pmjp2

Miliciano preso no DF por grilagem de terras é tio de Michelle Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Um dos sete policiais militares presos na última quarta-feira (29/05) por integrarem uma milícia com atuação na região do Sol Nascente, em Ceilândia, é tio da primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro. O 1º sargento João Batista Firmo Ferreira foi um dos alvos da Operação Horus, que investiga PMs por crimes de loteamento irregular do solo, extorsão e até homicídio, relacionados à grilagem de terras. O militar reformado é irmão de Maria das Graças, mãe de Michelle. A família da primeira-dama mora na região do Sol Nascente.

A operação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal, em parceria com a Coordenação Especial de Repressão à Corrupção, ao Crime Organizado e aos Crimes contra a Administração Pública e contra a Ordem Tributária da Polícia Civil DF e com a Corregedoria Militar do Distrito Federal.

Os sete sargentos presos são lotados ou já atuaram no 8º e no 10º Batalhão da Polícia Militar, unidades responsáveis pelo policiamento ostensivo na região do Sol Nascente. Além de Jorge Firmo Ferreira, foram presos e denunciados pelo Ministério Público do DF os sargentos Jorge Alves dos Santos, Agnaldo Figueiredo de Assis, Francisco Carlos da Silva Cardoso, José Deli Pereira da Gama, Paulo Henrique da Silva e Jair Dias.

As investigações começaram em 2011, mas avançaram graças à participação de um colaborador, que integrou e liderou a quadrilha, mas resolveu ajudar na apuração para receber o benefício da redução da pena. Ele procurou a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado da PCDF e detalhou o funcionamento da organização criminosa.

Com autorização judicial, as ligações telefônicas dos suspeitos foram interceptadas e as conversas revelaram a forma de atuação dos policiais militares responsáveis pela grilagem na região do Sol Nascente. A denúncia destaca que os dados obtidos com a quebra do sigilo bancário de João Firmo, autorizada pela Justiça, reforçam a ligação do PM com a organização criminosa. O órgão identificou duas transferências dele para Francisco Cardoso, outro integrante da suposta quadrilha de milicianos, em 27 de julho de 2015, que totalizaram R$ 8 mil.

O 1º sargento entrou na reserva da Polícia Militar em 16 de janeiro de 2017. Conforme o Portal da Transparência, a remuneração mensal dele é de R$ 8.227,68, fora benefícios.

Correio Brasiliense

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Governo da Paraíba desmente possibilidade de decreto de lockdown

Governo da Paraíba desmente possibilidade de decreto de lockdown

O Governo da Paraíba emitiu uma nota nesta quarta-feira (25), onde desmentiu um decreto de lockdown com fechamento de comércio…
Nilvan afirma que vai subsidiar passagens de ônibus em João Pessoa

Nilvan afirma que vai subsidiar passagens de ônibus em João Pessoa

O candidato à Prefeitura de João Pessoa pelo PMDB, Nilvan Ferreira reafirmou que na sua gestão não vai ter lockdown. Ele assumiu…
Popularidade de Bolsonaro está em colapso em 23 capitais

Popularidade de Bolsonaro está em colapso em 23 capitais

Pesquisa do Ibope é taxativa: a popularidade de Bolsonaro foi pelo ralo em 23 das 26 capitais brasileiras entre outubro…
Confira os números da pesquisa Consult para prefeito de João Pessoa

Confira os números da pesquisa Consult para prefeito de João Pessoa

Foram divulgados hoje (24), pela Arapuan Fm, os números da Pesquisa Consult para o segundo turno das eleições em João Pessoa. Na consulta,…

Siga-nos Facebook

pmjp2