RETROSPECTIVA: Milionário, Ricardo Coutinho foi considerado um dos governadores mais ricos do Brasil

Confira a lista:

PROPINA DA CRUZ VERMELHA: Ex-assessor de Livânia preso teria comprado imóvel por R$ 1,8 milhão

Na Paraíba dos últimos tempos, tem sido um escândalo por minuto. Não bastassem todas as irregularidades apuradas na área de Saúde, reveladas pela Operação Calvário, agora começam a surgir denúncias de enriquecimento ilícito e ostentação de alguns servidores, que parecem sinalizar um derrame de dinheiro vazando dos cofres do Estado diretamente para o bolso de alguns poucos.

Um delegado acaba de informar para a ex-primeira-dama Pâmela Bório (que cedeu as informações ao Blog), indicando a aquisição de imóveis de luxo e reforma de outros com valores estratosféricos, em João Pessoa e Sousa. Fotografias de alguns desses imóveis foram remetidos para uma força-tarefa que vem realizando investigações na Paraíba, desde a Operação Calvário.

Conforme comentários de bastidores, um imóvel foi adquirido num condomínio fechado em Intermares (Cabedelo) por R$ 1,8 milhão, e o dinheiro teria sido levado por Leandro Nunes Azevedo, ex-assessor da secretária Livânia Farias (Administração), que se encontra preso pela Operação Calvário. O outro imóvel, localizado em Sousa, teria passado por uma “reforma de mais de R$ 2 milhões”.

Helder Moura

Ex-chefe de gabinete de Estela Bezerra, presidente da Cruz Vermelha revela que instituição recebia dinheiro até da Lotep

A presidente da Cruz Vermelha na Paraíba, Mayara de Fátima Martins de Souza, acabou colocando a instituição que comanda em mais uma “saia justa”. O motivo é que durante o sorteio de um dos produtos da Lotep (Loteria do Estado da Paraíba), autarquia ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, a ex-chefe de gabinete da deputada Estela Bezerra (PSB), revelou que parte dos recursos arrecadados pelo Paraíba de Prêmios vai justamente para a Organização Social que preside.

Veja o vídeo:

Outra “aparição” de Mayara no cenário político da Paraíba ocorreu há alguns anos, indiretamente, quando a mesma foi citada pela ex-primeira-dama, Pâmela Bório, em vídeo vazado que mostra uma briga do casal. Na ocasião Pâmela pergunta ao ex-governador, Ricardo Coutinho, porque ele quer que ela deixe o filho do casal apenas com “Estela, Claudia Veras ou Mayara”.

Na Paraíba a Cruz Vermelha é apontada como responsável por uma organização criminosa, comandada por Daniel Gomes da Silva, preso em dezembro de 2018, por desvios de recursos públicos, corrupção, peculato e lavagem de dinheiro, através de contratos firmados juntos a unidades de Saúde do Estado da Paraíba, na ordem de R$ 1,1 bilhão.

OPERAÇÃO CALVÁRIO: Áudio grampeado mostra secretário de Ricardo Coutinho beneficiando empresário em licitação da Saúde

Vazou um áudio grampeado de uma conversa entre Waldson Souza, ex-secretário de Saúde, com um suposto empresário. Na conversa, o braço direito de Ricardo Coutinho passa instruções que favorecem a empresa que vai disputar a licitação. A conversa começa aos 4 minutos e 30 segundos.

Empresário: Ô Waldson, fala aí, será que rola?

Waldson: Rola.

Empresário: Desembaralha?

Waldson: Eu queria o governador aqui. Ele tá em campanha ou viajando

Waldson: Ficou 1 e 600, foi? (milhões)

Empresário: Ficou 1 e 600 e uns quebradinhos

 

Segundo informações de bastidores, o empresário que aparece no áudio estaria envolvido no esquema de corrupção da Cruz Vermelha.

O grampo também envolve o procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro. No segundo áudio, aos 30 minutos e 30 segundos, Gilberto dá a entender que o juíz Aluízio Bezerra é aliado do PSB, o que compromete a independência do magistrado.

Giberto Carneiro: “Agora deixe eu lhe pedir uma coisa, faça uma visita a Aluízio Bezerra, de uma conversada com ele, tranquilo, porque ele é um defensor nosso. Tem que alimentar ele de informação”.

