“Próxima Girassoca será de dentro do presídio”, revela fonte

A tradicional “Girassoca” é um evento de campanha do PSB que obriga milhares de cargos comissionados e contratados a saírem às ruas numa noite de quarta-feira para fazer campanha para o candidato do partido.

Acontece que a próxima edição da “Girassoca” deve acontecer de dentro de um presídio, como revelou uma fonte do judiciário ao blog.

Não sei se a delação de Livânia Farias tem o poder de arrastar tanta gente assim, mas garanto que ela leva uma dúzia de girassóis para o Calvário…

 

Wallber Virgulino investiga participação de empresas ligadas ao bicheiro Carlinhos Cachoeira em contratos nos governos de Ricardo Coutinho

Em contato com o Polítika, o deputado estadual Wallber Virgulino afirmou que está investigando a participação de empresas ligadas a Carlinhos Cachoeira na locação de veículos ao Estado na duas gestões de Ricardo Coutinho.

Virgulino disse que recebeu informações e, caso possuam fundamento, vai acionar o Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado.

O bicheiro Carlinhos Cachoeira cumpre pena em Goiás por corrupção e fraude em uma licitação da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj). Em 2012, ele foi condenado a 8 anos de prisão pelos crimes.

Parece que o Calvário de Ricardo Coutinho está apenas começando…

ORCRIM GIRASSOL: Confira na íntegra a decisão que soltou Livânia Farias após o acordo de delação premiada

Presa há mais de 30 dias, Livânia Farias foi solta após acordo de delação premiada, como adiantado pelo blog no dia 23 de março:

Livânia Farias vai delatar a ORCRIM girassol

Confira a integra da decisão:

decisao livania

OPERAÇÃO CALVÁRIO: Delação é confirmada e Livânia Farias tem prisão preventiva convertida em medidas cautelares

A ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, vai deixar a prisão ainda nesta terça-feira (23). Ela está presa na 6ª Companhia da Polícia Militar, em Cabedelo, desde o dia 16 de março. A ex-auxiliar dos governos de Ricardo Coutinho e João Azevêdo, ambos do PSB, vinha negociando há alguns dias um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público da Paraíba. Livânia é acusada de ter atuado como gestora dos contratos do Estado com a Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. Há acusações de fraudes em licitações, superfaturamentos e pagamentos feitos a autoridades. O caso é investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba.

A juíza encarregada da condução do caso, na 5ª Vara Criminal de João Pessoa, é Andréa Gonçalves Lopes Lins. Ela justificou a decisão com o argumento de que a ré está colaborando com as investigações. Livânia foi tornada ré na ação pela magistrada há duas semanas no bojo da operação Calvário. Ao tomar conhecimento de que Livânia estava negociando um acordo de colaboração premiada, os advogados dela, Solon Benevides e Sheyner Asfora, deixaram o caso. Além dela, cinco outras pessoas viraram réus na mesma ação. Os outros implicados são Elvis Rodrigues Farias, Leandro Nunes Azevedo, Daniel Gomes da Silva, Michelle Louzada Cardoso e Maria Aparecida de Oliveira. Deles, Livânia, Daniel e Michelle são os únicos presos atualmente. Leandro chegou a ser preso na segunda etapa da operação, mas foi solto a pedido do Ministério Público após acordo de colaboração premiada.

A ação investiga a suposta participação da ex-auxiliar do governo estadual em esquema de recebimento de propinas pagas pela Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. O esquema foi delatado pelo ex-assessor da Secretaria de Administração, Leandro Nunes Azevedo, preso na segunda fase da operação. O mandatário da Cruz Vermelha, Daniel Gomes, também foi preso na segunda etapa da operação e permanece detido no Rio de Janeiro.

Livânia é acusada do recebimento de propinas pagas por dirigentes da Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. A instituição, em conjunto com o Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (IPCEP), administrou recursos da ordem de R$ 1,1 bilhão entre 2011 e 2018. Elas são responsáveis pela gestão dos hospitais de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, Metropolitano Dom José Maria Pires e o Regional de Mamanguape.

Suetoni Souto Maior

Petrobras volta a aumentar o preço da gasolina nas refinarias pela 5° vez consecutiva

A Petrobras anunciou nesta terça-feira (23) um aumento médio de R$ 0,0396 no preço da gasolina nas suas refinarias, após 18 dias sem reajustes. Com a alta, o preço médio por litro passa a R$ 1,975 – um reajuste de 2,046% em relação ao preço médio anterior de R$ 1,9354.

Pelo preço médio, a gasolina da Petrobras tem seu maior valor desde 30 de outubro de 2018, segundo dados publicados anteriormente pela estatal. Naquela ocasião, o litro do combustível era vendido, em média, por R$ 1,9855.

O reajuste desta terça vai na mesma linha do avanço dos preços da gasolina no mercado internacional. De acordo com a Reuters, a gasolina nos EUA subiu 8,5% de 5 de abril até a segunda-feira, na esteira dos valores do petróleo, que também atingiram seus maiores níveis em quase seis meses.

Na segunda-feira, a estatal anunciou uma mudança na divulgação dos seus preços de combustíveis. A Petrobras decidiu passar a publicar em seu site os valores dos combustíveis em todos os seus pontos de venda, e não mais a média como fazia anteriormente.

