pmjp 1

Maranhão e o PMDB valem o que vendem?

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Tecnicamente na oposição ao governador Ricardo Coutinho e parte integrante do blocão (PSDB, PSD, PP, PRB e PSC), o senador José Maranhão tem se valorizado na pré-campanha, mesmo não liderando mais as pesquisas, como outrora. Esperto como poucos, Maranhão se aproveita do dualismo estabelecido pela nova ordem política: RC x Cartaxo.

Mas Maranhão e o PMDB valem o que vendem?

A questão é complexa e os elementos para a resposta remetem às eleições de 2012, passando por 2014 e 2016.

Em 2012, ainda no auge da carreira política, o senador José Maranhão liderava as pesquisas para a prefeitura de João Pessoa ao lado de Cícero Lucena. Com o início da campanha Maranhão começou a cair de ladeira abaixo e terminou a eleição em quarto lugar, atrás até de Estela Bezerra.

A candidatura de Vitalzinho, em 2014, então senador de muito prestígio no cenário nacional, não empolgou e o candidato do PMDB teve apenas 5,22%. Das duas uma, ou Vitalzinho era ruim de voto ou Maranhão não transfere seu prestígio.

O próprio resultado de Maranhão para o Senado nos ajuda a responder a questão inicial. O peemedebista teve 37,12% dos votos. Apenas 7% a mais que Lucélio Cartaxo (29,93%); um neófito desconhecido do eleitorado paraibano, onde o único cargo público em seu currículo era o de superintendente da CBTU.

Chegou 2016 e o PMDB se viu varrido das 10 maiores cidades da Paraíba. O partido perdeu as prefeituras de Patos, Sousa e Mamanguape. E ainda passou vexame com a candidatura de Veneziano, em Campina Grande, onde o ex-prefeito sequer levou a eleição para o segundo turno.

Único trunfo do partido foi a eleição de Manoel Júnior, em João Pessoa. Uma articulação que contou com a benevolência do PSDB, pois o candidato natural a vice era o ex-deputado federal Ruy Carneiro, vice-líder em todas as pesquisas de 2016.

A resposta é não. Maranhão e o PMDB não valem o que vendem. As circunstâncias eleitorais e a promiscuidade política de Ricardo Coutinho tem elevado o valor do PMDB na bolsa eleitoral. Mas não valem tanto.

E ainda podem perder o “eventual poder” com a saída do prefeito Luciano Cartaxo e a ascensão de Manoel Junior. Basta Cartaxo continuar na prefeitura e apoiar outro nome da Oposição. Como dizem no interior, o PMDB e Maranhão ficariam “sem mel nem cabaça”.

Mais vale um passarinho na gaiola do que dois voando…

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Ministério Público afirma que Ricardo Coutinho recebeu propina de R$ 200 mil antes de debate na TV com Maranhão, em 2010

Ministério Público afirma que Ricardo Coutinho recebeu propina de R$ 200 mil antes de debate na TV com Maranhão, em 2010

Segundo denúncia do Ministério Público, Ricardo Coutinho recebeu R$ 200 mil em propina antes de um debate na TV, contra…
Governo federal retira R$ 83 milhões do Bolsa Família e destina à comunicação, mas o gado bolsonarista se cala

Governo federal retira R$ 83 milhões do Bolsa Família e destina à comunicação, mas o gado bolsonarista se cala

Incentivado pelos deputados Wallber Virgolino e Cabo Gilberto, o gado bolsonarista fez um espetáculo com a suplementação de R$ 7,5…
O MAGO É PENTA! Mais uma denúncia e Ricardo Coutinho já pode pedir duas músicas no Fantástico

O MAGO É PENTA! Mais uma denúncia e Ricardo Coutinho já pode pedir duas músicas no Fantástico

Preso na Operação Calvário e usando tornozeleira eletrônica até o presente momento, o ex-governador Ricardo Coutinho acaba de conquistar o…
DESVIO DE R$ 20 MILHÕES: Gaeco denuncia Ricardo e mais 12 por fraudes no Hospital de Trauma

DESVIO DE R$ 20 MILHÕES: Gaeco denuncia Ricardo e mais 12 por fraudes no Hospital de Trauma

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) tornou-se alvo, nesta quinta-feira (4), da quinta denúncia de envolvimento em suposto esquema desvio de…

Siga-nos Facebook

Campina