VILA SANHAUÁ: O Passeio histórico de Luciano Cartaxo sobre seus adversários

A Rua Cardoso Vieira, no bairro do Varadouro, muda de nome em um trecho de mais ou menos 150 metros, de onde se vê ao lado direito um conjunto de casarões antigos erguidos na década de 1920. Dali, até a Praça XV de Novembro, passa a se chamar Rua João Suassuna, em homenagem ao ex-presidente da província da Paraíba e pai do nosso grande escritor Ariano.

É ali, onde o passado faz um encontro com o moderno e ganha ares de contemporaneidade, que se avista o Residencial Villa Sanhauá.Um empreendimento habitacional criativo que marca um novo momento no processo de revitalização do Centro Histórico de João Pessoa.

Ao todo são 17 unidades habitacionais com áreas de 39,93 m² (um quarto) e 73,41 m² (dois quartos), além de 6 unidades comerciais que seguem todos os padrões de habitabilidade e acessibilidade exigidos pelos órgãos competentes e as rigorosas exigências técnicas ditadas por IPHAN e IPHAEP, incluindo o plano arqueológico. O que fez com que a intervenção recebesse elogios de diversas instituições especializadas por isto.

O diferencial da obra já podia ser visto desde o lançamento do edital de seleção para ocupação dos imóveis, que fora direcionado para pessoas que desenvolvem atividades culturais, artísticas e empreendedores que atendem a este fim. Trata-se de um programa habitacional pensado com o viés da economia criativa, que se configura numa estratégia ousada de ocupação do espaço urbano do nosso Centro Histórico por pessoas que não apenas passeiem por ele, mas que nele trabalhem e o habitem.

A Vila Sanhauá é parte de uma inteligente ação da gestão do prefeito Luciano Cartaxo que tem por objetivointegrar a cidade da orla ao Centro Histórico, de forma planejada e cuidadosa.

Observem…

Vindo do Cabo Branco pela nova Avenida Beira Rio, o passante desfrutará de uma bela paisagem daquela via e chegará ao Parque da Lagoa; de onde, seguindo adiante, chegará à Vila Sanhauá. Podendo aproveitar a viagem para visitar o reformado Hotel Globo, e ainda, verificar as obras da Escola das Artes e da Biblioteca Municipal que funcionarão no Conventinho.

Se vier pela Avenida Epitácio Pessoa e a opção for seguir pelo binário da Praça da Independência em direção à parte alta do nosso Sítio Histórico, o motorista pode se dirigir pela Avenida General Osório em direção ao revitalizado Pavilhão do Chá, de onde se pode seguir a pé até a Praça João Pessoa; passando pela Praça 1817 pode-se tomar um café na Galeria Augusto dos Anjos. De volta ao roteiro é possível chegar adiante até Casa da Pólvora.

Como se pode perceber, o prefeito Luciano Cartaxo aos poucos montou um quebra-cabeça composto por obras que acabou criando um roteiro histórico por onde se pode desfrutar não apenas da beleza desses monumentos, mas também ter certeza do compromisso da sua gestão com essa parte da nossa cidade e da nossa História, há tempos menosprezada por seus antecessores.

O irônico é que a Vila Sanhauá é a concretização daquilo que lá atrás já foi chamado de “Moradouro” pelo então prefeito Ricardo Coutinho, que até o lançou, mas nunca conseguiu tirá-lo do papel ao longo dos seus mandatos à frente da PMJP. Mais irônico ainda, é lembrar que o jingle da vitoriosa campanha do socialistaem 2004 – uma paródia do hino do bloco Muriçocas do Miramar – bradava: “e a cidade velha só com Ricardo vai se revitalizar”. O que só acabou acontecendo com Luciano.

Revitalizar o Centro Histórico é redesenhar a estratégia de desenvolvimento da cidade a partir daquela região e a Vila Sanhauá é mais uma fotografia da energia e do empenho que o prefeito tem empregado nisto, o que é admirável.

Em síntese…

Com a Vila Sanhauá, Luciano ampliou o passeio pelo nosso Centro Histórico e ainda deu um passeio histórico nos seus adversários. Ponto pra ele.

Rômulo Halysson Oliveira