VÍDEO: Depois de ser preso com propina na cueca, Berg Lima dá uma de pedreiro

O prefeito ex-presidiário de Bayeux, Berg Lima, que virou manchete nacional ao ser preso com dinheiro na cueca, gravou um vídeo pra fingir que gosta de trabalhar. Mas a verdadeira ‘especialidade’ dele o Brasil todo já conhece.

Berg Lima não passa de um político medíocre, porém, esperto e dissimulado. Cara de pau como poucos, soube enganar milhares de eleitores para alcançar seu objetivo: botar a mão nos cofres da prefeitura e finalmente sair da pobreza.

Sem conteúdo e vazio de ideias, Berg Lima já tentou imitar João Doria e se vestiu de gari e pintor antes de ser preso pelo GAECO com dinheiro no cofrinho:

Graças às aberrações que só existem no judiciário brasileiro, o prefeito que envergonhou toda a Paraíba continua cuidando com ‘muito carinho’ dos cofres da gestão.

Mas só até agosto, quando o STJ derrubar a vergonhosa liminar.

Aí a raposa não vai mais cuidar do galinheiro…

 

EMPREENDER: Desembargador pede pauta para julgar AIJE que deve tornar Ricardo Coutinho inelegível até 2022

O desembargador José Ricardo Porto acaba de pedir pauta para o julgamento da Aije do Empreender que, originalmente, pedia a cassação do ex Ricardo Coutinho. Mesmo já fora do mandato, a ação deve ser julgada e, se for condenado, o ex-governador poderá ser punido com a inelegibilidade por oito anos, conforme estabelece a Lei da Ficha Limpa. Se for absolvido, tudo segue como dantes. 

A AIJE do Empreender, protocolada pelo Ministério Público Federal, nas eleições de 2014, teve como primeiro relator o juiz Tércio Chaves, seguido pelo desembargador João Alves. Depois passou, na sequência, por Maria das Graças Guedes, Romero Marcelo, Carlos Beltrão e, finalmente, José Ricardo Porto, que, agora, pede pauta para julgamento.

Controladoria – O processo contém até parecer da Controladoria-Geral do Estado, apontando irregularidades na aplicação de recursos do Empreender PB, especialmente no ano da eleição de 2014, além de centenas de depoimentos, alguns em vídeo, de pessoas beneficiadas pelo programa em todo o Estado. Há casos em que o beneficiário confirma ter recebido o dinheiro para votar no candidato (veja vídeo abaixo).

Parecer – O procurador eleitoral Victor Carvalho Veggi, nas alegações finais protocoladas na AIJE do Empreender, pede não apenas a cassação do governador, como ainda multa e inelegibilidade por oito anos. Victor Veggi, num extenso documento de 217 páginas, aponta abuso de poder político e econômico patrocinado pelo governador para se reeleger em 2014.

O procurador da República pontua: “Restam plenamente configuradas as condutas vedadas pelo art. 73, V e VI, “b”, da Lei das Eleições, e o abuso de poder político em virtude, respectivamente, da massiva movimentação, com admissões e desligamentos, no quadro de pessoal do Estado da Paraíba, por motivação política, durante o ano de 2014, inclusive no período eleitoral, e pela distribuição de grande quantidade de material escolar contendo publicidade institucional do Governo do Estado durante o período eleitoral; além do abuso de poder político através do uso indevido da máquina estatal para a realização, durante o período eleitoral, de reuniões político eleitorais denominadas “Plenárias de Cultura”, e, ainda, o abuso de poder político e econômico através do programa social EMPREENDER – PB, durante o ano de 2014.”

Confira a íntegra documento em: AIJE do Empreender parecer do MPF

Caso Empreender – O MPF ouviu centenas de testemunhas em todo o Estado, para embasar a AIJE que pede a cassação do governador, por abuso de poder político e econômico, além de conduta vedada, que teria desequilibrado o pleito em seu favor.

Dentre as provas, consta um relatório da Controladoria Geral do Estado apontando várias irregularidades na liberação dos recursos em ano eleitoral. Consta também um vídeo com o governador, gravado em pleno período eleitoral, entregando cheques para dezenas de pessoas vestidas com camisetas com a marca do Empreender PB.

