PODE ISSO, ARNALDO? Mesmo sem mandato, Lindolfo Pires continua usando veículo da Assembleia Legislativa

O ex-deputado estadual Lindolfo Pires está sendo acusado de continuar usando o veículo da Assembleia Legislativa. A denúncia foi feita nesta sexta, 12, no radiofônico Correio Debate. Segundo os radialistas, Lindolfo foi flagrado utilizando o veículo, um Jeep Renegade, na última quinta-feira, 11, em João Pessoa.

Em nota, a Assembléia Legislativa da Paraíba esclareceu que o Setor de Transporte da Casa comunicou a todos os deputados que não lograram êxito nas últimas eleições que devolvessem os veículos que são locados para uso dos parlamentares.

Apenas o ex-deputado estadual Lindolfo Pires não atendeu ao pedido, justificando que estava na iminência de assumir o cargo devido a uma articulação política. Nesse período, todos os custos com abastecimento e manutenção ficaram por conta do ex-deputado, assim como a despesa com a locação do referido veículo, sem deixar prejuízo para o Poder Legislativo.

O Ministério Público precisa cobrar explicações do presidente da Assembleia e do responsável pelo setor, pois é inadmissível que um cidadão que não é mais parlamentar continue usando um bem público porque “está na iminência de assumir o cargo devido a uma articulação política“, como diz a nota. Parece até uma piada, mas não é.

Um privilégio injustificável até mesmo para quem tem mandato, pois os deputados ganham bem até demais e podem pagar o transporte com o dinheiro do próprio bolso.

A nota da ALPB tenta minimizar a ilegalidade, afirmando que Lindolfo Pires tem arcado com os custos de manutenção e locação. Mas se o carro foi locado pela Assembleia para uso dos deputados, porque alguém que não é mais deputado pode continuar usando o veículo?

Será que o ex-deputado não possui carro próprio? Lindolfo não poderia ter locado pessoalmente o seu próprio carro para uso pessoal nas inúmeras locadoras da Paraíba? Ou se trata de uma nova modalidade desconhecida do mercado, onde o poder público aluga veículos e depois repassa para particulares?

A resposta todos nós já sabemos; trata-se do bom e velho – e imoral – privilégio do Estado brasileiro. Mas desta vez com requintes de ilegalidade.

Com a palavra o Ministério Público…

 

 

 

AIME no TRE pode impugnar coligação que elegeu três deputados estaduais

A coligação Força do Trabalho V (Rede/PPS/DEM/PMN) está respondendo a uma AIME (Ação de Impugnação de Mandato Eletivo) por irregularidades nas candidaturas femininas do PPS. O partido teria feito uso de candidaturas laranjas, e o mais grave, de candidatas que sequer sabiam que estavam disputando uma vaga na Assembleia Legislativa.

A AIME já está bem adiantada e pode ser julgada em plenário ainda em 2019. As testemunhas já prestaram depoimentos e os impugnados apresentaram a defesa no TRE. Em contato com o blog, um candidato confirmou a AIME e disse já ter apresentado sua defesa.

Se a coligação Força do Trabalho V for impugnada, os deputados Bosco Carneiro (PPS), Doutor Érico (PPS) e Chió (REDE) perderão os mandatos e as três vagas serão redistribuídas com outras coligações.

Em outros estados já existem jurisprudências pela impugnação de chapas com os mesmos vícios.

A AIME – Ação de Impugnação de Mandato Eletivo é uma ação eleitoral prevista na corpo da Constituição Federal, especificamente no art. 14, § 10, e tem como objetivo atacar diretamente o mandato obtido por um candidato eleito, em face da ocorrência de abuso de poder econômico, corrupção ou fraude, podendo ser intentado até quinze dias após a obtenção do diploma.

VÍDEO: Jane do Sopão confessa que não está preparada para representar Santa Rita na Assembleia Legislativa

Como se não bastasse o mandato inútil do deputado estadual Zé Paulo, que em 4 anos não teve a mínima capacidade para representar Santa Rita na Assembleia Legislativa e só fez esquentar a cadeira, agora surge Jane Panta, que se autodeclara incapaz para representar a cidade.

“Eu me preparei para ser médica, eu não me preparei para ser política”, disse Jane Panta, mais conhecida em Santa Rita como Jane do Sopão, por distribuir sopas para os pobres às vésperas da eleição.

Jane do Sopão não precisava confessar seu despreparo, pois toda a cidade de Santa Rita sabe que ela não tem capacidade nem para ser vereadora. Dizem que a cada entrevista às rádios Jane perde mil votos.

Jane é o retrato da velha política; não sabe discursar, não tem ideias, projetos, nem ideologia. Mas é esposa do prefeito e tem dinheiro para gastar. Além da máquina pública para ser usada em benefício pessoal.

Jane do Sopão já está sendo chamada de Zé Paulo de saias.

Mas ninguém sabe quem pior…