Efraim comemora saldo de quase 5 mil novos empregos na PB: “Desoneração da folha vai ajudar milhares de famílias”

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) traz boa notícia no número de admissões. Na Paraíba, os dados mais recentes apontam que houve um saldo positivo de 4.810 empregos em setembro deste ano, completando 15.249 admissões contra 10.439 desligamentos.

Com o panorama positivo, ou seja, em alta nas contratações, segue no Congresso Nacional o projeto de lei para prorrogar até 31 de dezembro de 2023 a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. No atual modelo, a medida venceria dia 31 de dezembro deste ano.

“Não é hora de aumentar os impostos. O projeto que prorroga a desoneração é fundamental para garantir os empregos de milhares de brasileiros, além de conseguir novas oportunidades e ajudar na retomada econômica do período pós-pandemia”, comenta Efraim Filho, líder do Democratas na Câmara e autor do projeto. No PL original do parlamentar, o prazo venceria no final de 2026.

A proposta de prorrogar a desoneração foi recentemente aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Como tramita em caráter conclusivo, poderá seguir para análise dos senadores, a menos que haja um recurso para a votação pelo plenário, o que ainda não foi definido.

O próximo passo é o Senado Federal e Efraim se diz esperançoso com a aprovação: “É um projeto com muito apelo social e de ganha-ganha para todos os envolvidos. O emprego é o melhor programa social de todos! É ele que coloca dignidade na vida das pessoas. O trabalho é a fonte que alimenta o cidadão”.

Saiba aqui quais são os setores abrangidos pela medida:

Call Center;
Calçados;
Comunicação;
Confecção/Vestuário;
Construção Civil;
Empresas de construção e obras de infraestrutura;
Couro;
Fabricação de veículos e carroçarias;
Máquinas e equipamentos;
Proteína animal;
Têxtil;
Tecnologia da Informação;
Tecnologia de Comunicação;
Projeto de Circuitos Integrados;
Transporte Metroferroviário de Passageiros;
Transporte Rodoviário Coletivo;
Transporte Rodoviário de Cargas.

Cícero Lucena destaca liberação de R$ 1,3 milhão em emendas impositivas para instituições sociais de JP

O prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena comemorou, nesta segunda-feira (29), a liberação pelo Executivo municipal de $ 1,3 milhão em emendas impositivas para 14 instituições sociais. O montante foi destinado por 10 parlamentares. “A parceria entre o Executivo e o Legislativo tem dado bons frutos, isso é magnífico. E esse trabalho conjunto segue firme em prol dos pessoenses”, declarou.

O vice-prefeito Leo Bezerra também lembrou o fato de a atual gestão, do prefeito Cícero Lucena, ter tido apenas um mês de transição, além de ter enfrentado a pandemia. “Foram dias difíceis, mas conseguimos fazer o que era certo e ir além. Uma prova disso são as emendas impositivas, que eram um grande problema para a gestão anterior, virando até caso de Justiça, mas que Cícero transformou em solução, garantindo que acataria tudo que fosse beneficiar a população de João Pessoa”, destacou.

As instituições beneficiadas são a Maracastelo, Vila Vicentina, Cendac, Cicovi, Aldeias Infantis SOS, Instituto dos Cegos e Fundação Padre Pio. Completam a lista as organizações Acunã, Organização Social Sarah Kelly, Aspan, Casa da Divina Misericórdia, Associação Jardim Treze de Maio, Missão Braços Abertos e ACSocial.

Leo Bezerra acrescentou que a prática da atual gestão é respeitar os representantes do povo, que apoiaram uma demanda gerada pela sociedade. “A proposta foi feita com base no trabalho dessas entidades e a Prefeitura faz o seu papel de liberar os recursos, pois entende que quanto mais gente trabalhando com o mesmo objetivo, melhor para a população”, disse.

Por que Bolsonaro se irritou ao ser chamado de ‘Noivinha do Aristides’?

Ser chamado de ‘genocida’, ‘corrupto’ e outras barbaridades nunca deixou Bolsonaro tão fora de si como ‘Noivinha do Aristides’. Presidente teve reação enérgica e mandou prender mulher que proferiu o ‘xingamento’. PRF confirma que abordagem à mulher foi determinada por Bolsonaro.

Uma mulher foi detida e levada à delegacia depois de xingar o presidente Jair Bolsonaro de ‘Noivinha do Aristides’ na via Dutra no último sábado (27), em Resende (RJ). Bolsonaro esteve na cidade para participar da cerimônia de formatura dos cadetes da Aman (Academia Militar das Agulhas Negras).

Entre aplausos e xingamentos, Bolsonaro trafegava pela rodovia que liga São Paulo ao Rio de Janeiro. O presidente se irritou especificamente com a passageira de um automóvel e determinou que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) abordasse a mulher.