Agora, a petroleira informa ainda o preço médio do diesel por tipo (S10 e S500). Antes, a informação era somente sobre o preço médio do combustível. “A Petrobras está fortemente comprometida com a transparência e repudia práticas monopolistas”, disse a empresa em nota.

A mudança foi feita após a polêmica envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, cuja ação resultou em cancelamento de um reajuste do diesel anunciado no início do mês.

G1

Enquanto TRE do Mato Grosso cassa senadora do PSL em 4 meses, AIJE que deve tornar Ricardo Coutinho inelegível está engavetada há 5 anos no TRE da Paraíba

O que faz um tribunal ser tão célere, e outro, sob as mesmas regras e ordenamento jurídico ser tão inerte? Ninguém explica, mas já dizia Rui Barbosa: “Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada”.

Enquanto o TRE do Mato Grosso cassou a senadora Selma Arruda (PSL) em apenas 4 meses, o TRE da Paraíba segue com a AIJE do Empreender engavetada há 5 anos. O governo de Ricardo Coutinho chegou ao fim e nenhum juiz do TRE teve coragem de marcar o julgamento. Porque eles têm tanto medo do Mago?

Recentemente, a ex-esposa de Ricardo Coutinho revelou que magistrados tomavam vinhos assiduamente na Granja Santana com o ex-governador que, segundo Pâmela, negociava sentenças judiciais:

Em nota, advogada afirma que membros do judiciário paraibano tomavam vinho assiduamente na Granja Santana e que Ricardo Coutinho negociou compra de sentença

Curiosamente, o processo com elementos irrefutáveis para cassar Ricardo Coutinho cochila há 5 anos no TRE e já passou pelas mãos de cinco juízes, mas ninguém teve coragem de levar a plenário. Processos da eleição de 2016 e 2018 já foram julgados, mas a AIJE mais importante da eleição de 2014 segue pulando de gaveta em gaveta. Vale lembrar que o ex-governador Cássio Cunha Lima foi cassado no ano de 2007 em apenas 8 meses.

Em 2018, todos os TREs do Brasil já tinham limpado a pauta em relação aos processos de cassação dos governadores eleitos em 2014, menos o Tribunal da Paraíba, que seguia (e ainda segue) na lanterna e na contramão da celeridade que a sociedade exige.

Com a agilidade de uma tartaruga grávida, o TRE-PB só começou a julgar as AIJEs menos importantes em 2016 e 2017. E em duas delas (AIJE Fiscal e PBprev) contrariou o parecer do Ministério Público Eleitoral, a jurisprudência e a lei; livrando Ricardo Coutinho da cassação.

R$ 30 MILHÕES EM 2014: Perícia do TRE confirma que Ricardo Coutinho usou o programa Empreender-PB para vencer a eleição

De acordo com a perícia, no ano da reeleição de Ricardo Coutinho, o montante despendido através de “empréstimos” saltou de R$ 15,7 milhões, em 2013, para R$ 29,4 milhões, em 2014. Um aumento injustificável de quase 100%. Aliás, justificativa tem sim, o programa foi usado, assim como demais ações do governo, para, de forma desesperada, reeleger RC a todo e qualquer custo.

A perícia será utilizada no âmbito da AIJE do Empreender, que pede a cassação do governador por abuso de poder político e econômico em sua reeleição. O trabalho, com 116 folhas e nove anexos, foi realizado pelo perito judicial Antônio de Sousa Castro.

Caso Empreender parecer do perito 04

OPERAÇÃO CALVÁRIO: Delação de ex-sócio de advogado de Ricardo Coutinho deixa coletivo girassol em alerta

Cada vez mais fortes os rumores de que a Livânia Farias, presa desde o mês passado no âmbito da Operação Calvário, teria iniciado o processo de delação premiada com o Gaeco (Ministério Público). Na tarde da segunda (22), uma informação reforçou essa impressão, com a sinalização de que o advogado Solon Benevides resolveu deixar a defesa da ex-secretária.

Já no início da tarde, durante uma audiência no Fórum Criminal, o advogado Sheyner Asfóra chegou a admitir, em particular, que, se Livânia decidisse fechar delação, ele também deixaria a sua defesa, informa publicação do Blog do Hélder Moura. Até onde o Blog pode apurar, não apenas Livânia, mas outros personagens envolvidos no escândalo da Cruz Vermelha gaúcha também negociaram delação com o Gaeco.

Os detalhes da delação ainda são mantidos em mistério pelo Gaeco. Mas, até onde o Blog pode apurar, a delação de outros envolvidos no escândalo, a partir do Rio de Janeiro, como o empresário Daniel Gomes da Silva, sua secretária Michele Louzada Cardozo e o advogado Saulo Pereira Fernandes, que chegou a ser sócio de Francisco das Chagas Ferreira, advogado de Ricardo Coutinho, teria acelerado a decisão dos demais citados no esquema criminoso.

Propina – Saulo foi um dos alvos da 3ª fase da Operação Calvário, com mandados de busca e apreensão em sua casa, em Niterói (RJ). Mas, o detalhe, segundo o ex-assessor Leandro Nunes Azevedo é que ele foi um dos primeiros operadores da propina da Cruz Vermelha gaúcha. E que chegou a utilizar o escritório de Francisco das Chagas Ferreira para a transação de dinheiro. Chagas nega.

Thiago Morais