Procurador-geral destaca participação da Câmara de João Pessoa na realização do ‘HackFest’

O procurador-geral de Justiça da Paraiba, Francisco Seráphico da Nóbrega, declarou em uma entrevista a uma emissora local, na manhã desta quinta-feira (16), a importância da participação da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) na realização do ‘HackFest + Virada Legislativa: Por Uma Sociedade Politicamente Participativa’. Em sua entrevista, Seraphico lembrou que a Casa Napoleão Laureano foi a primeira do Brasil a receber projetos de lei de iniciativa popular, através do aplicativo Mudamos. Para o curador-geral, essa iniciativa é importante para a população.

Para o presidente da CMJP. vereador Marcos Vinícius (PSDB), estar entre os organizadores do Hackfest é motivo de orgulho e alegria: “Ao longo de três edições, o Ministério Público mostrou o potencial da cidade de João Pessoa para combater a corrupção e criar ferramentas de transparência e fez o Estado um polo importante no desenvolvimento de aplicativos para gestão pública. Dessa forma, ficamos muito honrados com o convite do dr. Octávio Paulo Neto (coordenador do Núcleo de Gestão do Conhecimento e Segurança Institucional do Ministério Público da Paraíba e idealizador do evento) em somar os esforços da Câmara neste momento histórico, em que temos uma legislatura mais moderna, mais antenada e ágil, com disposição de construir, junto com a população, uma democracia efetivamente direta”, ressaltou o vereador.

O HackFest, que teve início na tarde desta quinta-feira, na Estação Cabo Branco, é organizado pelo Núcleo de Gestão do Conhecimento e Segurança Institucional do Ministério Público da Paraíba (NGCSI/MPPB), Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas da União, Prefeitura de João Pessoa (PMJP), Laboratório Analytics da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O evento tem o patrocínio do Banco do Brasil, do Governo Federal e da Energisa.

O evento, que segue até domingo (19) na Estação das Artes, já conta com o apoio de mais de 30 instituições parceiras: Ministério da Justiça, Cade, Transparency International, Contas Abertas, TJPB, MPDFT, Cade, Atricon, MPF, Aspol, Adepdel, ANTC, AMPB, Funifier, ADPF, PM, IAI, AMPB, CGE, TCE, UFPB, Ministério Público Militar, Castanhola, Ajufe, Anid, Data Robot, Five ACTS, RFB, SindContas, Fab Work, Esat, Unipê, Conductor, Ibis e Hotel Manaíra, MPPB e SER.

Secom/CMJP

Candidato ao Senado há apenas duas semanas, Luiz Couto surpreende e aparece com 16% na pesquisa Consult

Pesquisa divulgada na noite desta terça-feira (14) revela que, se as eleições fossem hoje, os dois candidatos a senador pela Paraíba mais votam seriam Cássio Cunha (PSDB) e Veneziano Vital do Rêgo. O petista Luiz Couto aparece logo em seguida.

De acordo com os números coletados pelo Instituto Consult, o tucano Cássio Cunha Lima aparece com 25,95% das intenções de votos, seguindo de Veneziano Vital do Rêgo (PSB), com 21,60%, e Luiz Couto (PT), com 16,85%.

Ainda conforme os números da Consult, Daniella Ribeiro (PP) tem 13,50% e Roberto Paulino (MDB) teria 5,80%. Nelson Junior (PSOL) recebeu 1,50% das intenções de voto e Nivaldo Mangueira (PSOL), 1,05%.

Neste ano, eleitor poderá votar em dois candidatos ao Senado Federal.

Dados da pesquisa

Realizada entre os dias 8 e 12 deste mês, a pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número PB 03853/2018. Foram realizadas 2 mil entrevistas em sete regiões do Estado. Os resultados estão sujeitos a um erro máximo permissível de 2.0%, com confiabilidade de 95%.

O Instituto Consult abordou o eleitor sob as candidaturas de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual e, ainda, avaliação do governo Ricardo Coutinho (PSB).

Veja gráfico abaixo

Consult: Veneziano e Luiz Couto se aproximam de Cássio na disputa ao Senado

 

Luiz Couto, o senador de Ricardo; Veneziano, o senador do golpe

O pior cenário para Veneziano se materializou. Daniella Ribeiro entra pra dividir os votos de Campina Grande e ser a segunda opção do eleitor cassista. Já Luiz Couto, será a opção do campo progressista que rechaça o governo Temer e o golpe. O padre conta com o lulismo. Veneziano conta com a ojeriza dos petistas e a fama de golpista, mesmo com as falsas declarações de amor de Jackson Macêdo e cia.

Ciente do novo cenário, Ricardo Coutinho agiu rápido e mudou Edvaldo Rosas (o capitão do mato) de lugar, tornando-o primeiro suplente de Luiz Couto, o senador “number one”.

Ricardo não é bobo e pensa à frente de seus adversários. Ele sabe que Veneziano senador é uma ameaça futura, pois é jovem e tem perfil para o executivo. Luiz Couto não, tem menos disposição e combina mais com o parlamento.

Anotem aí: Cássio e Luiz Couto levam as duas vagas…

 

Câmara de João Pessoa retoma os trabalhos legislativos nesta terça-feira, 7

A Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) inicia oficialmente os trabalhos legislativos deste segundo semestre, com uma sessão solene, na manhã desta terça-feira, 7 de agosto, às 9h, no Plenário Senador Humberto Lucena. Participam da solenidade autoridades como o prefeito da Capital, Luciano Cartaxo (PV), secretários municipais, além de representantes da sociedade civil e organizada.