Nas imagens, é possível assistir a chegada do então governador-candidato Ricardo Coutinho saudado com gritos e aplausos. Além de assinar um cheque gigante simbólico, o governador entrega pessoalmente cheques aos beneficiários do programa.

Testemunha – Após as eleições de 2014, um vídeo, em que uma moradora de São José de Caiana, no Vale do Piancó, admitiu o ilícito. No vídeo, fica sinalizado que o vereador Ronildo Silva de Moura (PSB), também presidente da Câmara, recebeu mais de R$ 5 mil num único contrato, e ainda beneficiou 26 parentes. Ou mais da metade dos cheques do Empreender que foram distribuídos na cidade.

Vídeo-bomba – No vídeo, Fabiana Costa, cunhada do vereador, confirmou ter recebido dois contratos (um pra ela, outro pra seu marido), no valor acima de R$5 mil. E confirma que seu marido, por ser irmão do vereador Ronildo, “conseguiu dois (cheques)”. No vídeo Fabiana admitiu que votou em Ricardo Coutinho, por causa do cheque: “Um monte de gente, assim, vai votar (em Ricardo) por causa desse empréstimo.”

REVEJA O VÍDEO…

OPERAÇÃO CALVÁRIO: Interceptação telefônica flagra ‘Ricardo’ tentando comprar laboratório de empresário preso pelo MP do RJ

Interceptações telefônicas, autorizadas pela Justiça, na Operação Calvário, flagraram uma conversa em que um tal de “Ricardo” ofereceu proposta para comprar um Laboratório de Análises de empresário preso pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

Rodrigo Cano era dono da Laboratório Silva Jardim, e o diálogo foi interceptado dia 02 julho de 2018, às 15:01:55 ( Três horas da tarde, 1 minuto e 55 segundos).

A revelação foi feita através de um despacho do desembargador da Sexta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Nildson Araújo da Cruz, em que foi negado um habeas corpus impetrado pelos advogados Afonso de Souza Lopes Gomes e Alan Carlos Manso Lopes Gomes, em favor do preso Rodrigo de Souza Cano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O habeas corpus nº. 0071547-71.2018.8.19.0000 foi impetrado em face da autoridade coatora, a juíza da 42ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, responsável pela Operação Calvário no estado do Rio de Janeiro, que tramita no Tribunal de Justiça daquele estado sob nº 0113781-65.2018.8.19.0001.

Na interceptação autorizada pela Justiça o interlocutor ” Ricardo” pergunta se Rodrigo queria negociar o Laboratório Silva Jardim, conforme haviam conversado dois a três meses atrás. Rodrigo respondeu que não tinha interesse, que tinha alguns contratos e tem “algumas questões que a gente precisa primeiro resolver”. E conclui ” Mas se você precisar de alguma coisa da RBQuattro, a gente tá aqui à disposição para trabalhar junto aí”, concluiu.

Marcelo José

Luciano Cartaxo acompanha obras de drenagem da Barreira do Cabo Branco e anuncia nova etapa

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, vistoriou, na manhã desta segunda-feira (1º), os trabalhos da construção da rede de drenagem da barreira do Cabo Branco e anunciou que em breve, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) dará início à nova etapa do projeto de proteção da falésia. A iniciativa histórica da atual gestão, que após mais de duas décadas apenas de discussão, pela primeira ousa sair do discurso para colocar em prática de fato um projeto concreto na região, é constituída de quatro fases e a segunda já teve a homologação da licitação publicada no Diário Oficial da União (DOU) para que os recursos cheguem à Capital para execução.

Nesta manhã, durante visita às obras de drenagem, realizadas inteiramente com recursos próprios da PMJP na ordem de R$ 5,2 milhões, o prefeito explicou todo o projeto para a proteção da barreira. Além da drenagem, realizada desde a parte de cima da barreira, o projeto de R$ 65 milhões, dividido em três etapas, consiste no enrocamento, ou seja, a colocação de rochas no sopé da barreira, para evitar que o mar a atinja e continue provocando sua erosão, a fase de engorda da área de praia e, por último, a construção de gabiões marinhos intercalados com a linha de corais existente.

