CARA DE PAU: Preso com dinheiro na cueca, Berg Lima diz que Bayeux vive um novo tempo e ganha memes nas redes

Preso em flagrante com dinheiro no cofrinho, Berg Lima não é apenas o prefeito mais corrupto e incompetente da história de Bayeux, é também o mais cara de pau.

Bayeux está atolada no caos com PSF’s fechados e demais equipamentos de saúde constantemente interditados. O lixo toma conta das ruas e a população sofre com a falta de medicamentos e insumos básicos. As obras de Berg Lima ficaram só na promessa. Aliás, prometer é o forte do ex-presidiário, foram mais de 220 promessas na eleição de 2016.

De concreto mesmo, só escândalos de corrupção, funcionários fantasmas, nepotismo, compra de vereador pra não ser cassado, licitação irregular, locação de carro fantasmas e diversos pedidos de afastamento por parte do Ministério Público.

Mas na mente doentia de Berg Lima, Bayeux vive um novo tempo. De tão ridícula, uma peça de propaganda do ex-presidiário acabou virando meme:

Coordenador das operações que prenderam Berg Lima e Ricardo Coutinho faz um desabafo: “Neste país só quem não pode pagar, fica preso”

O promotor Octávio Paulo Neto tem feito história à frente do GAECO, grupo do Ministério Público responsável por investigar e combater a corrupção. Nos últimos anos, sob seu comando, a sociedade começou a confiar novamente nas instituições que combatem a corrupção na Paraíba.

Coordenador de diversas operações, entre elas as que prenderam Berg Lima com dinheiro na cueca, e Ricardo Coutinho na operação Juízo Final, Octávio fez um desabafo nas redes sociais:

“Um retrato, recorte , sobre o labirintar lúdico processual… Neste país só quem não pode pagar, fica preso ….. Pior são os pseudos filosofos e suas alegorias narrativas que tentam justificar os maiores absurdos processuais sob a alegação do pleno exercício de um direito… como se não existisse direito a segurança… a vida … ao patrimônio e principalmente ao futuro… Enquanto isso a corrupção apodrece todos os alicerces de nosso país… consome nossa esperança…. Enquanto isso poucos se refestelam e gracejam”.

A indignação de Octávio Paulo Neto é mais do que justa, mas não é só dele, é de toda a população que não aguenta mais ver parte do judiciário enxugando gelo. Berg Lima, por exemplo, foi preso em flagrante com dinheiro na cueca e voltou para a prefeitura. E aí eu pergunto, cadê o princípio constitucional da moralidade administrativa? Porque um prefeito que foi preso com dinheiro na cueca não tem moral para continuar no cargo.

O caso do ex-governador Ricardo Coutinho é tão aberrante quanto. Acusado de comandar uma organização criminosa que roubou mais de R$ 130 milhões apenas da Saúde em 8 anos, RC não passou sequer dois dias preso, foi salvo por uma estranha liminar do ministro Napoelão Nunes, do STJ.

Por que um político que é considerado o chefe da ORCRIM, gravado cobrando propina, continua solto, e os demais membros da organização criminosa presos? Nada justifica. É apenas o Brasil sendo Brasil.

 

Júnior Araújo virou secretário, mas está queimado com o G11

O deputado estadual e agora secretário de Estado, Júnior Araújo, se queimou com o G11, grupo para-governista na Assembleia Legislativa.

Segundo alguns parlamentares, Júnior negociou sua secretaria com o governador sem dialogar antes com o G11. Ou seja, usou o nome do grupo para tirar vantagem pessoal.

Júnior está tão queimado que um deputado o chamou de traíra. E o sentimento no grupo é generalizado.

Após ataque do G11, Cidadania e API divulgam notas em apoio a Nonato Bandeira

A Executiva Municipal do Cidadania-JP divulgou nota de solidariedade ao Secretário de Comunicação Institucional do Governo do estado da Paraíba, jornalista Nonato Bandeira, alvo de “acusações levianas dos Deputados Estaduais do G11”, que emitiram nota acusando-o de financiar blogs e sites para atacar o grupo.

“O Cidadania-JP reconhece em Nonato um jornalista ético, gestor público de conduta ilibada e lúcido articulador político, sendo incapaz desse tipo de expediente”, diz trecho da nota assinada pelo vereador Bruno Farias, presidente da legenda em João Pessoa.

Leia abaixo a nota na íntegra

A Executiva Municipal do Cidadania-JP vem a público apresentar sua solidariedade política ao Secretário de Comunicação do Governo do Estado, Jornalista Nonato Bandeira, que foi alvo de acusações levianas dos Deputados Estaduais do G11, que emitiram nota, acusando-o de financiar blogs e sites para atacar o grupo e “de criar fake news, distorcendo a fala de alguns companheiros para causar discórdia”.

