É OU NÃO É? Cida acusa Raniery Paulino de chamar Ricardo Coutinho de ladrão

O barraco hoje (27) na Assembleia acabou sobrando para o governador de fato, Ricardo Coutinho. Segundo a deputada Cida Ramos, Raniery Paulino teria chamado RC de ladrão.

O deputado nega.

“Ele disse que não disse [o termo ladrão], mas no meio da minha fala com ele, ele afirmou: ‘ele é ladrão sim, ele é ladrão sim’”, disse Cida.

Será que Raniery tem razão?

E aí, caro leitor, você acha que Ricardo Coutinho é ladrão?

VÍDEO: Deputados do PSB e críticos da Operação Calvário armam barraco na Assembleia

Os deputados governistas e críticos da Operação Calvário, entre eles Ricardo Barbosa e Cida Ramos, não querem que a Assembleia Legislativa aprofunde o debate sobre a corrupção na Cruz Vermelha e a Operação Calvário.

Fora dos microfones e dentro do plenário, os ânimos ficaram acirrados entre Cida e Raniery, quando houve uma crítica ao ex-governador Ricardo Coutinho. Um bate boca foi iniciado e a deputada Pollyana encerrou a sessão alertando para um possível decoro parlamentar.

Cida disse que Raniery Paulino chamou o ex-governador Ricardo Coutinho de ladrão, e isso seria uma calúnia.

Raniery disse que a sessão foi encerrado porque os deputados da oposição começaram a debater o escândalo da Cruz Vermelha, principalmente quando o parlamentar propôs requerimento convidando o conselheiro do TCE, Nominando Diniz, a expor o voto dele no julgamento das contas da Cruz Vermelha.

Por que os deputados Ricardo Barbosa e Cida Ramos andam tão exaltados nas últimas semanas?

Polítika com informações do Portal do Litoral

Xeque-Mate: Em depoimento à PF, Luceninha descarta pressão de Fabiano Gomes para renunciar ao cargo

O ex-prefeito de Cabedelo, José Maria de Lucena Filho (Luceninha), prestou depoimento à Policia Federal na terça-feira, 19, em que afirmou, categoricamente, não ter sofrido qualquer pressão por parte do radialista Fabiano Gomes para renunciar ao cargo de prefeito.

Luceninha foi ouvido na Polícia Federal acompanhado por seu advogado, Rodrigo Santos, dentro da fase processual das investigações da Operação Xeque-Mate, informa reportagem do Portal PB Agora.

Além de rechaçar pressão do radialista, Luceninha afirmou que foi ao flat de Fabiano Gomes já com decisão tomada e para pedir ajuda para a redação de sua carta-renúncia, alegando que não conseguia mais cumprir as despesas administrativas da Prefeitura de Cabedelo.

O depoimento de Luceninha se opõe às acusações do Ministério Público, que aponta articulações e pressões exercidas por Fabiano Gomes para que o ex-prefeito renunciasse.

SOCIALISMO GIRASSOL: Enquanto sobrava dinheiro para a Cruz Vermelha pagar propina, Ricardo Coutinho cortava meio bilhão de reais da UEPB

A UEPB literalmente comeu o pão que o DIABO amassou durante os oitos anos do governo Ricardo Coutinho. No “socialismo girassol” a instituição teve uma perda superior a meio bilhão de reais e desde 2011 vive a sua pior crise econômica.

A universidade parou no tempo e sua política de expansão foi ceifada pelas prioridades duvidosas do ex-governador Ricardo Coutinho. Enquanto sobrava dinheiro para a Cruz Vermelha pagar propina em caixas de vinhos para secretários do Estado e financiar as campanhas do PSB, a UEPB passava fome.

A UEPB tinha o duodécimo cortado ano a ano, mas o hospital de Trauma, gerido pela corrupta Cruz Vermelha, aumentou o seu custo mensal de R$ 4 milhões para R$ 16 milhões.

Que coisa, né? Mas a Operação Calvário começa a explicar tais incongruências.

Criada no governo de Cássio Cunha Lima, a lei de autonomia orçamentária da UEPB representava um novo tempo para a instituição, que além de crescer em quantidade (novos campi) também cresceria em qualidade no ensino.

