A marca de Cartaxo

Você pode até não simpatizar com a gestão do prefeito Luciano Cartaxo, o que te coloca fora do grupo dos 70% que aprova a gestão municipal, mas não tem como não admitir a atitude do prefeito em intervir onde nenhum outro gestor jamais teve coragem.

A Lagoa, por exemplo, um cartão postal deteriorado e com seu potencial reduzido, há anos necessitava de uma grande reforma, mas nenhum prefeito teve coragem de intervir numa obra que trouxesse transtornos ao trânsito e  contrariasse interesses dos comerciantes locais. Cartaxo interviu e hoje a Lagoa virou um parque com P maiúsculo.

Temos outros exemplos, como a nova Beira Rio, urbanização do bairro São José, reforma da Bica, Vila Sanhauá, reforma do mercado de Jaguaribe, revitalização do Centro Histórico, ciclovia da Pedro II, infraestrutura do residencial Saturnino de Brito e da comunidade do S. Além das obras na barreira do Cabo Branco; outro antigo problema de João Pessoa.

Grande parte destas obras geraram muita dor de cabeça para a gestão e moradores; o que explica o fato de outros prefeitos, inclusive Ricardo Coutinho, jamais terem ousado intervir nelas.

A mais nova intervenção, a revitalização da Epitácio Pessoa, vai transformar a mais importante avenida da Capital; deixando-a com cara de avenida de ‘cidade grande’, uma avenida passeio, mais moderna e humana.

Diante de tantas obras importantes, é justo destacar que a coragem é uma das marcas do prefeito Luciano Cartaxo. Apesar do seu estilo ‘paz e amor’, o prefeito teve pulso firme para intervir onde foi necessário.

 

Cidadania pode aproximar Cássio Cunha Lima e João Azevedo

A filiação do governador João Azevedo ao Cidadania pode aproximar o PSDB e o ex-senador Cássio Cunha Lima, pois ambos são aliados no plano nacional. Cidadania, então PPS, participou da coligação de Alckmin em 2018.

João Azevedo não é mais um girassol, muito menos um ricardista. Ou seja, sem empecilhos para uma aproximação com o grupo de Cássio Cunha Lima.

A aproximação beneficiaria o pré-candidato a prefeito de João Pessoa, Ruy Carneiro, que numa eventual aliança contaria com o apoio da estrutura do governo, que é grande e decisiva na eleição municipal.

Livre de Ricardo Coutinho, João agora pode tudo, inclusive nada.

João Azevedo e a dupla Cidadania

O governador João Azevedo se filiou ao Cidadania, partido de centro-direita, mas sua origem é socialista de centro-esquerda. Logo, teria o governador uma dupla cidadania ideológica?

O mais importante é que o governador se manteve no campo democrático-progressista, distante dos extremos.

PT perdeu a moral de criticar novo partido de João Azevedo quando se aliou ao DEM, Veneziano, Renan Calheiros e Eunício Oliveira

Quase um nanico e sem representação na Assembleia, o Partido dos Trabalhadores na Paraíba vem sofrendo de uma aguda amnésia seletiva. Golpistas só são golpistas quando convém.

Em 2018, por exemplo, o PT se aliou ao DEM de Efraim Morais na coligação que elegeu Frei Anastácio à Câmara Federal. O PT também votou em Veneziano, Renan Calheiros e Eunício Oliveira. E o que há em comum entre eles? Todos votaram a favor do golpe que tirou Dilma da Presidência.

Os exemplos de incongruência narrativa são diversos e eu passaria o dia todo escrevendo sobre eles. Mas com que cara o PT ousa criticar a entrada do governador João Azevedo no Cidadania, partido que, como os demais, também apoiou o impeachment? Com a cara de pau que muitos dirigentes têm tocado uma política de dois pesos e duas medidas na Paraíba.

O que a ala majoritária do PT deseja é levar o partido para os braços de Ricardo Coutinho. Deve ser porque eles têm muitas semelhanças…