Documentário a favor de Ricardo Coutinho inaugura o negacionismo da corrupção

Depois do negacionismo climático, histórico e científico, eis que surge o negacionismo da corrupção. É a canalhice em sua plenitude.

O documentário “Justiça contaminada: o teatro do lavajatismo na Paraíba”, uma peça político-jurídica de muito mau gosto tenta fazer de Ricardo Coutinho um Lula, e da Operação Calvário uma Lava Jato.

Mas para alcançar seus objetivos, os cineastas da corrupção esconderam a cereja do bolo da Operação Calvário, justamente a gravação onde o ex-governador Ricardo Coutinho aparece contabilizando a sua mesada de R$ 360 mil, oriunda do roubo à saúde pública da Paraíba através de contratos superfaturados com a Cruz Vermelha:

Houve um tempo em que político flagrado em corrupção tinha a decência de sumir da vida pública. Hoje, ao contrário, não largam o osso e ainda querem transformar mocinhos em bandidos.

Além de esconder o fato que Daniel Gomes, ex-operador da Cruz Vermelha, gravou as conversas com Ricardo Coutinho bem antes do início das investigações, o documentário ainda colocou palavras na boca de Livânia Farias, ex-secretária de RC e principal operadora do esquema. Nesta segunda, 09, Livânia negou as supostas declarações.

“Declaro que não autorizei a veiculação dessas cartas e nem da minha imagem ou voz a quem quer que seja, bem assim jamais afirmei existir qualquer negociação ou conluio por parte dos órgãos do sistema de Justiça”, diz a carta.

No país da corrupção, além de não ir pra cadeia, corrupto ainda ganha documentário.

É o fim dos tempos. Jesus já pode voltar.

Prefeito chicleteiro de Cabedelo tenta dar um xeque-mate na Operação Xeque-Mate

O prefeito chicleteiro de Cabedelo, Vitor Hugo, tentou dar um xeque-mate na operação Xeque-Mate, da qual ele é reu. O amarrador oficial do cadarço de Leto Viana articulou a aprovação de uma emenda à Lei Orgânica Municipal para escapar de um possível afastamento.

De acordo com o texto da nova emenda, o prefeito só poderá ser afastado do cargo se cometer infrações no exercício da função: “Art. 69. O Prefeito ficará suspenso de suas funções: I – nas infrações penais comuns cometidas no exercício da função de Prefeito, se recebida a denúncia ou queixa–crime pelo Tribunal de Justiça do Estado”.

Aí que está o the cat jump, ou o pulo do gato! Vitor Hugo é reu na Xeque-Mate por atos praticados enquanto vereador, ou seja, fora do exercício da função de prefeito.

Ainda há a inconstitucionalidade da emenda, pois confronta a competência da União para legislar sobre direito processual e infringe princípios da separação dos poderes e isonomia.

O Tribunal de Justiça da Paraíba julgará nas próximas semanas a Ação Direta de Inconstitucionalidade sobre a expressão “cometidas no exercício da função de prefeito”.

Eita Paraíba pra ter político sabido!

 

Salário mínimo perde poder de compra pela 1ª vez desde o Plano Real

Jair Bolsonaro (PL) vai encerrar seu mandato em dezembro de 2022 como o primeiro presidente, desde o Plano Real, a deixar o salário mínimo com valor menor do que quando entrou, segundo cálculo feito pela Tullett Prebon Brasil e divulgado pelo jornal O Globo. Neste período, nenhum governante — seja no primeiro ou segundo mandato — deixou um salário mínimo que tivesse perdido poder de compra.

A corretora estima que a perda será de 1,7% — isso se a inflação não acelerar mais do que o previsto pelo mercado no Boletim Focus, que é usado como base das projeções. Neste cenário, o piso salarial cairá de R$ 1.213,84 para R$ 1.193,37 entre dezembro de 2018 e dezembro de 2022, descontada a inflação.

“Da ótica das contas fiscais da União, a perda retratada em nossa simulação para o mínimo estende-se, em realidade, a todos os benefícios e pagamentos corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) — toda a folha da previdência, abono, Loas (Benefício de Prestação Continuada para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda)”, diz um trecho do relatório da corretora.