Mas Ricardo Coutinho assumiu o governo e o que era sonho virou pesadelo. Se em 2009, no governo Cássio, a UEPB chegou a receber 5,21% da receita ordinária do Estado, no governo do PSB esse percentual não parou de cair e hoje a instituição recebe apenas 2,8% da receita ordinária.

É como se uma família recebesse um salário mínimo em 2009, e 7 anos depois tivesse que sobreviver só com a metade. O que justifica o fato da UEPB se encontrar hoje numa situação pré-falimentar, vivendo a sua maior crise da história. Em paralelo a isso, a arrecadação do governo do estado não para de crescer, ano a ano!

Precisamos esclarecer que o discurso de crise e arrocho fiscal alardeado pelo então governador Ricardo Coutinho não se justificava num contexto em que, entre 2010 e 2018, a receita própria do Estado da Paraíba cresceu 82%, enquanto a inflação foi de 58%, ou seja, o Estado teve uma receita líquida superavitária em 24% (dados do SINDFISCO/PB).

Em resumo, Ricardo Coutinho rasgou a lei de autonomia financeira da UEPB e ainda mijou em cima. E tudo com o aval da Justiça, que nunca se colocou ao lado da UEPB.

Mas dinheiro para as organizações sociais nunca faltou…

Prefeito de Caaporã diz que segunda etapa da Translitorânea representa segurança hídrica para o Litoral Sul

O prefeito de Caaporã Cristiano Monteiro (Kiko) prestigiou a assinatura da ordem de serviço para a construção da segunda etapa da Adutora Translitorânea, durante evento com o governador João Azevêdo, nesta segunda-feira (25), na sede da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). O gestor caaporense destacou que a luta pela melhoria no abastecimento de água da cidade foi uma promessa de campanha, e que empenhado ao lado do deputado Branco Mendes e com a atenção do Governo do Estado, está muito próximo de se tornar realidade.

Na oportunidade, João Azevêdo destacou que a obra é de extrema relevância para garantir a segurança hídrica da Região Metropolitana de João Pessoa pelos próximos 20 anos. “Com a construção da barragem de Cupissura, cujo projeto já está em sua reta final para envio à Caixa Econômica Federal para, em seguida, ser licitado, e a assinatura da ordem de serviço hoje, que fecha todo o sistema da Translitorânea, não teremos problemas no abastecimento da Região”, explicou.

A construção da segunda etapa da  Adutora Translitorânea, visa ampliar o sistema de abastecimento d’água na Região Metropolitana de João Pessoa. A obra orçada em R$ 23 milhões – recursos oriundos de parceria entre o Governo do Estado e a Caixa Econômica Federal – vai beneficiar 1,9 milhão de habitantes de João Pessoa, Cabedelo, Conde, Alhandra, Caaporã, Bayeux e Santa Rita.

Barragem de Cupissura é solução

Em conversa com o prefeito de Caaporã e com a imprensa, o secretário da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos e do Meio Ambiente, Deusdete Queiroga, lembrou que a Estação de Tratamento de Água para receber as águas da adutora que virão da barragem de Cupissura já foi ampliada. “Essa é uma ação que assegura à população uma água de qualidade excelente. Nós estamos dando garantias de crescimento e desenvolvimento, possibilitando que indústrias possam se instalar na Região Metropolitana e a perspectiva é de assinarmos, ainda no primeiro semestre de 2019, a licitação e ordem de serviço para a barragem de Cupissura, resultando em um investimento total superior a R$ 100 milhões”, declarou.

O prefeito agradeceu o investimento do Estado para o município e para o distrito de Cupissura. “O governador está beneficiando nossa população com esse empreendimento de suma importância. Eu agradeço a gestão por ter inserido Caaporã e o distrito de Cupissura nas ações do Governo”, acrescentou Kiko Monteiro.

O presidente da Cagepa, Marcos Vinícius, afirmou que a obra deverá ser concluída em 18 meses. “Com essa etapa, nós colocamos mais 600 l/s no sistema, o que eleva a capacidade de produção de água, observando o crescimento populacional da Grande João Pessoa até 2040; isso representa planejamento e o compromisso do Governo do Estado com a sustentabilidade e o desenvolvimento econômico”, reforçou.

Portal do Litoral