Bolsonaro ganha um apelido no Centrão: “Dilmo”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

O estilo desordenado de Jair Bolsonaro rendeu-lhe um apelido no Congresso. Em privado, parlamentares de legendas do chamado centrão começaram a chamá-lo de “Dilmo”. Por trás da comparação burlesca com a ex-presidente petista Dilma Rousseff esconde-se um fenômeno grave: um pedaço do Legislativo perdeu o respeito pelo chefe do Executivo.

A avaliação de Bolsonaro dividiu o centrão em dois subgrupos. Uma ala considera o capitão igual a Dilma. “Tem o mesmo rei na barriga”, afirma um deputado do PR. Outra banda sustenta que ele é pior. “Dilma era uma falsa gerentona, dizia entender de economia. Bolsonaro é o autêntico desgoverno, que admite sua inépcia econômica”, declara um deputado do PP.

Unido, o centrão tem potencial para atrapalhar o governo. Em alianças pontuais com as legendas de oposição, o grupo pode impor derrotas em série ao Planalto. Por isso, as referências ao “Dilmo” são mais frequentes em ambiente privado. Decisiva na aprovação do impeachment de Dilma, a turma do centrão não quer melindrar o PT, que volta a ser um aliado em potencial.

A animosidade do miolo do Congresso com Bolsonaro transforma o diálogo que o Planalto diz estar travando com os partidos políticos numa nova definição de papo furado. A causa do mal-estar não é a hipotética aversão do governo ao toma-lá-dá-cá. A questão é que a distância entre o que Bolsonaro se dispõe a dar e aquilo que o centrão deseja tomar é grande. E não se chegou a um meio-termo.

O resultado prático é que o governo não consegue formar algo que se pareça com um bloco de sustentação parlamentar. A consequência é que Bolsonaro sujeita-se a emboscadas que conspiram contra a estabilidade de sua gestão.

Tramam-se maldades em série contra o capitão: desde o sequestro de parte do Orçamento, por meio de emendas impositivas, até a derrubada de decretos presidenciais, passando pela hipótese de lipoaspiração precoce da reforma da Previdência já na Comissão de Constituição e Justiça.

Normalmente, o colegiado deveria se ater à análise sobre a constitucionalidade da proposta, deixando o debate acerca do mérito para uma comissão especial formada com esse propósito. Mas o centrão opera numa faixa do Legislativo em que o normal é a anormalidade.

Josias de Souza

 

Comentar com Facebook

Comentários

Últimas notícias

Opinião

Mais lidas