Antes considerado um trunfo precioso, Moro começa a ser avaliado como um fardo por Bolsonaro e sua trupe

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Por ora, o presidente Jair Bolsonaro ainda o defende. Ou finge fazê-lo. Não faz tanto tempo assim que o rude capitão, refém dos seus instintos mais primitivos, admitiu sentir um grande prazer em fornecer corda para que auxiliares incômodos se enforquem.

Ainda não procede assim com o ministro Sérgio Moro, da Justiça. Mas se ele, por qualquer razão, decidisse pedir as contas e largar o emprego, já não faria tanta falta ao governo. Bolsonaro prestaria as homenagens de praxe e tocaria em frente.

Moro desgastou-se com a publicação de seus diálogos com procuradores da Lava Jato. Ficou provado que ele se comportou como juiz e assistente de acusação no processo que condenou Lula a 12 anos de cadeia, pena recentemente reduzida a 8 anos.

Desgastou-se em seguida com o caso dos hackers da República de Araraquara porque anunciou que eles haviam invadido mais de mil celulares, entre eles o de Bolsonaro. Não satisfeito, ainda ligou para alguns dos hackeados e ameaçou destruir provas do inquérito.

Bolsonaro topa qualquer briga como já demonstrou, e não sabe viver sem uma. Mas tudo o que ele não quer neste momento é briga com o ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, a quem só se refere como “gente nossa”.

Tem razão para isso. Foi Toffoli que suspendeu as investigações sobre os rolos fiscais do senador Flávio Bolsonaro e do ex-motorista Fabrício Queiroz. E daí? Daí que a decisão de Toffoli foi criticada pelo presidente do COAF, homem de confiança de Moro.

De resto, o pacote de leis anticrime despachado por Moro para o Congresso, uma das joias da coroa do governo Bolsonaro, emperrou por lá e enfrenta a má vontade de deputados e senadores com o ex-juiz, visto por eles como o algoz dos políticos.

Pouco a pouco, antes considerado um trunfo precioso, Moro começa a ser avaliado como um fardo por Bolsonaro e sua trupe, nela naturalmente incluída os filhos. Um fardo que ainda é possível carregar, mas que amanhã poderá deixar de ser.

Cresce em Bolsonaro o sentimento de que pode tudo. Enquadrou a ala militar do seu governo. Derrubou o presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Declarou guerra à imprensa. Nomeará para a Procuradoria Geral da República quem quiser.

Moro? Moro que se cuide, mas não somente ele.

Ricardo Noblat

Comentar com Facebook

Comentários

Últimas notícias

Opinião

Mais lidas

Notícias relacionadas
Em artigo, ex-vereador do PSB questiona o porquê de Nilvan assustar os políticos tradicionais

Em artigo, ex-vereador do PSB questiona o porquê de Nilvan assustar os políticos tradicionais

Em artigo publicado em seu blog, o ex-vereador Renato Martins revela os motivos da pré-candidatura do radialista Nilvan Ferreira incomodar…
Ex vice-prefeito de São Bento confirma que recebeu propina para pagar custos da reeleição de Ricardo Coutinho

Ex vice-prefeito de São Bento confirma que recebeu propina para pagar custos da reeleição de Ricardo Coutinho

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o radialista Nilvan Ferreira apresenta um áudio do ex vice-prefeito de São Bento, John…
Projeto de Ruy defende consumidor de cortes na internet, telefonia e TV por assinatura

Projeto de Ruy defende consumidor de cortes na internet, telefonia e TV por assinatura

Projeto de lei apresentado pelo deputado federal paraibano Ruy Carneiro obriga as companhias de internet, telefonia e TV por assinatura…
Tão pragmático quanto Ricardo, João Azevedo dá a senha para aliança com Cartaxo: "Se for viável, tudo bem. Se não for, cada um segue seu caminho”

Tão pragmático quanto Ricardo, João Azevedo dá a senha para aliança com Cartaxo: "Se for viável, tudo bem. Se não for, cada um segue seu caminho”

Parece que o governador João Azevedo aprendeu com Ricardo Coutinho a ser pragmático nas alianças. Nesta terça, 10, João deu…

Siga-nos Facebook