pmjp2

Com medo de perder eleitores, Bolsonaro vai lançar carta defendendo o Bolsa Família; programa que ele sempre criticou

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Brasília – Preocupado em não perder votos entre eleitores de menor renda, o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) prepara uma “carta de princípios” na qual se comprometerá em manter o Bolsa Família com mais auditorias, entre outras promessas.

A estratégia do documento é formalizar compromissos do pré-candidato na área social, na qual incluirá também uma reforma da Previdência “devagar”.

A carta de princípios do capitão da reserva do Exército mira a disputa por votos com Marina Silva (Rede) – a concorrente considerada mais difícil de bater -, e Ciro Gomes (PDT), ambos bem avaliados entre famílias de baixa renda. “Lula está fora de combate”, destacou Bolsonaro. “Eu vou fazer a minha parte.”

Conversas

A elaboração da carta ocorre em paralelo a conversas do economista Paulo Guedes, conselheiro do pré-candidato, com empresários e banqueiros para apresentar Bolsonaro.

“Tenho aprendido com ele (Paulo) e ele tem aprendido comigo, que conheço a política: ‘Paulo, isso não passa na Câmara’”, disse o pré-candidato sobre as conversas com o economista. “A minha reforma da Previdência, por exemplo, é por partes. Duvido que não votem uma primeira leva (de medidas). Vai (se for) devagar.”

A preocupação da campanha de Bolsonaro é com eventual difusão de que um governo do pré-candidato do PSL poderá acabar com o Bolsa Família.

Criado há 14 anos pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o programa atende 13,9 milhões de famílias, que recebem em média R$ 178,46 por mês.

A carta de princípios defenderá a análise de ações “pragmáticas” em saúde, emprego e educação para complementar a política de redução da pobreza.

Há preocupação também com o eleitorado feminino. Pesquisa Datafolha de janeiro mostrou, ainda num cenário com Lula candidato, que Marina vence Bolsonaro nos eleitorados feminino (20% a 11%), mais pobre (19% a 11%) e menos escolarizado (17% a 9%).

No Nordeste, reduto principal do eleitor do petista, Bolsonaro teve 9%, índice inferior tanto ao de Marina (16%) quanto ao de Ciro (15%). O Nordeste é a região apontada em pesquisas internas do grupo de Bolsonaro como área das mulheres mais refratárias ao pré-candidato.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Prefeitura de João Pessoa realiza higienização na UPA Oceania em ação preventiva ao coronavírus

Prefeitura de João Pessoa realiza higienização na UPA Oceania em ação preventiva ao coronavírus

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Oceania, no bairro de Manaíra, foi o primeiro equipamento de saúde da…
ABRADEP: Especialistas avaliam os desafios da mulher advogada no meio jurídico

ABRADEP: Especialistas avaliam os desafios da mulher advogada no meio jurídico

A Constituição e legislações infraconstitucionais brasileiras garantem a presença formal de direitos iguais entre homens e mulheres. A realidade, no…
Após auxílio para autônomos e informais, Ruy cobra auxílio para empregados e empresas

Após auxílio para autônomos e informais, Ruy cobra auxílio para empregados e empresas

Na luta contra a pandemia da Covid-19, uma grande conquista foi dada com o auxílio para trabalhares informais e autônomos.…
EUA ultrapassam China em número de casos e viram novo epicentro do coronavírus

EUA ultrapassam China em número de casos e viram novo epicentro do coronavírus

Com mais de 82 mil casos, os Estados Unidos se tornaram nesta quinta-feira (26) o país com mais casos confirmados de Covid-19…

Siga-nos Facebook

Campina