pmjp2

Ricardo Coutinho é alvo de nova fase da Operação Calvário

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) está entre os investigados na nona fase da Operação Calvário. O nome do candidato a prefeito de João Pessoa é citado junto com o do ex-procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro; do mandatário da Cruz Vermelha Brasileira, Daniel Gomes; do conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado, Arthur Cunha Lima; do ex-deputado Arthur Cunha Lima Filho, e do ex-chefe de gabinete de Arthur no TCE, Sérgio Ricardo Ribeiro da Gama.

A nova fase da operação é relacionada com suposto esquema de lavagem de dinheiro, tendo Arthur Cunha Lima como figura central em suposto esquema de “venda de aprovação de contas”. Ele teria negociado, com a intermediação de Arthur Filho e do advogado Diogo Mariz Maia, o pagamento de R$ 500 mil pela Cruz Vermelha Brasileira para que os balancetes da Organização Social fossem aprovados no Tribunal de Contas do Estado. O dinheiro teria sido pago de forma parcelada.

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Falcão, acatou pedido da subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, para bloquear R$ 2,2 milhões nas contas de cada um dos seis investigados na ação proposta pelo Ministério Público Federal. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em seis endereços nesta terça-feira (27), porém, focando outros citados na investigação, a exemplo do advogado Diogo Mariz.

Contando todos os suspeitos na investigação, o STF determinou o bloqueio de R$ 23,4 milhões. A reparação é cobrada ainda de Diogo Maia Mariz, SG Construções e Locações de Máquinas e Equipamentos LTDA., Cidade Inteligente Goiana Construções SPE LTDA., Seven Software Sistemas e Serviços LTDA., Sumário Editora, Comércio e Representações de Livros, Lúcio Paredes Cunha Lima e Keydson Samuel Sousa Santiago.

A operação é fruto da ação integrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), Ministério Público da Paraíba, Ministério Público Federal, Polícia Federal e Controladoria-Geral da União (CGU).

Todos os mandados foram expedidos pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Francisco Falcão. A competência da Corte foi firmada em razão da necessidade de investigar eventuais delitos praticados pelo atual governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), e por três conselheiros do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE/PB).

O esquema teria começado em 2011 e envolveria a contratação de organizações sociais (OSs) para gerir recursos públicos. De acordo com a investigação, as OSs direcionavam os gastos de hospitais para determinados fornecedores, que, posteriormente, repassavam parte do valor a agentes públicos. Na mesma operação já houve buscas e apreensões em dezembro de 2019, ocasião em que o STJ determinou o afastamento do cargo de dois conselheiros do TCE/PB.

As investigações contam com mensagens de celular, gravações ambientais e informações obtidas por meio de um acordo de colaboração premiada firmado entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e um empresário que era gestor de fato de duas entidades envolvidas nos ilícitos.

A subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, designada pelo procurador-geral, Augusto Aras, para atuar nos processos criminais perante o STJ, também requereu a imposição de medidas cautelares a um advogado investigado pelo esquema, como a proibição de frequentar as dependências do TCE/PB e a suspensão do exercício da atividade advocatícia perante o órgão e em contratos com entes públicos.

Suetoni Souto Maior

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Governo da Paraíba desmente possibilidade de decreto de lockdown

Governo da Paraíba desmente possibilidade de decreto de lockdown

O Governo da Paraíba emitiu uma nota nesta quarta-feira (25), onde desmentiu um decreto de lockdown com fechamento de comércio…
Nilvan afirma que vai subsidiar passagens de ônibus em João Pessoa

Nilvan afirma que vai subsidiar passagens de ônibus em João Pessoa

O candidato à Prefeitura de João Pessoa pelo PMDB, Nilvan Ferreira reafirmou que na sua gestão não vai ter lockdown. Ele assumiu…
Popularidade de Bolsonaro está em colapso em 23 capitais

Popularidade de Bolsonaro está em colapso em 23 capitais

Pesquisa do Ibope é taxativa: a popularidade de Bolsonaro foi pelo ralo em 23 das 26 capitais brasileiras entre outubro…
Confira os números da pesquisa Consult para prefeito de João Pessoa

Confira os números da pesquisa Consult para prefeito de João Pessoa

Foram divulgados hoje (24), pela Arapuan Fm, os números da Pesquisa Consult para o segundo turno das eleições em João Pessoa. Na consulta,…

Siga-nos Facebook

pmjp2