O prefeito ex-presidiário não é o único responsável pelos caos em Bayeux; vereador Jefferson Kita também tem culpa

A população de Bayeux precisa entender os motivos da crise política que a cidade vive. Todos sabem que Berg Lima foi preso em flagrante ao cobrar propina de um fornecedor da prefeitura. A justiça cumpriu com seu papel, o Gaeco também. Faltava apenas a cassação na Câmara Municipal para a população de Bayeux se livrar da maior fraude política da história.

Mas o vereador Jeferson Kita, PSB, presidente da Comissão, decidiu pela inocência de Berg e arquivamento do processo. E ainda articulou com mais 9 vereadores a absolvição de Berg na votação do relatório que o inocentava de um crime incontestável que virou manchete nacional.

Depois de Berg Lima, o vereador Jeferson Kita é o principal responsável pelo caos que tomou conta de Bayeux. É cumplice de todo o sofrimento que a população e o funcionalismo vêm passando desde a prisão do prefeito-presidiário.

Mas em 2020 a população dará o troco…

Com medo da população, prefeito ex-presidiário de Bayeux não despacha mais na prefeitura

O prefeito de Bayeux, Berg Lima, preso em flagrante, em 2017, ao receber propina de um fornecedor, não tem despachado na prefeitura da cidade. Berg está fugindo da população, que tem cobrado soluções para o caos gerado pelo prefeito que prometeu uma revolução administrativa e moral na eleição de 2016.

Berg também está fugindo dos servidores, que estão há três meses sem receber salário. Muitos, inclusive, passando fome e pedindo ajuda para sobreviver.

Mas o caos de Bayeux não é culpa exclusiva de Berg Lima. Os vereadores que em duas oportunidades rejeitaram a cassação do presidiário são cúmplices e a população precisa “dar o troco” nas eleições de 2020.

R$ 20 MIL POR MÊS: Leo Micena articula ação popular para suspender o salário de Berg Lima

Finalmente alguém da classe política de Bayeux se mobiliza para por fim a uma imoralidade. Sem dar um prego numa barra de sabão e depois de ter roubado a cidade de Bayeux, Berg Lima continua recebendo um dos maiores salários de prefeito da Paraíba; R$ 20 mil.

É um verdadeiro tapa na cara do povo trabalhador de Bayeux, que rala diariamente para ganhar um salário mínimo e ainda tem que bancar a vida boa de um prefeito preso em flagrante por corrupção.

Enquanto na cidade falta de tudo, inclusive merenda, o ilustre vagabundo se esforça para continuar recebendo seu salário de R$ 20 mil até dezembro de 2020, pois Berg tem certeza que para a prefeitura ele não volta nunca mais. E como o “projeto” do garoto da fala mansa sempre foi o dinheiro, Berg Lima fez acordos para não ser cassado e continuar lesando o bolso do contribuinte.

Se a Justiça não agir contra essa imoralidade, Berg dará um prejuízo de R$ 1 milhão aos cofres de Bayeux, até dezembro de 2020.

Precisamos elogiar a atitude de Leo Micena, que diferente da maioria da classe política de Bayeux, não fica só jogando conversa fora nos grupos de WhatsApp, e está mobilizando a sociedade para se manifestar contra a imoralidade que representa o salário de Berg Lima.

“Quantas ruas poderiam ser calçadas, quantos medicamentos poderiam estar à disposição do povo e a merenda para as crianças nas creches. Ou seja, Bayeux já perdeu quase R$ 200 mil com essa imoralidade. Chegou a hora de reagir”, afirma Leo Micena.

Na próxima quinta-feira (24), a partir das 9h, em frente à Câmara de Vereadores, será realizado um ato público para coleta de assinaturas para uma ação popular que vai pedir o bloqueio do salário de R$ 20 mil que Berg recebe todo mês sem trabalhar.

