Campina

REINALDO AZEVEDO: Moro fez uso político, na boca da urna, de acusações sem provas de Palocci

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Dá para compreender por que o ministro Sergio Moro gostaria de destruir todas as provas colhidas pela Polícia Federal na ação contra hackers. Seja ou não o conteúdo obtido o mesmo que chegou ao The Intercept Brasil, ressalte-se uma evidência: o ex-juiz tem medo do que disse e fez e do que disseram e fizeram seus subordinados no MPF. O passado de ilegalidades e de abusos políticos os assombra.

Leiam o que informa a Folha. Volto em seguida:
*
Considerações políticas influenciaram a decisão do então juiz Sergio Moro de divulgar parte da delação do ex-ministro Antonio Palocci a seis dias do primeiro turno da eleição presidencial do ano passado, sugerem mensagens trocadas na época por procuradores da Operação Lava Jato.

Os diálogos, obtidos pelo The Intercept Brasil e analisados pela Folha junto com o site, indicam que Moro tinha dúvidas sobre as provas apresentadas por Palocci, mas achava sua colaboração relevante mesmo assim por representar uma quebra dos vínculos que uniam os petistas desde o início das investigações.

“Russo comentou que embora seja difícil provar ele é o único que quebrou a omertà petista”, disse o procurador Paulo Roberto Galvão a seus colegas num grupo de mensagens do aplicativo Telegram em 25 de setembro, tratando Moro pelo apelido que eles usavam e associando os petistas à Omertà, o código de honra dos mafiosos italianos.

Outros membros do grupo também expressaram ceticismo. “Não só é difícil provar, como é impossível extrair algo da delação dele”, afirmou a procuradora Laura Tessler. “O melhor é que [Palocci] fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”, acrescentou Antônio Carlos Welter.

Nesse dia, Moro acabara de receber as provas entregues pelo delator e se preparava para divulgar um dos depoimentos que o ex-ministro prestara sobre a corrupção nos governos do PT. O comentário reproduzido por Galvão sugere que o juiz deixou de lado sua insegurança sobre as provas ao tornar a delação pública.

Palocci fechou acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal em março do ano passado. Ele recorreu à PF após ver frustrados seus esforços para conseguir um acordo com a Procuradoria-Geral da República e a força-tarefa à frente da Lava Jato em Curitiba, que negociaram com o ex-ministro durante quase oito meses.

As mensagens examinadas pela Folha e pelo Intercept mostram que os procuradores encerraram as negociações ao concluir que a delação de Palocci acrescentava pouco ao que os investigadores já sabiam e não incluía provas capazes de sustentar os depoimentos que traziam novidades.

Os diálogos revelam que os procuradores cogitaram pedir a anulação do acordo de Palocci com a PF e continuaram manifestando dúvidas sobre o valor de sua colaboração após a divulgação de seus termos por Moro, embora tenham evitado críticas em público depois do movimento do juiz.

Moro divulgou a delação de Palocci no dia 1º de outubro, uma semana após o comentário reproduzido por Paulo Roberto Galvão no Telegram e uma semana antes do primeiro turno das eleições presidenciais.

O então juiz anexou os documentos aos autos de um processo que trata do apoio da Odebrecht ao Instituto Lula, em que o ex-presidente e seu ex-ministro são réus.

Em seu despacho, Moro justificou a medida argumentando que, como seria responsável por avaliar os benefícios oferecidos a Palocci mais tarde, na sentença do processo, era necessário anexar aos autos os termos da colaboração de Palocci, a decisão judicial que homologou o acordo e o depoimento que fosse “pertinente a estes autos”
(…)
Íntegra aqui

Comento
Eis aí. Pouco mais de um mês depois, Moro aceitou o convite para ser ministro da Justiça de Jair Bolsonaro.

Consta que a ala lava-jatista do Supremo acha que, até agora, não veio à luz nada de extremamente grave sobre a atuação de Moro.

Tenho certa curiosidade de saber o que esses valentes entendem exatamente por “gravidade”.

Então não é grave que um juiz decida divulgar, na boca da urna, um material de claro impacto eleitoral que ele próprio considera inconsistente, fraco, porque, segundo diz um procurador, o vê nele um racha no petismo?

Vamos dar nomes?

Isso é irrelevante, ministro Edson Fachin?

Isso é irrelevante, ministra Cármen Lúcia?

Isso é irrelevante, ministro Luiz Fux?

Isso é irrelevante, ministro Roberto Barroso?

Isso é irrelevante, ministra Rosa Weber?

Veja que curioso: os quatro ministros que chamo às falas foram indicados por petistas.

Parece que o PT formou, com efeito, um STF independente. Independente até da lei. Ou dependente demais do governo de turno e da metafísica influente.

O que vai acima só permite uma leitura: Moro fez uso político do depoimento de Palocci mesmo sem reconhecer a existência de provas.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Berg Lima antecipou pagamento de empresa do lixo, mas não pagou aposentados

Berg Lima antecipou pagamento de empresa do lixo, mas não pagou aposentados

Os aposentados de Bayeux estão com salários atrasados porque o prefeito afastado Berg Lima preferiu antecipar o pagamento da empresa…
Luciano Cartaxo implanta Cozinha Comunitária no Jardim Veneza e rede de assistência ultrapassa 3,9 mil refeições entregues por dia

Luciano Cartaxo implanta Cozinha Comunitária no Jardim Veneza e rede de assistência ultrapassa 3,9 mil refeições entregues por dia

A rede de proteção social será ampliada na Capital paraibana. O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, entregou, nesta quarta-feira…
Projeto de Bolsonaro é tornar Moro inelegível para 2022, avaliam parlamentares

Projeto de Bolsonaro é tornar Moro inelegível para 2022, avaliam parlamentares

Parlamentares que acompanham o embate entre Jair Bolsonaro e Sérgio Moro avaliaram nesta quarta-feira (3) que o projeto do governo…
Novo presidente do TSE deve pautar cassação de Ricardo Coutinho antes de agosto

Novo presidente do TSE deve pautar cassação de Ricardo Coutinho antes de agosto

Uma fonte de Brasília informou ao Polítika que o novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, deve pautar…

Siga-nos Facebook

pmjp2