Governo apaga vídeo de Bolsonaro comendo feito um porco

As imagens de Jair Bolsonaro comendo frango com a mão e jogando farofa no chão, divulgadas pelo governo federal para tentar transmitir a imagem de um “homem do povo”, pegaram tão mal, levando até a hashtag “BolsonaroPorco” ao topo do twitter, que acabaram sendo apagadas, após a péssima repercussão nas redes sociais. O plano era tentar reduzir o impacto de que o governo Bolsonaro gasta mais de R$ 30 milhões por ano com o cartão corporativo da presidência da República. Confira algumas repercussões sobre a farofada fracassada de Bolsonaro:

Quem vai decidir os rumos do União Brasil na Paraíba; Julian ou Efraim?

Com a fusão do DEM com o PSL e a criação do União Brasil, o partido na Paraíba conta agora com dois caciques: Efraim Filho e Julian Lemos, ambos deputados federais, mas com objetivos diferentes. Julian busca a reeleição, já Efraim quer dar um passo a mais na carreira política e conquistar um mandato de senador.

Em tese, ambos são aliados do governador João Azevedo, porém, Efraim Filho já disse que será candidato em qualquer circunstância, ou seja, em qualquer chapa. Se ambos convergirem na aliança, tudo bem. Mas, se houver divergência, quem vai resolver o impasse?

Com o maior tempo de TV e fundo eleitoral, o União Brasil está sendo cobiçado por muitos candidatos ao governo…

 

Ruy Carneiro quer apoio de parlamentares para votar o fim do pagamento de pensão vitalícia a ex-governadores

O deputado federal Ruy Carneiro vai intensificar no Congresso Nacional  a luta contra privilégios, convocando deputados federais a votar pautas como a proposta que impede o pagamento de aposentadoria vitalícia a prefeitos, governadores e presidentes da República. Trata-se da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 85/2011 e da e 269/2013 (apensada) que está parada na Câmara desde 2019, depois que foi aprovada  na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Ruy Carneiro aponta decisões recentes da justiça que entenderam que o  pagamento contraria o artigo 39, parágrafo 4º, da Constituição Federal, que contém os princípios norteadores da administração pública: igualdade, impessoalidade, moralidade e responsabilidade dos gastos públicos (eficiência). Para o parlamentar está mais do que na hora do Congresso levantar essa pauta e corrigir esse equívoco que traz prejuízos e desigualdades ao país.

“Lutarei para o Congresso priorizar a PEC da qual sou um dos autores  que acaba definitivamente com as pensões e aposentadorias vitalícias. Esse tipo de privilégio que é uma vergonha para o nosso país. O Brasil  ainda gasta cerca de R$ 30 milhões com esse pagamento vergonhoso a prefeitos, governadores e presidentes da República”, explicou.

Se aprovada pela comissão especial – a ser instalada pelo presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) –, a matéria deve ser votada em dois turnos pelo Plenário para ser enviada ao Senado Federal.

Ruy ainda ressalta que a iniciativa está de acordo com a jurisprudência atual do Supremo Tribunal Federal (STF) a partir do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADI 3.853-2/MS.  “Essa jurisprudência embasou decisão  recente e acertada da Ministra do STF, Rosa Weber,  devido à possibilidade de grave lesão à ordem pública e ao erário. Isso foi suficiente para suspender decisões do Tribunal de Justiça do Maranhão, que ainda mantinham o pagamento dos benefícios no estado”, explicou.

Na Paraíba, o juiz da 3ª vara da Fazenda Pública da capital, Antônio Carneiro de Paiva Júnior, suspendeu a concessão de pensão especial vitalícia aos ex-governadores da Paraíba, no valor de R$ 23,5 mil. O magistrado considerou que uma emenda constitucional de 2006 seria inconstitucional e apontou que a medida visa proteger o erário público “considerando-se a situação de pandemia global, na qual todo e qualquer gasto indevido pode prejudicar as fontes de investimento na rede de saúde publica”, afirma na decisão.

Professores da rede municipal de João Pessoa irão receber reajuste salarial acima do valor anunciado pelo Governo Federal

A Prefeitura de João Pessoa, por meio da Secretaria de Educação e Cultura (Sedec), anuncia que os professores da Rede Pública Municipal de Ensino irão receber um reajuste salarial acima do anunciado pelo Governo Federal, que foi de 33,23%. O reajuste dado pelo prefeito Cícero Lucena, que foi de 31,5% irá chegar a 33,40%, sendo um dos maiores aumentos já dados na Rede Municipal de Educação da capital paraibana.