Preso em flagrante por corrupção há quase um ano, Berg Lima continua recebendo salário de R$ 20 mil

Enquanto a maioria do trabalhador honesto de Bayeux tem que fazer milagre pra sobreviver com um salário de R$ 954,00, um político preso em flagrante por corrupção ganha R$ 20 mil todo mês sem dar um prego numa barra de sabão. E assim deve continuar até dezembro de 2020, já que 10 vereadores da cidade votaram contra a cassação de Berg Lima e arquivaram o processo.

Diferente de gestores que são afastados por suspeitas de corrupção, Berg Lima foi afastado do cargo porque foi preso em flagrante e vários vídeos comprovam o crime cometido. Ou seja, não há dúvidas sobre a ilicitude.

O mais curioso é que a classe política de Bayeux compactua com tal imoralidade e até o presente momento ninguém provocou a Justiça para que o salário de Berg Lima seja suspenso.

Enquanto Bayeux continua um caos e falta de tudo para a população mais carente, um corrupto dará um prejuízo aos cofres da cidade de quase R$ 1 milhão até 2020. E tudo isso com a ajuda dos nobres vereadores:

Berg Lima volta a administrar Bayeux, mas indiretamente

Preso em flagrante por corrupção, o prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, volta a dar as cartas na prefeitura; mas indiretamente, através do prefeito interino Noquinha, que votou e organizou a tropa de choque contra a cassação de Berg na vergonhosa sessão de fim de ano da Câmara Municipal.

Réu no Tribunal de Justiça pelo crime de estelionato, Berg Lima foi convidado de forma especial pelo próprio Noquinha para comparecer à sessão de posse na Câmara. Com um sorriso de orelha a orelha, Berg não escondia sua felicidade.

Fontes informaram ao POLÍTIKA que ele deverá nomear 5 secretários e centenas de cargos comissionados. É coisa demais para um leproso político que sequer pode andar nas ruas de Bayeux porque é chamado de ladrão pelo povo.

Por que os vereadores de Bayeux temem tanto Berg Lima?

É bom a Justiça ficar de olho. O menino “traquino” está de volta ao comando…

Familiares e amigos visitam Berg Lima na prisão

Preso em flagrante desde a última quarta-feira (5), ao extorquir um empresário em Bayeux, o prefeito afastado Berg Lima, tem direito a visitas apenas aos domingos. Com contatos apenas com os advogados, Berg recebe, hoje, a visita de familiares e amigos. Ele divide a cela com um preso da operação gabarito, no 5° Batalhão de Polícia Militar, no Valentina de Figueiredo.

Os advogados do prefeito afastado tentam, na justiça, o relaxamento da prisão. Segundo pessoas ligadas ao juristas, por gozar de foro privilegiado, houve falha no flagrante. Apostarão nas brechas do processo não só para soltá-lo, mas também para reconduzi-lo à prefeitura. Berg foi filmado recebendo R$ 3,5 mil como parte do acordo para liberar pagamentos dívidas da prefeitura.

Blog do Anderson Soares

Ficha Suja, ex-vereador que tinha filhos no Bolsa Família sai em defesa de Berg Lima: “Tem muita gente humilhando o outro por nada”

O problema ético e moral de Bayeux é mais grave do que se imaginava. Mesmo após o flagrante de extorsão que chocou o país, muitos políticos tem usado Deus e a Bíblia para defender o indefensável. É o caso do ex-presidente da Câmara de Bayeux, Mizael Martinho do Carmo, mais conhecido como Fofinho, que tem espalhado a seguinte mensagem: “Quem nunca errou que atire a primeira pedra”.

Bem, de erros Fofinho entende…

Ficha Suja por ter contas reprovadas pelo TCE, Fofinho ficou famoso na Paraíba ao descobrirem que seus filhos recebiam o Bolsa-Família, mesmo ele sendo vereador e presidente da Câmara, recebendo um altíssimo salário. Não pôde ser candidato em 2016 e elegeu sua esposa, Luciene (de Fofinho).

E Fofinho parece que fez escola. Depois dele, mais dois vereadores dessa atual legislatura já foram denunciador por benefícios do Bolsa-Familia.

