pmjp2

PEC 18: Ruy Carneiro é contra regulamentação do trabalho infantil

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

O deputado federal Ruy Carneiro recebeu a procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho na Paraíba, Andressa Alves Lucena Ribeiro Coutinho para debater os impactos da PEC-18, que pretende reduzir a idade mínima para o ingresso no mercado de trabalho. Ruy foi enfático ao se posicionar contra a proposta que prevê a alteração do artigo 7º, XXXIII, da Constituição Federal para permitir que adolescentes, a partir de 14 anos, trabalhem “sob o regime de tempo parcial”.

“Sou contra. Reduzir a idade de trabalho é aceitar o trabalho infantil. Tenho grande preocupação com o tema, que tenta precarizar as relações de trabalho. Os impactos do trabalho infantil são bastante negativos às crianças e adolescentes submetidos a ele”, enfatizou Ruy.

O texto tramita na Câmara dos Deputados desde 2011 e esta semana voltou à pauta, no âmbito da Comissão de Constituição e Justiça. Ainda não há data para votação em plenário, mas o deputado Ruy Carneiro já mantém posicionamento contrário à matéria.

“Quando se tenta reduzir a idade do trabalho de 16 para 14, você traz a possibilidade dessa criança não ter a sua formação lúdica completa, podendo abandonar a escola. Ingressar no mercado de trabalho com obrigações que podem, inclusive, prejudicar seu crescimento e amadurecimento psicológico é muito danoso”, explica.

O parlamentar ainda lembra abertura na legislação para inclusão de jovens no trabalho e defende o ensino integral para garantir a formação como profissional e cidadão. Ruy tem a educação como uma das bandeiras de mandato.
“Hoje já temos na legislação a possibilidade do jovem aprendiz, para nós a prioridade deve ser a escola, o ensino, escola em tempo integral, para que as crianças se preparem para o futuro, para depois exercer as suas profissões no futuro”, concluiu.

Para o Ministério Público do Trabalho (MPT), a PEC reforça o mito de que crianças e adolescentes pobres têm apenas duas opções de vida: trabalhar ou se envolver com a criminalidade. Para a procuradora Andressa Ribeiro Coutinho, reduzir a idade mínima para o trabalho elevará o índice de desemprego no país, favorecerá a precarização de direitos, exporá as crianças a graves acidentes, conduzirá à evasão escolar e perpetuará o ciclo da pobreza.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Mario Frias contrata sem licitação por R$ 3,6 milhões empresa paraibana sem funcionários e com sede em caixa postal

Mario Frias contrata sem licitação por R$ 3,6 milhões empresa paraibana sem funcionários e com sede em caixa postal

A Secretaria da Cultura, sob a gestão de Mario Frias (foto), contratou sem licitação uma empresa sem funcionários e sediada em uma caixa postal dentro de um escritório…
Teve briga, teve deputado, mas não foi Aguinaldo Ribeiro

Teve briga, teve deputado, mas não foi Aguinaldo Ribeiro

O áudio que circula no zap zap é uma meia verdade. Realmente rolou um cacete num restaurante de João Pessoa,…
Aguinaldo Ribeiro apresenta representação criminal após divulgação de áudio inverídico

Aguinaldo Ribeiro apresenta representação criminal após divulgação de áudio inverídico

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro apresentou nesta sexta-feira, 3, uma representação criminal para que seja apurada a autoria de um…
Ruy Carneiro apresenta projeto para proibir uso de animais para testes com cigarros e similares

Ruy Carneiro apresenta projeto para proibir uso de animais para testes com cigarros e similares

O deputado federal Ruy Carneiro apresentou à mesa diretora da Câmara dos Deputados projeto de Lei que proíbe a utilização…

Siga-nos Facebook

pmjp2