Filho maluco de Bolsonaro divulga fake news sobre governo da PB; até quando as autoridades permitirão a mentira como arma política do bolsonarismo?

Infelizmente as fake news vieram pra ficar e o Estado precisa agir rapidamente para combatê-la. Não é só um problema de mentira e falta de caráter, é também uma questão de saúde pública, já que ‘as fakes’ tratam de tudo. É comum a disseminação de informações falsas até sobre simples vacinas oferecidas pelo SUS.

Pra quem pensava que as fakes news iriam se resumir à política, com kit gay e mamadeiras de piroca, enganou-se. Elas têm se proliferado feito praga até num momento delicado como agora na pandemia do coronavírus. Um pequeno grupo de pessoas abusa da inocência alheia e cria as mais absurdas mentiras envolvendo governos, instituições, médicos e políticos.

A matéria prima das fake news é a má-fé e a ignorância. Coisa que a gente tem de sobra.

Não é de se surpreender que o fenômeno das fake news tenha nascido justamente com a ascensão do bolsonarismo; uma ideologia fascista que usa a mentira descaradamente como instrumento político. Basta observar quantas mentiras o presidente Bolsonaro já contou no último mês apenas sobre o covid-19.

Nesta semana, Carlos Bolsonaro, o filho maluco do presidente divulgou nas redes sociais uma fake news sobre o governo da Paraíba. Mesmo durante o caos, há quem plante o caos mais ainda:

Quando não é uma mentira é uma notícia antiga para manipular e confundir a opinião pública, que rapidamente é compartilhada pelo gado.

Até quando os poderes constituídos assistirão calados a consolidação da mentira como arma política?

A verdade

O governo da Paraíba não utilizou verba emergencial para contratar artistas. Em março, o estado recebeu R$ 11.605.736,52 do Ministério da Saúde para ações de enfrentamento à Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A Comissão Intergestores Bipartite da Paraíba, órgão que reúne representantes das secretarias estadual e municipais de saúde, destinou R$ 210 mil do montante total à Secretária de Saúde do Estado da Paraíba e distribuiu o restante (R$ 11,4 milhões) aos 223 municípios.

De acordo com a declaração da comissão, a verba deve ser utilizada para “aquisição de insumos a fim de garantir atendimento nas Unidades de Saúde que estão atuando no enfrentamento da pandemia” de Covid-19. A assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde informou que os valores já foram repassados às cidades.

Quanto aos editais culturais em aberto, tanto o #CulturaPBnaWeb e o Meu Espaço – Compartilhando Cultura, “não tem qualquer relação com a Secretaria de Estado da Saúde” ou com a verba recebida do governo federal, declarou a secretaria.