Movimentos sociais ocupam a Bolsa de Valores de São Paulo num protesto contra a fome e o desemprego

Movimentos sociais ocuparam nesta quinta-feira (23) a sede da Bolsa de Valores brasileira, a B3, na cidade de São Paulo, em protesto contra o desemprego, a inflação e a fome.

Entre os manifestantes estão integrantes do Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). O coordenador do MTST, Guilherme Boulos (PSOL), defendeu a ocupação. “É o Brasil real na Bovespa!”, disse Boulos.

Ocupação da B3 ocorre em meio cenário do aumento da inflação e do desemprego em patamar recorde de quase 15 milhões de pessoas sem ocupação.

Os manifestantes carregavam faixas e cartazes com os dizeres “Sua ação financia nossa miséria”, “Tá tudo caro e a culpa é do Bolsonaro”, “Brasil tem 42 novos bilionários enquanto 19 milhões passam fome”, “Tem gente ficando rica com a nossa fome” e também levaram barracas para acampar na B3. Em junho, a B3 bateu recordes e chegou a acumular oito altas consecutivas na maior série de ganhos desde 2018.

Aumentam as chances de Coriolano delatar; irmão de Ricardo Coutinho está preso há quase 1 ano

Único preso na operaçao Calvário, o perigoso Coriolano Coutinho, irmão do ex-presidiário Ricardo Coutinho, virou uma espécie de herói da ORCRIM Girassol. No entanto, até os heróis cansam. Após reiteradas derrotas no STJ, Cori já começa a considerar sua delação premiada.

Uma das esperanças de Coriolano Coutinho era a anulação da delação de Livânia Farias, de Ivan Burity, e a declaração de incompetência do desembargador Ricardo Vital. Mas nada disso vingou.

Até onde o blog apurou, Coriolano pode delatar peixe grande, mas preservar o irmão. Será?

Gilmar Mendes confirma que a operação Calvário não é uma Lava Jato, e Ricardo não é Lula

Diferente da Lava Jato, a operação Calvário tem seguido à risca o devido processo legal. É imparcial, tem provas, e suas delações não foram fabricadas. Octávio Paulo Neto nao é Deltan Dalagnol, e o desembargador linha-dura Ricardo Vital não é um juiz ladrão como Sérgio Moro.

A decisão do ministro Gilmar Mendes, na última quarta, 22, pavimenta o retorno do ex-presidiário Ricardo Coutinho para a cadeia. Acusado de chefiar uma organização criminosa que roubou mais de R$ 130 milhões da saúde, o ex-governador quis politizar seu processo, mas se deu mal.

Gilmar Mendes negou procedência a uma reclamação do ex-governador que pedia a anulação das deleções de Livânia Farias e Ivan Burity (ex-secretários de Estado), a decretação de incompetência do desembargador Ricardo Vital, do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), para homologar as delegações e anulações de provas e decisões do magistrado paraibano em relação a Ricardo.

O ex-presidiário que se prepare. A cadeia é seu destino…