 

Em carta, funcionários do Trauma denunciam irregularidades envolvendo a Cruz Vermelha nos governos de RC: “A corrupção é muito mais profunda”

O Blog registra o recebimento de uma carta enviada por funcionários do Hospital de Trauma, terceirizado pela Cruz Vermelha gaúcha, afirmando, entre outras, em relação à Operação Calvário, que “a corrupção é muito mais profunda do que foi abordado na reportagem (do Fantástico – Rede Globo) e esse é o motivo dessa carta”.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA CARTA…

Nosso Estado, tão esquecido e negligenciado pelo governo federal… Nossa terra que raramente é comentada pelos outros estados da união foi alvo de uma reportagem que abrangeu todo o território nacional através do programa da rede globo Fantástico no dia 03/02/2019.

O assunto abordado nessa reportagem não foi o potencial turístico ou as qualidades do povo paraibano…foi sobre o enorme escândalo da cruz vermelha no sistema de saúde do nosso estado.

A reportagem fala sobre cifras econômicas bilionárias, fraudes, corrupções, nomeia alguns envolvidos, diretores do hospital de trauma e outros, tudo seguindo os ventos encorajadores de um pais mais digno q veio com a operação lava jato.

Mas infelizmente só tocaram na superfície do problema, a corrupção é muito mais profunda do que foi abordado na reportagem e esse é o motivo dessa carta.

É no exercício da cidadania, em colaboração ao trabalho do Ministério Público e Policia Federal, que levamos ao conhecimento de todos os fatos abaixo descritos e ensejador de responsabilização criminal dos autores, requerendo-se as providências pertinentes, instaurando-se de ofício o inquérito, passando a seguir às apurações que competem às autoridades legais.

No hospital de trauma está havendo além dos fatos citados na reportagem do Fantástico uma série de crimes praticados pelas chefias destacadamente de seus coordenadores.

Há uma quadrilha organizada que (FRAUDE DE EXTRAS) evidenciando assim o PECULATO…para atingir esses objetivos escusos o quadro de pessoal é constantemente ameaçado e intimidado…gerando inúmeros casos de licenças, pedidos de demissão e em casos extremos tentativas de suicídio.

Há também o desvio de remédios de valor muito elevado que somado aos outros fatos mencionados fazem que a população seja altamente prejudicada com a falta de remédios, de pessoal em certos casos e de pessoal qualificado em outros.

Para exemplificar tudo o que foi dito basta ver o caso de um único coordenador da emergência e outros setores, chamado Jamerson Rodrigues de lima conhecido pelo abuso de poder que tem vários processos de assédio moral ,ameaças, extorsão, terrorismo , e como prêmio por isso acumula 6 coordenações em um único hospital carro de 110 mil reais, técnico com moto de mais de 60 mil reais, granjas, casa com piscina ,construção de prédio de apartamentos para venda, evidenciando o enriquecimento em apenas 2 anos de coordenação, enriquecimento ilícito que várias chefias tem usufruído ao longo dos tempos.

Essa carta tem o intuito de que não se pare com as investigações em andamento sobre a cruz vermelha, mas que se tente arrancar a corrupção pela raiz do hospital de trauma e não só suas folhas.

Que a população paraibana tenha ciência do que acontece no seu sistema de saúde e em seus hospitais de referência. Que o braço da lei consiga alcançar esses criminosos fantasiados de funcionários exemplares.

E que o povo e os funcionários da saúde da Paraíba tenham os hospitais que merecem. Que a investigação não seja apenas nos altos cargos, investiguem coordenadores e secretários dos mesmos, que quebrem sigilo telefônico e bancários do citado acima. O roubo vai além de desvios da Cruz Vermelha. O povo da paraíba agradece.

Helder Moura

Ex-prefeito interino de Bayeux diz que “abasteceu” vereadores e entregou Saúde e Educação de “porteira fechada” para Ricardo Coutinho

O vereador Mauri Batista, o Noquinha (PSL), teve um ataque de sinceridade durante discurso na Câmara de Bayeux. O pronunciamento foi proferido no dia 3 de janeiro, na tribuna da Casa, mas só agora veio à tona. Revoltado com as críticas dos pares, referentes ao período em que ele comandou a prefeitura, soltou o verbo contra os colegas. Entre outras coisas, confessou que distribuiu largamente cargos para familiares de vereadores aliados. Fez o mesmo com o governador ex-Ricardo Coutinho (PSB). A estratégia era conseguir os apoios necessários para cassar o mandato do vice-prefeito Luiz Antônio (PSDB).

O ex-vice-prefeito foi afastado do cargo por decisão da Justiça no dia 21 de março do ano passado. A decisão foi do desembargador Arnóbio Alves Teodósio. Pesa contra ele acusações de tentativa de extorsão de um empresário. O vice ocupava o cargo de prefeito desde o afastamento do prefeito Berg Lima (sem partido) em julho de 2017, que voltou ao cargo no fim do ano passado. Do afastamento à cassação do mandato, passaram-se menos de duas semanas. Por maioria qualificada, o tucano teve o mandato cassado no dia 4 de abril. O fato abriu caminho para Noquinha prolongar a interinidade dele.