Atendendo a mais uma reivindicação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município (Sintem), nas negociações do dia 27 último, a PMJP aplicou o percentual do abono salarial em cima do valor da produtividade, onde o professor já tinha 15%. Aplicando os 16,5% do abono, representando um acréscimo de 1,8% nos salários, totaliza 33,24%, cerca de um terço a mais sobre os salários de dezembro.

“Com esse percentual, João Pessoa irá pagar 22% acima do novo piso nacional e teremos um dos melhores salários do Nordeste, podendo chegar até 330% a mais que o valor do piso. Se nossa intenção fosse apenas cumprir a Lei do Piso, bastaria aplicar 15%. Atualmente, o piso nacional divulgado para 2022 é de R$ 2.884,10, para um regime de trabalho de 30 horas”, explicou a secretária da Educação, América Castro.

A secretária falou ainda que João Pessoa não teria a obrigatoriedade de aplicar esse índice de 33,23%, uma vez que a Prefeitura já paga acima do piso nacional. “Esse índice representa o percentual para os municípios que ainda não atingiram o piso, porém, a categoria contou com a sensibilidade e o comprometimento do prefeito Cícero Lucena, em realizar uma educação de qualidade, que também passa pela valorização dos profissionais de educação, ofertando um dos maiores aumentos à categoria do magistério, já realizado no município”, esclareceu a secretária.

Sobre o abono – É apenas uma forma provisória de registro no contracheque, mas que será gradativamente incorporada ao vencimento do servidor sem prejuízo financeiro.

Romero deu seta à esquerda e entrou à direita; poderá mudar de direção até as convenções?

A decisão de Romero Rodrigues em apoiar o tucano Pedro Cunha Lima para o governo poderia ser uma escolha natural e bastante óbvia. Mas não foi. E por vários motivos. O ex-prefeito de Campina Grande deu inúmeros sinais de que seria candidato a vice de João Azevedo. O próprio Romero, após retirar a pré-candidatura, declarou que conversava com o governador. Também não compareceu ao lançamento da pré-candidatura de Pedro.

Em seguida, seus aliados foram para o governo, a exemplo de Eva Gouveia, vereadores de Campina Grande e prefeitos do PSD. Até o irmão de Romero, deputado estadual Moacir Rodrigues, foi tomar um cafezinho na Granja Santana. Nas últimas semana, Gilberto Kassab, o presidente do partido de Romero, convidara João Azevedo para se filiar à legenda.

O que aconteceu nos bastidores só Romero sabe, mas certamente foi algo de extrema relevância – ou gravidade. Uma vez que a aliança com João Azevedo era prego batido e ponta virada. Mas, com a ajuda de uma chave de fenda e um alicate de bico, Romero conseguiu tirar esse prego da madeira.

Ou seja, quem apostou na aliança não errou. Romero quem deu um cavalo de pau nas suas próprias pretensões políticas.

Romero poderá dar outro cavalo de pau até as convenções? É improvável, porém, diante do comportamento bipolar do ex-prefeito, não é de se duvidar.

Sendo bem pragmático, Romero deixou passar um cavalo celado que muito provavelmente o levaria à disputar a reeleição em 2026 com a caneta na mão. Talvez, jamais Romero tenha outra chance igual nesta vida.

E ninguém poderia criticar seu pragmatismo eleitoral. Porque mais contraditório que uma alinça entre Romero e João, é a união entre Veneziano e os Cunha Lima, que ainda não se materializou, mas já conta com a simpatia (e tratativas) dos caciques.

“Tem gente na Paraíba falando por Lula sem a devida procuração”

A frase é do secretário de Comunicação do estado, Nonato Bandeira, durante entrevista na última quinta, 27, na rádio Arapuan, e reflete bem a realidade dos aliados do ex-presidente Lula na Paraíba.

Lula é o tipo de político que dá corda pra todo mundo, mas no final toma as decisões com base no pragmatismo político.

Sem espaços no governo do estado, uma pequena burocracia petista, distante das bases, tem usado o partido como instrumento de vingança.