“Desde 2014 estamos apresentando os projetos para garantir recursos para a execução dessa obra que é muito importante do ponto de vista turístico, histórico e principalmente ambiental. Nosso projeto foi apresentado no Ministério da Integração Nacional e foi considerado o mais completo para ser adotado pelo Governo Federal. Enquanto isso, já aceleramos na área continental da barreira iniciando o trabalho da construção de uma rede de drenagem para disciplinar o escoamento das águas pluviais, diminuindo a erosão”, explicou o prefeito.

Segundo ele, enquanto a drenagem já vinha sendo executada e a Prefeitura aguarda a liberação dos recursos para iniciar a segunda etapa da obra (primeira etapa com recursos do Governo Federal), a gestão já se antecipou com a realização da licitação para ganhar tempo na execução e aplicação dos recursos. “Agora com a publicação da homologação, em breve estaremos iniciando o enrocamento da barreira”, garantiu. Esta segunda etapa, já homologada, custará R$ 4,1 milhões.

Drenagem – A construção da rede de drenagem consiste na implantação de 10 novos trechos de drenagem, que irão integrar a nova rede à já existente no entorno dos bairros Altiplano e Seixas. Essa intervenção é a mais importante na área continental da barreira por disciplinar a água das chuvas até a praia, reduzindo o impacto já que o lançamento das águas pluviais vai ocorrer em dois pontos de emissão, que serão reforçados para receber a nova rede nas praias do Seixas e do Cabo Branco.

Com o trecho em execução de implantação de mais 14 metros de tubos, que foi vistoriado hoje, os trabalhos chegam a 150 metros de rede de drenagem já executada. O trabalho inclui ainda a implantação da pavimentação da Rua Hermano Toscano, com 445 metros de extensão. A área total de contribuição da rede de drenagem equivale a 173 hectares. Nos trechos finais da rede de drenagem, as manilhas de 400 de diâmetro estão sendo substituídas por novas manilhas de 1500 de diâmetro. Esta medida aumentará em quatro vezes o escoamento das águas pluviais.

Interdição- A Barreira do Cabo Branco foi interditada para a circulação de ciclistas nesta segunda-feira (1º). O trecho, que já era proibido para carros, motos e veículos maiores, está passando por obras de drenagem, o que pode comprometer a segurança dos usuários de bicicletas. A interdição é temporária, sendo desfeita assim que os serviços forem concluídos.

Quem utiliza o trecho por lazer poderá circular pela orla até a rotatória localizada no final da Avenida Cabo Branco. Já aqueles que trafegam no local se deslocando em direção a Penha ou a bairros da Zona Sul poderão utilizar a ciclovia da Avenida João Cirilo, seguindo pela Rua Luzinete Formiga, que dá acesso à Estação Cabo Branco.

João Azevedo defende anulação dos processos de Moro, mas e a anulação da sua eleição financiada com o Caixa 2 da Cruz Vermelha?

O governador João Azevedo e demais governadores do Nordeste defendem – e com razão – a anulação do processo envolvendo o ex-presidente Lula e o juizeco Sérgio Moro. É fato que Moro agiu como um bolsominion ao julgar sem imparcialidade o ex-presidente; colaborando e até indicando testemunhas para os procuradores.

Dessa forma, o ex-governador João Azevedo está defendendo o devido processo legal e o que determina a lei.

Mas e sobre a sua eleição financiada com a propina da Cruz Vermelha? João Azevedo também defende a aplicação rigorosa da lei? Porque já consta nos autos da Operação Calvário que o operador Leandro Nunes confessou o pagamento de fornecedores da campanha de 2018 com propina da Cruz Vermelha. Fato corroborado pelos empresários envolvidos.

E agora, João?

Ou na Paraíba onde a AIJE do Empreender cochila há 5 anos no TRE, pau que dá em Chico não dá em Francisco?