O caso voltou à pauta das discussões nesta semana. Na última segunda-feira (4), houve uma audiência na 43ª vara, em Bayeux. Luiz Antônio entrou com ação na qual pede a restituição do cargo. Alega manobra política e compra de votos. Durante depoimento, Noquinha confirmou tudo o que havia dito antes em relação à distribuição de cargos para familiares de vereadores. As benesses, ele reforça, fizeram com que até os problemas mais graves que ocorreram na cidade, inclusive o do lixo, fossem ignorados pelos colegas. As críticas vieram depois que ele deixou o cargo.

Cargos indicados por Ricardo

Noquinha também confessou que foi ao ex-governador Ricardo Coutinho em busca de apoio. Queria do socialista a fidelidade do PSB na cidade. A reunião contou com a participação, também, do secretário de Planejamento e Gestão, Waldson de Souza. O apoio foi franqueado, mas a contrapartida foi a entrega das pastas de Saúde e Educação. Foi cobrada autonomia para todas as decisões. Para a Saúde, o indicado foi o médico Edvan Benevides. Para quem não lembra, ele comandou o Hospital de Trauma entre 2011 e 2016. Este período é justamente o que a instituição passou a ser administrada pela Cruz Vermelha Brasileira.

A organização social, atualmente, está implicada em várias denúncias. Toda a cúpula da instituição está presa em meio a denúncias de superfaturamento e, inclusive, de doações para campanhas eleitorais. Os ministérios públicos da Paraíba e o do Rio de Janeiro apontam doações de campanha para Ricardo Coutinho e João Azevêdo. “Eu errei quando entreguei as secretarias sem que eu tivesse autonomia sobre elas. Não faria isso de novo”, alegou Noquinha.

O secretário Waldson de Souza foi convocado para uma audiência no dia 14 de março, quando deverá responder às acusações.

Blog do Suetoni

Cartaxo defende saída imediata da Cruz Vermelha e dispara: “governo contratou uma organização criminosa”

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV) defendeu nesta sexta-feira (8), durante inauguração de uma creche no Valentina de Figueiredo, que o governo João Azevedo (PSB) ponha um ponto final no contrato com a Cruz Vermelha, filial do Rio Grande do Sul, e devolva a gestão do Hospital de Trauma, na Capital, para o próprio Estado. Sem meias palavras, Cartaxo lamentou o escândalo que, segundo o Ministério Público teria drenado quase R$ 2 bilhões dos cofres públicos para corrupção, e disparou: “governo contratou uma organização criminosa”.

Cartaxo enfatizou que a Cruz Vermelha não tinha nenhuma experiência anterior em administração hospitalar e lembrou que o contrato de mais de R$ 1 bilhão foi feito sem licitação.

O prefeito ressaltou ainda, que todos os diretores da entidade estão presos e não entende porque o governo não cancela o contrato com a Organização social, segundo o Ministério Público, se transformou em uma organização criminosa.

“É um valor muito expressivo para uma empresa que nunca tinha qualificação e experiência em trabalho hospitalar em hospitais da Paraíba e sem licitação. O governo tem que encerrar o contrato com a Cruz Vermelha. Toda direção da Cruz Vermelha está presa e o governo insiste em manter o contrato com uma empresa onde está instalada uma verdadeira organização criminosa. A saúde não funciona a contento porque o governo está colocando R$ 1 bilhão nas mãos de uma organização criminosa”, disse.

Rachel Sheherazade detona filho de Bolsonaro e inicia guerra nas redes sociais

Na última quinta-feira, 07 de fevereiro, a jornalista Rachel Sheherazade voltou a causar polêmica após criticar o filho do Presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro.

Em suas redes sociais, a âncora do Jornal do SBT causou polêmica ao ironizar as notícias à respeito do Senador Flávio Bolsonaro.

Rachel compartilhou uma notícia divulgada pelo Estadão em que dizia que Flávio faz parte da Mesa Diretora do Senado e terá quase R$ 500 mil por mês para contratar comissionados.

Sem papas na língua, a jornalista disparou: “Perguntar não ofende: Os comissionados receberão seus salários integrais ou terão que depositar uma parte na conta do Queiroz?”, escreveu ela.

Na web, o comentário da jornalista logo repercutiu e gerou bastante briga entre os internautas, que se dividiram em apoiar e criticar a fala de Rachel