Luciano Cartaxo relembra histórico de vai e vem de Manoel Junior e diz que ele sempre foi valorizado na gestão

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

O prefeito de João Pessoa Luciano Cartaxo (PV) revelou, na tarde desta quarta-feira (5), o histórico de indefinições do vice-prefeito Manoel Junior desde o processo das eleições de 2016 e garantiu que durante todo este tempo, manteve uma relação pautada pela transparência e verdade junto ao ex-peemedebista. “Manoel Junior foi extremamente valorizado na Prefeitura e chegou a me afirmar que José Maranhão foi o responsável pelos seus sonhos frustrados de ser prefeito da Capital”, disse.

Segundo Luciano, em 2016, Manoel Junior chegou a se colocar como candidato a prefeito da Capital, decisão a qual declinou após reunião com o presidente da República, Michel Temer, reclamando inclusive da falta de apoio do partido. “Posteriormente, no leque de partidos que apoiavam minha candidatura à reeleição, ficou definido que o PMDB (hoje MDB) indicaria o nome do vice e chegou às minhas mãos a decisão do diretório municipal do partido, presidido por ele, onde seu nome era indicado como vice. Fizemos a campanha e vencemos com o único compromisso de fazer mais por João Pessoa”, relembrou.

Após o resultado das eleições, Luciano afirma que foi pública a indefinição de Manoel Junior sobre renunciar ao mandato que tinha na Câmara Federal para assumir seu cargo recém-conquistado de vice-prefeito. “Ele chegou a fazer consultas no sentido de conciliar os dois mandatos e pediu minha opinião. Disse que a partir do momento que ele colocou o nome como vice, tinha um compromisso com a cidade de assumir o mandato”, destacou.

Vencidas todas estas etapas, Luciano lembra que Manoel Junior chegou a assumir a titularidade da prefeitura em três ocasiões, sendo sempre valorizado pela gestão, embora seu partido já iniciasse um processo de rompimento com a gestão. “Em março de 2017, pouco mais de dois meses após iniciarmos o novo governo, o PMDB fez uma reunião do diretório e lançou a pré-candidatura de José Maranhão. Quando chegou o período de definição de candidaturas e, no final do ano passado, Maranhão radicalizou nas críticas em relação ao nome que a gente estava construindo em consenso entre os partidos da oposição”, disse.

Foi neste momento que Luciano decidiu permanecer na Prefeitura. “O próprio Manoel Junior, após minha decisão de permanecer com meus compromissos na Prefeitura, se desfiliou do PMDB e foi para o PSC. Ao longo de todo este processo eu disse a ele que ele tinha a decisão a tomar de permanecer como vice-prefeito ou ser candidato a deputado federal. E ele saiu com a ideia de ser candidato ao Governo do Estado. Posteriormente ele desistiu e se lançou ao Senado sem combinar com ninguém. Depois, passou a disputar internamente a condição de deputado estadual e por último, a condição de ser candidato a deputado federal”, afirmou.

De acordo com Luciano, após todas estas indefinições, sua decisão de ser candidato a deputado federal se deu quando todos os compromissos já estavam assumidos com os candidatos em toda a Paraíba. “Eu disse a ele que ele estava entrando em um cenário de muita dificuldade e ele reconheceu que perdeu diversas bases no Estado. E depois dessas idas e vindas, ele reconheceu que tem dificuldades de ser eleito porque há muita resistência em sua base”, explicou.

Mais um capítulo desta história, ,a manhã desta quarta-feira, Manoel Junior anunciou durante coletiva na Associação Paraibana de Imprensa (API), o rompimento com o prefeito Luciano Cartaxo e, mesmo após inúmeras declarações de falta de apoio do MDB, anunciou o retorno da sua aliança com José Maranhão.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
STJ nega pedido de Coriolano para trabalhar vendendo “batatas” e “gado”

STJ nega pedido de Coriolano para trabalhar vendendo “batatas” e “gado”

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou habeas corpus impetrado pela defesa de Coriolano Coutinho para…
CADÊ O DINHEIRO? Gestão de Marcelo Monteiro já arrecadou quase R$ 300 milhões, mas Lucena continua abandonada

CADÊ O DINHEIRO? Gestão de Marcelo Monteiro já arrecadou quase R$ 300 milhões, mas Lucena continua abandonada

Prestes a completar 8 anos de mandato, o prefeito de Lucena, Marcelo Monteiro, não pode reclamar de falta de dinheiro.…
EM PEDRAS DE FOGO: Juíza Higyna Josita bota moral na casa e proíbe candidato que não cumpriu acordo de fazer campanha por 3 dias

EM PEDRAS DE FOGO: Juíza Higyna Josita bota moral na casa e proíbe candidato que não cumpriu acordo de fazer campanha por 3 dias

Acostumado a passar por cima da Justiça Eleitoral, o grupo do prefeito Dedé Romão, que tem como candidato o seu…

Siga-nos Facebook