou que vem trabalhando, junto com a bancada federal, para assegurar mais recursos para a saúde na Paraíba, beneficiando a população.

Ao longo do mandato no Senado, Cássio destinou mais de  R$ 73 milhões em recursos para a saúde do Estado, incluindo a implantação, ampliação e reforma de Unidades Básicas de Saúde, clínicas e policlínicas. E, também, para ajudar os gestores no custeio e manutenção dessas unidades de saúde da Paraíba.

“O bom atendimento na saúde demanda muito investimento e trabalho. É por isto que temos nos dedicado no Senado a destinar recursos para os municípios. No caso de João Pessoa, vamos continuar a trabalhar para que, após a entrega da obra da UPA dos  Bancários, a homologação junto ao Ministério da Saúde seja agilizada para que o custeio de um milhão de reais por mês não fique apenas na conta da Prefeitura, afirmou Cássio, após visitar a UPA Especialidades, ao lado do prefeito Luciano Cartaxo, do senador Raimundo Lira e do deputado federal Pedro Cunha Lima.

Cássio explicou que os mais de R$ 73 milhões destinados aos municípios são também utilizados para o fortalecimento da atenção básica, para a implantação, por exemplo, de Unidades de Saúde da Família, reforma e ampliação de hospitais, aquisição de ambulâncias e atenção à saúde bucal, dentre outros benefícios.

“É preciso investir na saúde dos municípios, principalmente os do interior, porque isto contribui inclusive para desafogar os hospitais e UPA’s de cidades maiores. No caso de João Pessoa, vamos continuar a trabalhar para garantir mais recursos para a conclusão e funcionamento da UPA dos Bancários e de outras unidades de pronto atendimento da capital, que beneficiam milhares de pessoas”, concluiu.

Fama de ‘GOLPISTA’ prejudica Veneziano, dentro e fora do PSB

Não é só o PT que torce o nariz para a pré-candidatura de Veneziano ao Senado. A fama de ‘golpista’ também causa estragos internamente no PSB, onde militantes mais ideológicos admitem não votar em quem ajudou a colocar Temer no lugar de Dilma, e indiretamente contribuiu para a prisão de Lula; ato final do golpe.

Algo parecido aconteceu com o senador Cássio à época da aliança com Ricardo Coutinho, em 2010. Alguns socialistas fizeram corpo mole para o tucano, contribuindo assim para a derrota de Cássio em João Pessoa, mesmo com a expressiva votação de Ricardo para o governo.

Jaques Wagner: PT pode aceitar ser vice de Ciro Gomes

O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, que já foi cotado como um eventual ‘Plano B’ do PT, disse hoje que o partido pode abrir mão da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso há mais de três semanas, para ser vice de Ciro Gomes, do PDT. “Sempre defendi que, após 16 anos, estava na hora de ceder a precedência. Sempre achei isso. Não conheço na democracia ninguém que fica 30 anos. Em geral fica 12, 16, 20 anos. Defendi isso quando o Eduardo Campos ainda era vivo. Estou à vontade neste território”, disse ele, em Curitiba, ao jornalista Ricardo Galhardo.

Em resolução recente, no entanto, o PT lançou oficialmente a candidatura Lula, sob o mote ‘Lula livre, Lula inocente, Lula presidente’. No entanto, Wagner defendeu as articulações feitas pelo ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que também é citado como alternativa do PT a Lula, e já se reuniu duas vezes com Ciro neste ano.

“O Haddad teve uma conversa sobre a economia brasileira e acharam que era sobre política eleitoral no estrito senso. Esse é o caminho. Eu continuo na minha posição. O PT vai sustentar a candidatura do Lula até que alguém diga que ele está interditado definitivamente. Ninguém traça uma estratégia já pensando em plano B”, afirmou. “Acho que tem que conversar com todo mundo. Não só pensando na questão eleitoral mas pensando em como retomar um processo de crescimento sustentável com distribuição de renda no Brasil. Então acho que conversar com Ciro, Manuela (D’Avila, do PC do B) e Joaquim (PSB), faz parte da política”.

Supremo repara injustiça e nega ação de censura contra Pâmela por postar sobre Jampa Digital e execução de Bruno Ernesto

O governador Ricardo Coutinho sofreu novo revés nas ações movidas contra a ex-primeira-dama Pâmela Bório. O ministro Roberto Barroso (Supremo Tribunal Federal) acaba de fulminar uma decisão do juiz da 7ª Vara Cível de João Pessoa, que havia proibido Pâmela de postar sobre o escândalo do Jampa Digital. O governador foi ainda condenado a pagar os honorários da causa, estimados em R$ 2 mil.

Em julho de 2016, o juiz José Célio de Lacerda Sá (titular da 7ª Vara) acatou pedido do governador Ricardo Coutinho e proibiu a ex-primeira-dama de postar nas redes sociais informações sobre o Jampa Digital, bem como sua eventual relação com o assassinato do jovem Bruno Ernesto, ex-coordenador de Informática da Prefeitura de João Pessoa.

O governador alegou em sua ação, que Pâmela vinha tentando, de forma dissimulada, estabelecer um vínculo entre o escândalo do Jampa Digital e o assassinato de Bruno Ernesto, e que isso objetivava macular a sua imagem. E ex-primeira-dama, então, Pâmela decidiu recorreu ao Supremo, com pedido de liminar, contra decisão do magistrado.

Mas, em poucos meses depois, em outubro de 2016, o ministro Roberto Barroso deferiu a liminar impetrada pela ex-primeira-dama, determinando a suspensão temporária dos efeitos da decisão do juízo da 7ª Vara Civil. Agora, Barroso cassou, definitivamente, a decisão do juiz e ainda arbitrou multa contra o governador pela litigância.

Atuaram na defesa de Pâmela os advogados George e Michele Ramalho.

Despacho – Em sua decisão, o ministro pontuou: “… Por todo o exposto, com fundamento no art. 161, parágrafo único, do RI/STF, julgo procedente o pedido, para cassar a decisão reclamada. Condeno a parte beneficiária do ato reclamado ao pagamento de honorários advocatícios, arbitrados em R$ 2.000,00 (dois mil reais), na forma do art. 85, § 8º, do CPC/2015. Publique-se. Comunique-se.”

Hélder Moura