STJ nega pedido de Coriolano para trabalhar vendendo “batatas” e “gado”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou habeas corpus impetrado pela defesa de Coriolano Coutinho para que ele pudesse cumprir o recolhimento domiciliar noturno também na propriedade rural pertencente a ele, em Bananeiras. O irmão do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) alegou, no medido, que precisava comercializar gado e as batatas plantadas na propriedade.

“Afirmam os Impetrantes que o ora Paciente ‘possui criação de gado no referido sítio, com aproximadamente 60 a 70 cabeças de gado’, além de realizar plantação de batatas. Sustentam que, “apesar de não existir documentação acerca da atividade econômica lá exercida, o Paciente realiza negociações de vendas de gados e das batatas plantadas no imóvel rural, tratando-se, em verdade, de um mero mercado informal de negócios no interior”, disse a defesa no pedido.

Atualmente, Coriolano cumpre medidas cautelares diversas da prisão. Ele foi alvo da sétima fase da operação Calvário, batizada de Juízo Final, ocorrida em dezembro do ano passado. Na ação, ele chegou a ser preso, mas conseguiu habeas corpus concedido pelo STJ. As medidas cautelares diversas da prisão estabelecidas a partir daí incluem o recolhimento domiciliar noturno em João Pessoa, bem como a proibição de não se ausentar da comarca sem autorização.

Coriolano alega, no pedido, que parte da renda auferida por ele é oriunda dos negócios na propriedade rural. A defesa alega, ainda, que ele perdeu o emprego de secretário parlamentar, do deputado federal Gervásio Maia (PSB), em dezembro do ano passado. Alega ainda que a medida não resultaria em prejuízo para a investigação sobre a suposta participação dele em uma organização criminosa que teria desviado R$ 134,2 milhões do governo do Estado.

A ministra, no entanto, considerou que não ficou comprovada a atividade econômica. Além disso, considerou que o “deslocamento do denunciado por distância geográfica considerável, ainda que dentro do mesmo Estado da Federação, podem colocar em xeque a segurança e a eficiência das investigações, na medida em que, caso seja deferido o pleito, permitir-se-á ao Requerente, mesmo sob monitoração eletrônica, voltar a fazer contato com outros denunciados”.

“Destaco, por fim, que o Denunciado não demonstrou prejuízo algum no cumprimento das medidas acautelatórias no município de João Pessoa/PB, notadamente no período noturno, o que reforça a convicção pelo indeferimento do pedido”, disse a magistrada.

Suetoni Souto Maior

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Ministério Público Eleitoral denuncia Bolinha por injúria contra Romero Rodrigues

Ministério Público Eleitoral denuncia Bolinha por injúria contra Romero Rodrigues

A promotora de Justiça Luciara Lima Simeão Mourão, do Ministério Público Eleitoral, ofereceu denúncia contra o candidato a prefeito Artur…
VÍDEO: Campanha de Luciene de Fofinho confirma que vereador de Maturéia é um 'laranja' na secretaria de Saúde

VÍDEO: Campanha de Luciene de Fofinho confirma que vereador de Maturéia é um 'laranja' na secretaria de Saúde

O locutor oficial da campanha de Luciene de Fofinho tem divulgado aos quatro cantos de Bayeux que o secretário de…
Escândalos de Luciene de Fofinho começam a aparecer e prefeita está sendo investigada pelo Ministério Público

Escândalos de Luciene de Fofinho começam a aparecer e prefeita está sendo investigada pelo Ministério Público

Primeiro a contratação de pavilhões por quase meio milhão de reais a uma empresa de um ex-vereador condenado por corrupção.…
ATENÇÃO MP: Candidato a prefeito de Lucena transporta eleitores no pau de arara; confira o vídeo

ATENÇÃO MP: Candidato a prefeito de Lucena transporta eleitores no pau de arara; confira o vídeo

O Ministério Público do Trabalho precisa intervir urgentemente em Lucena para evitar um desastre. A campanha de Alex Monteiro, sobrinho…

Siga-nos Facebook