Ainda na terça-feira (7), às 15h, o vereador Chico do Sindicato (Avante) entrega o Título de Cidadã Pessoense a influenciadora digital Diene Galvão Toscano dos Santos. Já na quinta-feira (9), às 14h30, o vereador Humberto Pontes (Avante) entrega cidadania pessoense ao advogado e professor universitário, David de Oliveira Monteiro. Todas as solenidades acontecem no Plenário Senador Humberto Lucena.

Câmara no recesso

“Os trabalhos sequer pararam durante o recesso parlamentar. Tivemos uma série de atividades nesse período e o primeiro semestre, que teve uma produção recorde, certamente será superado neste segundo semestre”, afirmou o presidente da CMJP, vereador Marcos Vinícius (PSDB).

Dentre as atividades ocorridas no recesso, a Câmara foi homenageada durante a inauguração da reforma da Assembleia Legislativa por ceder, por quase seis meses, o Plenário Senador Humberto Lucena para que os deputados pudessem manter suas atividades legislativas, até que as obras de reforma da nova sede fossem concluídas.

A Câmara se tornou parceira do Ministério Público da Paraíba (MPPB), da Controladoria-Geral da União (CGU) e de outras instituições na realização do ‘HackFest Contra a Corrupção’, que este ano passa a se chamar ‘HackFest + Virada Legislativa: Por Uma Sociedade Politicamente Participativa’. Nesse sentido, ainda foram abertas as inscrições para as maratonas do evento, divulgada a programação para os vereadores.

O presidente Marcos Vinícius (PSDB), acompanhado de uma comitiva de vereadores, e o arquiteto, Gustavo Vaz, apresentou o projeto da nova sede da Câmara ao Ministério Público da Paraíba (MPPB). No encontro, o promotor Carlos Romero Lauria Paulo Neto, representando a Curadoria do Patrimônio, avaliou o projeto como uma iniciativa “pé no chão”.

A Escola do Legislativo Professor Celso Furtado da CMJP, divulgou a abertura das inscrições do curso Comunicação Integrada, realizado em parceira com o Instituto Legislativo Brasileiro (ILB) – Senado Federal, através da plataforma Interlegis, direcionado para profissionais da área de comunicação das Casas Legislativas.

Produção Parlamentar

No primeiro semestre de 2018, mais de 8 mil matérias passaram pela CMJP. Esse número significa um aumento de 59%, quando comparado com o número do mesmo período do ano passado, que foi 4.805, conforme dados pesquisados no Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (SAPL). Deste total, 269 foram de projetos aprovados pelos parlamentares em Plenário.

Ainda neste período, mais de 60 normas aprovadas foram sancionadas e já estão em vigor, a exemplo da inserção de Noções básicas da Lei Maria da Penha no ensino das escolas municipais; quatro normas sobre microcefalia; o aprimoramento de painéis eletrônicos para o gerenciamento de filas e senhas, que agora devem emitir chamada por voz; e a lei que estimula diagnóstico e acompanhamento precoces da Síndrome de Down em João Pessoa.

O PT entre o discurso e prática, é um golpe dentro do golpe – Por Rômulo Halysson Oliveira

O PT rifou a candidatura da vereadora do Recife, Marília Arraes, ao governo de Pernambuco em troca da neutralidade do PSB e seu distanciamento do PDT. Tudo isso com um único e claro objetivo: isolar a candidatura de Ciro Gomes.

A estratégia faz parte de um acordo silencioso entre Lula e Temer para conter o avanço do ex-ministro e sua candidatura.

A caminhada de Ciro tem incomodado muito PT e MDB, não apenas pelos ataques àquilo que o pedetista chama de “alianças incoerentes” promovidas por petistas e emedebistas em estados como Alagoas e Amazonas. O cearense tem sido até aqui o pré-candidato com maior consistência de propostas. Uma vitória sua representaria a ascensão de uma grande liderança progressista, dividindo o protagonismo do campo com ex-presidente. O que é inadmissível para Lula.

Lula não quer ninguém ocupando o seu lugar e sabe que se eleito, Ciro, é o único que pode acabar com o reinado petista, já que o que propõe é um Projeto de Desenvolvimento Nacional. Diferente do projeto de poder petista. E é nesse ponto em que se encontra o sentido do veto à candidatura da neta de Miguel Arraes.

Rifar “companheiros” não é novidade no PT.

Em 1998, Vladmir Palmeira, militante histórico, líder da passeata de 1968, encantou a militância petista do Rio de Janeiro, ameaçando o grupo de Brizola. Por determinação de Lula e Zé Dirceu, seu ex-parceiro de lutas, teve a candidatura implodida. Bom para Anthony Garotinho, que acabou vitorioso.

Não se surpreendam se história se repetir em Pernambuco e Armando Monteiro sair vencedor da peleja de outubro.

Lula – que não será candidato coisa nenhuma – está pouco preocupado em unificar o campo progressista ou com o país e seus rumos. Sua preocupação é com a vaidade que sua condição de Totem lhe dá. E essa mesma vaidade lhe orienta a desestabilizar o campo progressista e qualquer um que teime em querer crescer.

O episódio de Pernambuco serve ao menos para evidenciar ao país o que já era claro para muitos: a democracia interna do PT é uma falácia. Aquelas tendências e os seus incontáveis embates internos são apenas parte da burocracia petista para manter sua militância ocupada e sem questionar o autoritarismo violento imposto pela direção nacional. Não tem força decisória nenhuma. No final das contas, quem manda é Lula (e Dirceu) como todos agora podem ver com clareza.

Em síntese, o PT pode ser definido como aquele partido que se diz vítima de um GOLPE, mas que não hesita em dar GOLPE quando lhe é conveniente. O que não é nada dialético… é apenas incoerente.

PS.: Em tempo, deixo minha solidariedade à vereadora Marília Arraes, que mesmo não consolidando sua candidatura sairá gigante deste processo. Espero que deste partido também.