 

Mãe de Veneziano ‘passa pano’ para a corrupção de Ricardo Coutinho; ORCRIM Girassol é acusada de desviar quase meio bilhão de reais

A mãe do senador Veneziano Vital, Nilda Gondim, é mais uma que não se constrange com o diálogo a seguir:

Questionada sobre o maior escândalo de corrupção da história da Paraíba, nesta quinta, 27, à rádio Jovem Pan, Nilda passou pano para o Mago:  Ricardo fez muito pela Paraíba, não tem como negarAgora, esse problema na Justiça cabe a ele se defender e mostrar sua defesa.”

“Esse problema na Justiça” que a mãe de Veneziano se refere, é apenas o maior esquema de corrupção da Paraíba, quiçá um dos maiores do Brasil. Através da terceirização dos hospitais paraibanos e contratos em outras áreas, Ricardo Coutinho e sua quadrilha roubaram R$ 434 milhões dos cofres públicos, de acordo com dados da operação Calvário.

A situação de Ricardo Coutinho é mais grave ainda, pois há contra ele uma gravação de Daniel Gomes, operador de propina da Cruz Vermelha, onde o ex-governador, sem cerimônia, cobra o dinheiro da corrupção.

A atitude de Nilda Gondim não é isolada. Nos últimos meses, muitos políticos paraibanos, como o próprio Veneziano, Luciano Cartaxo e a vice-governadora Lígia Feliciano, têm minimizado os fatos revelados pela operação Calvário. É como se a classe política, de forma descarada, começasse a incorporar a corrupção como um instrumento válido na política.

O que faz uma senhora com quase 80 anos de idade, e com uma trajetória imaculada, passar pano para um político que foi gravado negociando propina da Saúde? Que vergonha, dona Nilda!

Prefeitura oferece aumento de até 31,5% para profissionais da Educação do Município

A prefeitura de João Pessoa apresentou ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município (Sintem) um aumento para todas as categorias. Para docentes e especialistas, a gestão oferece 31,5%, sendo 15% sobre os vencimentos e outros 16,5% em forma de abono. Na proposta, a cada mês, o índice de 1,5 ponto percentual será incorporado aos salários somando 31,5% até dezembro deste ano.

Para os docentes aposentados, a proposta da prefeitura é de 15% de reajuste em janeiro e a cada mês será acrescido 1,5%, chegando ao mesmo índice daqueles docentes que estão na ativa em dezembro. Já aos demais trabalhadores da Educação, foi oferecido um reajuste de 10% nos vencimentos.

Confira a nota:

COMUNICADO AO SINTEM

Prezados,

Em um gesto de valorização e reconhecimento com todos os trabalhadores da Educação, estamos oferecendo aumento para todas as categorias da Rede de Ensino Municipal.

Para os docentes e especialistas, a PMJP está oferecendo 31,5% (trinta e um vírgula cinco por cento) de aumento. Este percentual corresponde a 15% sobre os vencimentos e 16,5% em forma de abono. A cada mês o percentual de 1,5% será incorporado aos vencimentos somando 31,5 em dezembro de 2022.

Para os servidores aposentados a proposta é de 15% de reajuste em janeiro e a cada mês será acrescido mais 1,5%, chegando ao mesmo percentual dos docentes da ativa em dezembro de 2022. Os servidores desse grupo que estejam na ativa terão também um reconhecimento através de bolsa desempenho.

De janeiro até o mês de novembro de 2022, sendo 16,5%, no mês de janeiro, 15% no mês de fevereiro, 13,5% no mês de março, 12% no mês de abril, 10,5% no mês de maio, 9% no mês de junho, 7,5% no mês de julho, 6% no mês de agosto, 4,5% no mês de setembro, 3% no mês de outubro e 1,5% no mês de novembro correspondentes ao valor dos vencimentos do mês de dezembro de 2021 de cada servidor.

Para os demais servidores da Educação serão concedidos 10% (dez por cento) de aumento.

Fica demonstrado neste gesto a disposição do Executivo Municipal de dialogar de maneira respeitosa e responsável com os representantes sindicais da categoria docente, atendendo, de maneira viável, suas demandas.

João Pessoa, 27 de janeiro de 2022.

Diego Tavares
Secretário de Articulação Política