O Cidadania-JP reconhece em Nonato um jornalista ético, gestor público de conduta ilibada e lúcido articulador político, sendo incapaz desse tipo de expediente.

Nonato aprendeu, desde os bancos da faculdade, a ter uma postura ética no fazer jornalismo. Profissional do batente jornalístico, tendo trabalhado nas redações dos principais veículos de comunicação do Estado, Nonato sempre se destacou por seu compromisso com a verdade, tendo, em função dos inúmeros e relevantes serviços prestados ao longo de sua longeva e profícua trajetória profissional, sido eleito Presidente da API (Associação Paraibana de Imprensa) num dos momentos mais gloriosos e candentes dessa instituição histórica, que sempre defendeu a ética, a valorização dos profissionais da imprensa, as liberdades e a democracia. Agora, ocupando o cargo de Secretário de Comunicação, não seria ele, que já exerceu o jornalismo com tanta paixão, o incentivador de fake news ou factoides para macular a imagem de parlamentares da oposição ou situação.

O Partido recebe com surpresa e indignação essas acusações caluniosas contra Nonato, e tomará as medidas cabíveis para que a sua história não seja maculada, para que o seu caráter não seja conspurcado e para que a sua honra seja preservada.

Bruno Farias
Presidente Municipal do Cidadania-JP

Manifestação da API

A diretoria da Associação Paraibana de Imprensa (API) também divulgou nota de solidariedade para Nonato. Ele é jornalista e já presidiu a entidade.

Na nota, a API destaca o caráter profissional de Nonato e sua atuação importante nos diversos órgãos de imprensa da Paraíba.

Confira nota da API

A Diretoria da Associação Paraibana de Imprensa (API) vem de público prestar irrestrita solidariedade ao jornalista e ex-presidente desta entidade, Nonato Bandeira, pela forma grosseira e agressiva com que foi mencionado em uma Nota divulgada pelo denominado G11 da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba.

Enquanto presidente da API e no exercício profissional com passagem em diversos órgãos da imprensa do Estado, Nonato Bandeira sempre pautou sua atuação com coerência, correção, profissionalismo e lealdade aos amigos e leitores, razão pela qual nos surpreende o seu fuzilamento público enquanto comandante da Comunicação Institucional do Governo, já que o equilíbrio e a sensatez configuram o traço marcante de sua personalidade.

Não por menos que ele continua sendo um referencial para todos os que integram esta Diretoria.

Julian Lemos comemora aprovação na CCJ de projeto que obriga o preso a ressarcir gastos com a sua prisão

Pautando sua atuação política na segurança o deputado federal Julian Lemos comemorou a aprovação na CCJ da Câmara dos Deputados do projeto de lei que obriga o preso a ressarcir gastos com a sua manutenção na prisão.

“Ótima notícia, a prisão tem a obrigação de afastar o criminoso da sociedade e não sustentá-lo. Os gastos nos presídios são enormes e essa é uma forma eficiente de diminuir as despesas” avaliou Julian Lemos.

Dos 17 vereadores de Bayeux, apenas 5 sempre votaram pela cassação de Berg Lima

É verdade que a classe política de Bayeux caiu em descrédito, principalmente após a prisão do prefeito Berg Lima com propina na cueca. As eleições estão chegando e a renovação na Câmara Municipal promete ser a maior da história, porém, o eleitor precisa separar o joio do trigo para não cometer injustiças com vereadores que por diversas vezes votaram pela cassação do corrupto Berg Lima.

Sim, grande parte dos vereadores não merecem a reeleição, pois foram complacentes com o crime cometido pelo ex-presidiário Berg Lima e sempre impediram a cassação do mandato. Se hoje Bayeux é governada por um corrupto preso em flagrante e está atolada no caos, a culpa é tão somente dos vereadores que acharam normal o prefeito extorquir um fornecedor.

Mas um pequeno grupo de parlamentares merece a confiança do povo, pois sempre votou a favor das cassações de Berg Lima. E não apenas uma vez, mas quatro ao total.

Se um dos critérios para o eleitor de Bayeux escolher seu vereador for o combate à corrupção, ele certamente deverá levar em consideração os vereadores Betinho da RS, Inaldo Andrade, Luciene de Fofinho, Josauro Pereira e Roni Alencar. Pois estes 5 parlamentares sempre votaram pela cassação do prefeito mais corrupto da história de Bayeux.