As informações que estão no Boletim de Ocorrência confirmam que foi o próprio Bolsonaro que solicitou a prisão. Na ocorrência consta que ela “gritou palavras de calão direcionadas ao presidente, em atitude de tamanho desrespeito”.

A mulher foi levada para uma delegacia da Polícia Federal de Volta Redonda, no Rio, distante cerca de 50 quilômetros, e foi liberada em seguida, após se comprometer a comparecer à Justiça.

Segundo o registro, a equipe da escolta abordou o veículo “mediante determinação do próprio sr. Presidente” e enquadrou a autora da injúria nas “devidas cominações legais e qualificou os demais ocupantes”.

A PRF coloca que o episódio foi repassado para uma equipe da Polícia Federal que estava nas proximidades e colheu mais informações. “Diante das informações obtidas, foi constatada, em princípio, ocorrência de injúria com causa de aumento de um terço na pena por ter sido cometida contra o Sr. Presidente da República”, consta no B.O.

O artigo citado na ocorrência é o 140 do Código Penal, “injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro”, com pena de “detenção, de um a seis meses, ou multa”, mais um terço, que consta no artigo 141.

‘Noivinha do Aristides’

Apesar da intimidação e da prisão desnecessária da mulher de 30 anos, internautas encararam o episódio com bom humor e o assunto chegou no topo do Twitter. Uma breve pesquisa em arquivos históricos mostra a razão da fúria de Bolsonaro contra o apelido ‘Noivinha do Aristides’.

O sargento Aristides teria sido instrutor de judô à época em que Jair Bolsonaro cursou a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman). A revelação foi feita há muitos anos por Jarbas Passarinho, que foi ministro durante a Ditadura Militar. Jarbas, que também foi senador, desprezava Bolsonaro.

“Aristides era o sargento em cuja cama, segundo Jarbas Passarinho, o então tenente ia chorar as mágoas, nas noites quentes de verão dos aquartelados”, lembrou um jornalista.

Jarbas Passarinho ingressou na carreira militar na Escola Militar do Realengo (RJ), chegando ao posto de tenente-coronel quando da deposição de João Goulart e a subsequente instauração do Regime Militar de 1964. Jarbas foi ministro da Educação no governo do general Emílio Garrastazu Médici — período tido como o mais repressor da ditadura militar no Brasil.

Veneziano quer Cartaxo na vice

Governista com crise de identidade, o senador Veneziano Vital quer ser candidato a governador pela oposição, mas mantendo as benesses do poder. O blog apurou que o emedebista já está montando a chapa e manteve diálogo com o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo.

Vené quer ser o governador de Lula, e acredita que assim pode superar João Azevedo. O petista hoje tem mais de 50% dos votos na Paraíba.

Com apenas 12 mil habitantes, prefeitura de Lucena tem repartições públicas para comportar 1.131 funcionários?

Com apenas 12 mil habitantes, a cidade de Lucena é recordista em cargos públicos na Paraíba. De acordo com os dados do Tribunal de Contas do Estado, a prefeitura possui 1.131 funcionários públicos. Destes, apenas 504 são efetivos.

Ou seja, a prefeitura é responsável por quase 30% dos empregos da população adulta na cidade. Desde que assumiu a gestão, o atual prefeito, Leo Preguiça, aumentou em 58% a quantidade de funcionários contratados e comissionados.

Agora a pergunta que não quer calar: a prefeitura de Lucena tem repartições públicas para suportar 1.131 funcionários? Outra pergunta, existe Ministério Público na cidade?

ESPOSA, IRMÃS, MADRASTA E CUNHADO: Família do prefeito de Lucena custa quase R$ 30 mil por mês aos cofres públicos da cidade

Vereadores de Sapé contestam versão do presidente da Casa

Os vereadores da cidade de Sapé contestaram na manhã desta segunda-feira, 29, uma postagem nas redes sociais feita pelo presidente da Câmara, Abraão Júnior, sobre a realização daquilo que nominou de “Sessão Fantasma”.

Na verdade, trata-se uma sessão extraordinária convocada na última quinta-feira, dia 25/11, com objetivo de votar Projeto de Lei de crédito suplementar no orçamento do município. Na ocasião, o próprio presidente da Casa leu o ofício do prefeito.

O líder da situação na Casa de Augusto dos Anjos, David Matias, rebateu a versão do presidente:

“A gestão do então prefeito Roberto Feliciano, promoveu uma redução drástica de 50% na capacidade de suplementação do orçamento de Sapé. Esse pedido de suplementação que o Prefeito Sidney faz é legitimo e todos os ritos regimentais da Casa foram respeitados, a sessão foi convocada na quinta-feira passada através de ofício do prefeito e da vontade da maioria dos vereadores, respeitando, portando, as 48 horas previstas no art. 57 do Regimento. Os assuntos de interesse do município não podem esperar a conveniência da agenda do presidente desta Casa. As regras regimentais existem para serem cumpridas”, argumentou.