Fofinho é um dos que tem defendido o batedor de carteira Berg Lima com postagens na rede social. Uma fonte me informou que Fofinho andava mais fofinho do que nunca, pois tinha quase 50 cargos na gestão de Berg Lima.

Tá explicado!

 

 

Berg Lima teria recebido R$ 300 mil para apoiar deputado federal, em 2014

A denúncia foi feita em 2014, e correu as redes sociais como rastilho de pólvora, mas o povo de Bayeux não acreditou muito. O então candidato a deputado estadual, Berg Lima, teria recebido R$ 300 mil para votar no deputado federal Damião Feliciano, confira:

O candidato a deputado estadual Berg Lima (PTN), de Bayeux, está envolvido em suposta negociação com o deputado federal Damião Feliciano (PDT) para apoiar candidatura a reeleição. Hoje, a denúncia foi divulgada através das redes sociais do candidato, que aproveitou o espaço utilizado para comentários e se defendeu.

De acordo com denúncia (foto abaixo), Berg teria recebido R$ 300 mil para garantir apoio a Damião Feliciano, na cidade de Bayeux.

Através do Facebook, o candidato Berg Lima se defendeu e disse que não existe “dinheiro”: “Tenho um apoio com compromissos para Bayeux, na política infelizmente temos que fazer alianças de postura. Acho que você foi mal informado, não existe dinheiro, há estrutura de campanha”, publicou Berg Lima.

Polêmica Paraíba

Até o presente momento, apenas um auxiliar de Berg Lima entregou o cargo ao novo prefeito

Tem muita gente em Bayeux sem querer largar o osso na prefeitura. Até o presente momento, o único a comunicar a entrega do cargo foi Luis Carlos, cunhado de Berg Lima e até então chefe de gabinete. A informação foi repassada ao Polítika por gente próxima a Luiz Antônio.

Uma atitude digna que deveria ser copiada pelos demais, para que o novo prefeito tenha liberdade e sinta-se mais confortável para montar sua equipe de secretários.

Paulo Neto e o desafio de implantar uma comunicação menos ufanista e focada nas ações

Significado de ufanismo: Comportamento de quem se orgulha exageradamente de algo. Este era o grande erro da comunicação da gestão do ex-prefeito Berg Lima, endeusado por quem nada entende de comunicação pública.

Achavam que estavam ajudando, mas não imaginavam eles que aos poucos alimentavam a rejeição à imagem de Berg Lima e aumentavam a desaprovação do governo. Se deixaram intoxicar pela vaidade do então prefeito e fizeram da comunicação pública um festival de horrores.

A Coordenação de Comunicação estava mais preocupada em postar fotos de Berg Lima visitando uma área alagada do que expor as ações do prefeito para resolver aquele problema pós chuva.

E era assim em tudo. Berg em primeiro lugar, depois a informação. E não se preocupavam com a análise semiótica de determinadas fotos e postagens.

Vestiram o batedor de carteira de gari e botaram ele para fingir que pintava um viaduto. Tudo para aparecer. Nas redes sociais era um festival de selfies e conversa fiada, e a população não recebia uma notícia de nada efetivo para Bayeux, só efemeridades e muita selfie.

O desafio do novo coordenador, Paulo Neto, é acabar com esse ufanismo burro, exibicionismo barato patrocinado por gente que nunca leu um livro de comunicação pública. O novo coordenador tem o dever de focar nas obras e expor menos o prefeito, pois ele não foi eleito para ser modelo, é apenas um gestor. O modelo está atrás das grades e Bayeux não quer nada parecido com aquilo.

Se preocuparam tanto em postar fotos de Berg Lima fazendo nada, que esqueceram de criar até uma marca para a gestão, que usa apenas um brasão, com desenho ultrapassado, diga-se de passagem.

Nem um slogan decente tiveram a competência de criar. Atitude e Compromisso é nome de chapa de grêmio estudantil.

Boa sorte a Paulo Neto.

Ele já sabe o que não fazer…