João Azevedo qualifica organização social que tem bloqueio judicial de R$ 68 milhões, responde a diversas ações por improbidade e mais de 80 processos trabalhistas

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

O governador João Azevedo continua zombando da cara dos paraibanos e com o Ministério Público. O governador acaba de qualificar uma organização social que tem bloqueio judicial de R$ 68 milhões, responde a várias ações por improbidade, inquéritos e mais de 80 ações trabalhistas. Trata-se do Instituto Acqua – Ação, Cidadania, Qualidade Urbana e Ambiental:

Das duas uma, ou João Azevedo não aprendeu nada com o maior escândalo de corrupção patrocinado pelo seu próprio grupo político, ou está refém de um esquema que o forçou a qualificar uma organização social inidônea.

O Instituto ACQUA está à beira de um caos jurídico, pois encontra-se com muitos processos na esfera pública, cível, trabalhista, de improbidade administrativa, bem como nos Tribunais de Contas dos Estados onde atua.

Além das ações trabalhistas, existem três ações civis públicas na região do ABC Paulista, as quais denunciam ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA e requerem liminar de indisponibilidade de bens. Todas ações por irregularidade na forma de contratação:

A organização social já foi condenada a devolver mais de R$ 54 milhões ao erário público.

O Polítika teve acesso a um dossiê que revela favorecimento ao Instituto Acqua por parte do governo do Estado, na licitação para as UPAs de Guarabira, Santa Rita e Princesa Isabel:

O Instituto Acqua também responde a mais de 80 ações trabalhistas, como revela certidão do poder judiciário:

O governo de João Azevedo está cometendo o mesmo erro do ex-governador Ricardo Coutinho, que contratou uma organização social inidônea (Instituto Gerir) que teve os bens bloqueados por ordem judicial, lesando o Estado duplamento, pois há poucas semanas o governo foi obrigado a pagar os salários atrasados pela Gerir.

Será que não aprenderam com o erros, ou o ‘erro’ faz parte do modus operandi dos girassóis . O que o Ministério Público tem a dizer sobre tamanho absurdo, no mesmo momento em que a Operação Calvário revelou o esquema de corrupção envolvendo organizações sociais?

O blog tentou contato com os diretores do Instituto Acqua, mas sem êxito.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas

Entre os 'paraíbas' e Bolsonaro, Julian Lemos ficou com o poder que não tem

Entre os 'paraíbas' e Bolsonaro, Julian Lemos ficou com o poder que não tem

Julian Lemos foi escorraçado e humilhado pelos filhos do presidente Bolsonaro, mas continua fiel. Porém, distante do núcleo duro do…
61,2% dos paraibanos reprovam governo de Bolsonaro; 50% avaliam como RUIM ou PÉSSIMO

61,2% dos paraibanos reprovam governo de Bolsonaro; 50% avaliam como RUIM ou PÉSSIMO

Pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 22, pelo Instituto Opinião, mostra que a avaliação do governo de Jair Bolsonaro vai de mal…
Temer afirma que Bolsonaro é a sua continuidade

Temer afirma que Bolsonaro é a sua continuidade

Após ter chegado à presidência da República em 2016 por causa de um golpe contra a então presidente Dilma Rousseff,…