Com a ausência do presidente, a Sessão Extraordinária foi instalada pelo vice-presidente, Arquimedes Natércio, de acordo com o art. 28 do Regimento Interno. Compareceram, os vereadores Alexandre Kennedy, Rubinho Lucena, Ricardo Motos, Pedro Ramos, Graça Queiroz, Dudu do Trigo, David Matias, Bainha da Banca, Adriano de Inhauá, Tota Leôncio, Nego Simplício, além do presidente em exercício, Arquimedes Natércio.

Os parlamentares relataram que o presidente tentou boicotar a realização de sessão:

” Os Ar condicionados e câmeras foram desligados; Não tinham copos para tomar água e nem alimentos na copa” pontuou o vereador Alexandre Kennedy.

Durante a sessão, foi aprovado crédito suplementar de 20%, nos termos da lei 4320/64, que trata de ajustes na execução do orçamento municipal.

Prefeitos em primeiro ano de gestão tem tido dificuldades para gerir o orçamento, elaborado pelos seus antecessores. A solicitação de crédito suplementar é o instrumento legal adequado para ajustar a execução orçamentária anual. Para se ter uma ideia, o prefeito da Capital, Cícero Lucena, já encaminhou à Câmara de João Pessoa 30 projetos de lei para suplementação e de abertura de crédito especial.

“Vamos agora nos concentrar na Paraíba, nas eleições 2022”, afirma Ruy depois das prévias do PSDB

Passado o processo de escolha durante as prévias do PSDB, de um representante da legenda para disputa à presidência da república, o deputado federal Ruy Carneiro diz que é preciso agora se concentrar para as eleições na Paraíba. O nome escolhido pelos filiados foi do governador de São Paulo, João Dória Junior.

Segundo o parlamentar, o partido deve manter o foco no processo eleitoral local, com a construção da candidatura de oposição na Paraíba.

“Estamos esperando uma definição do ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), que tem de maneira discreta sinalizado, que não deve concorrer ao cargo de governador”, explica.

Ainda de acordo com Ruy Carneiro, o partido está muito confiante na possibilidade do nome do deputado federal Pedro Cunha Lima como candidato.

“Pedro é um homem ético, tem um bom currículo, uma boa história, com inovações, é a pessoa certa para fazer a Paraíba voltar a crescer. Ele tem tudo para fazer um grande trabalho pela Paraíba”, finaliza.

AS GRÁFICAS DE WELLINGTON ROBERTO: Em três anos, deputado federal mais sumido da PB gastou R$ 1 milhão da cota parlamentar com gráficas

Deputado Copa do Mundo, Wellington Roberto é daqueles que só pisa na Paraíba a cada 4 anos. De tão sumido, o parlamentar é quase uma lenda na política. Contudo, WR é campeão em gastos da cota parlamentar com a divulgação do mandato. Nos últimos três anos foram mais de R$ 1 milhão com duas gráficas; a Ellite Comércio e Serviços Gráficos e a Eco Gráfica Editora e Participações, ambas de Brasília.

O deputado tem concentrado praticamente toda a sua cota parlamentar para custear serviços gráficos. Em 2019, por exemplo, foram gastos R$ 316 mil com as duas gráficas; R$ 408 mil (2020), e R$ 350 mil (2021).

O que mais chama atenção é que ninguém jamais viu um simples panfleto prestando contas das ações de Wellington Roberto. Muito pelo contrário. Sempre discreto, o deputado prefere se manter distante dos holofotes, e sua atuação política se resume aos bastidores de Brasília. Raramente aparece na imprensa e nunca usa o mandato para pautar algum debate na sociedade.

Em mandatos anteriores, porém, Wellington Roberto concentrava sua cota parlamentar em outra finalidade: consultorias. Num só mês chegou a pagar mais de R$ 60 mil à uma única empresa.

Em 2010 – primeiro ano de divulgação da cota parlamentar no portal da transparência da Câmara –  Wellington Roberto pagou R$ 45 mil num só mês à empresa PV Paraíba Verdade, sediada em Campina Grande e aberta um ano antes, em 2009:

Em dezembro de 2015, Wellington Roberto bateu outro recorde e gastou mais de R$ 100 mil com divulgação da atividade parlamentar:

Se somarmos o que o parlamentar já gastou com gráficas e serviços de consultoria desde 2003, primeiro ano do seu mandato como deputado federal, é possível equiparar a um considerável prêmio da Mega-Sena.