Acusado de desviar R$ 75 mil de programa de combate à fome, Veneziano vira uma ameaça a João Azevedo

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

O mês de maio não começou bem para a pré-candidatura de João Azevedo. Há um ano ele briga para ultrapassar os dois dígitos nas pesquisas internas, e mesmo com todo aparato estatal e midiático, não tem logrado êxito.

E agora, com a Procuradoria Geral da República acusando Veneziano de desviar R$ 75 mil de um programa de combate à fome, o que antes deveria ser uma estratégia para ajudar Azevedo em Campina Grande, transformou-se numa âncora que pode deixar o pré-candidato do PSB mais pesado do que já é.

Veneziano é o ex-prefeito recordista em processos por improbidade na Paraíba, tendo respondido a quase 30 ações apenas no STF. Em 2017 chegou a ser condenado na 4ª Vara da Justiça Federal na Paraíba:

Para a PGR, o parlamentar e os demais envolvidos cometeram o crime previsto no artigo 1º do Decreto 201/67, que prevê pena de dois a 12 anos de reclusão. Além da condenação penal, a ação requer a perda da função pública, a reparação do dano com a atualização do montante desviado e o pagamento de indenização por dano moral coletivo, em valor equivalente ao dobro do desvio.

Entre os problemas constatados estava a simulação de um pregão eletrônico, frustrado por falta de interessados e posterior dispensa irregular de processo licitatório. Ainda conforme as investigações, o esquema incluiu a dispensa indevida de licitação, a apresentação de notas fiscais falsas e o saque do valor do convênio na boca do caixa do Banco do Brasil.

Exame revelou fraudes

De acordo com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, um exame grafotécnico revelou que as assinaturas que constam do contrato não foram feitas pelos respectivos sócios da empresa. Também foi comprovada fraude no momento em que o cheque foi descontado. Embora o documento estivesse em nome da empresa, os dados (nome e RG) apresentados para o saque não estão vinculados à empresa.

Para completar, o Banco do Brasil confirmou que o dinheiro não foi depositado na conta da Importec. “Foram realizadas diligências para aferir quem foi o responsável pela assinatura do cheque; e o Banco do Brasil S/A informou que tal cheque havia sido assinado pelo deputado federal Veneziano Vital do Rego Segundo Neto”, aponta um trecho da denúncia.

Raquel Dodge lembra que a ação atingiu a imagem da União e da Prefeitura de Campina Grande, que foi utilizada para o desvio e a apropriação de dinheiro público destinado a uma finalidade humanitária.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
A bancada do ex-presidiário Berg Lima na Câmara Municipal de Bayeux

A bancada do ex-presidiário Berg Lima na Câmara Municipal de Bayeux

O eleitor de Bayeux pode ainda não saber em quem votar para vereador, mas certamente ele já sabe em quem…
Ex-prefeito ficha suja de Lagoa de Dentro escala o filho para ser candidato em Bayeux

Ex-prefeito ficha suja de Lagoa de Dentro escala o filho para ser candidato em Bayeux

Não é segredo pra ninguém que na Paraíba muitos veem a política como um negócio de família. Em Bayeux, por…
Apesar do caos deixado por Berg Lima, Kita começa a botar ordem na casa

Apesar do caos deixado por Berg Lima, Kita começa a botar ordem na casa

Você pode até não simpatizar com o prefeito interino de Bayeux, mas é preciso reconhecer que em um mês Jefferson…
Em tempos de pandemia e combate às fakenews, propaganda eleitoral na TV ganha mais importância e credibilidade

Em tempos de pandemia e combate às fakenews, propaganda eleitoral na TV ganha mais importância e credibilidade

As eleições 2020 serão diferentes em várias sentidos. Primeiro porque vivenciamos uma pandemia que vai diminuir a participação popular nas…

Siga-nos Facebook