Estela Bezerra, o Gaeco e a batida de pino

Metida a valente, a deputada Estela Bezerra usou a entrevista no Correio Debate para tentar desqualificar o trabalho do GAECO na Paraíba, que investiga o maior esquema de corrupção da história através da Operação Calvário.

Em determinado momento, Estela disse que os políticos estão sendo condenados antes de serem denunciados e que existe um tipo de manipulação dentro de algumas instituições, inclusive no Ministério Público. Foi então quando Nilvan Ferreira questionou mais de uma vez se o GAECO estava errando na Operação Calvário, e por diversas vezes Estela tergiversou e não respondeu, desviando o foco para as esfera nacional e usando a Lava Jato para fugir da pergunta.

Pense numa batida de pino…

 

 

VÍDEO: Nilvan comenta ataques de Estela Bezerra e diz que vai pedir proteção de vida na PF se continuar sendo ameaçado por membros do PSB

O comunicador Nilvan Ferreira comentou na manha desta sexta-feira (17) os ataques sofridos por parte da deputada Estadual Estela Bezerra (PSB), durante entrevista ontem (16), no radiofônico Correio Debate, da 98,3 FM.

Nilvan disse que vai pedir proteção de vida na Polícia Federal se continuar sendo ameaçado por membros do PSB:

Cooptada pelo governo girassol, API emite nota ‘café com leite’ e não cita a deputada Estela Bezerra

Como é que uma parlamentar chama um jornalista de esgoto e não é citada na nota emitida por uma entidade que diz representar a imprensa paraibana? São coisas que só acontecem na província da Paraíba.

É por essas e outras que a API não tem respaldo na categoria e não passa de uma entidade decorativa. Há muito que foi cooptada pelo governo e faz vista grossa aos ataques que a imprensa vem sofrendo.

Leia a nota completa: 

A imprensa livre é uma conquista de toda sociedade brasileira que foi alcançada com muita luta, suor e infelizmente até sangue. A imprensa livre é um dos principais pilares de qual  quer democracia. A imprensa livre sempre cumpre um papel de suma relevância em momentos de acirramento, crise e embates, sendo indispensável para bem informar a população, revelar fatos e denunciar irregularidades, quando for o caso.

Apesar da conquista da imprensa livre no Brasil já perdurar há décadas, de tempos em tempos, os que fazem jornalismo no país, seja na TV, no rádio, no impresso ou na internet, viram alvos de críticas e em alguns casos, ataques, ora coletivo envolvendo toda categoria, ora individual envolvendo um de seus membros.

Na Paraíba, o acirramento político constante, e o histórico acompanhamento dos fatos políticos por parte da imprensa paraibana, tem levado a algumas autoridades constituídas pelo povo a questionarem o trabalho da imprensa, com ilações, acusações, denuncias e até agressões verbais, descabidas e acintosas. Nos últimos dias, pelo menos, três detentores de mandatos, de correntes políticas diversas, fizeram uso deste expediente de querer descredibilizar o trabalho da imprensa.

A Associação Paraibana de Imprensa, compreendendo o papel fundamental desenvolvido pela imprensa do Estado, vem a público em primeiro lugar, repudiar veementemente todo e qualquer tipo de tentativa de intimidação e agressão a profissionais filiados ou não a esta entidade; exigir das autoridades respeito ao trabalho da imprensa, lembrando que eventuais excessos devem ser questionados na esfera judicial, mas nunca na base da tentativa de intimidar o profissional ou a categoria; pedir que o bom senso prevaleça tanto entre os profissionais de imprensa, quanto entre os detentores de mandato, uma vez que este clima de acirramento não faz bem a nenhuma das partes envolvidas, muito menos a sociedade paraibana, que tem o direito de ser bem informada sobre todos os fatos e sobre todos os ângulos da notícia.

Por fim, a API ressalta que, independente de qualquer aspecto, estará onde sempre esteve: na defesa intransigente da imprensa livre, da democracia e do direito a informação.

 

Jornalistas do Sistema Correio se solidarizam com Thiago Morais após agressão de Estela Bezerra

A abominável atitude da desqualificada deputada Estela Bezerra contra o jornalista Thiago Morais merece o repúdio de todos, pois não se trata de um ato isolado, mas um ataque à liberdade de imprensa.

O que Estela fez não é surpresa entre os girassóis, ela aprendeu com o ex-governador Ricardo Coutinho, e mais recentemente com João Azevedo, ambos tentando sempre intimidar a imprensa quando se deparam com jornalistas que não são bajuladores do governo.

Os jornalistas do Sistema Correio, entre eles Nilvan Ferreira, Ecliton Monteiro e Verônica Guerra se solidarizam com Thiago Morais e criticaram a atitude grosseira da deputada.

É preciso lembrar que Estela tem um histórico de barracos, seja dentro ou fora do plenário, como mostra o vídeo:

 

 

“Carão” de Thiago Morais em Estela Bezerra vira meme nas redes sociais

Desqualificada para representar o povo paraibano no parlamento, conviver com o contraditório e respeitar a liberdade de imprensa e expressão, a deputada Estela Bezerra levou um carão do jornalista Thiago Morais e acabou virando meme nas redes:

O desequilíbrio emocional da deputada Estela tem causa e se chama GAECO

Aparentando estar bastante desequilibrada nos últimos meses, principalmente após as prisões da ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, e de Maria Laura, assessora de Gilberto Carneiro, a deputada Estela Bezerra não consegue disfarçar seu medo com a Operação Calvário.

Já escrevi sobre isso aqui, na oportunidade em que Estela e Cida Ramos inventaram duas CPI’s sem sentido apenas para sepultar a CPI da Cruz Vermelha.

A típica manobra de quem deve e teme. Mas a força-tarefa da Operação Calvário está trabalhando. A delação é grande, as provas são fartas e cada um terá o que merece.

Sugiro à parlamentar mais respeito com os profissionais da imprensa que não se venderam a ORCRIM girassol.

E uma boa dose de Clonazepam. Ou uma alternativa natural. Inclusive sou a favor da legalização.

ÁUDIO: Fugindo de perguntas sobre a Operação Calvário, deputada Estela Bezerra agride jornalista

CPI DA CRUZ VERMELHA: Notícia de 2018 mostra Cida Ramos elogiando acessibilidade da ALPB, o que comprova manobra de Galdino para abafar escândalo de corrupção

É de se lamentar que o PSB e o presidente da Assembleia Legislativa usem a deficiência física da professora Cida Ramos – pessoa que admiro muito, desde os tempos da UFPB – como pretexto para suspender os trabalhados da Assembleia Legislativa por 15 dias. Recesso este que deverá ser imprensado com o Carnaval. Ou seja, debate sobre a CPI da Cruz Vermelha e a Operação Calvário só em março!

Em dezembro do ano passado, a própria parlamentar rasgou elogios à reforma realizada pelo ex-presidente Gervásio Maia:

Matéria veiculado em 27 dezembro de 2018 no portal Paraíba On Line:

A professora Cida Ramos, deputada diplomada para o primeiro mandato e primeira mulher deficiente a assumir um cargo na Assembleia Legislativa, elogiou a iniciativa do presidente da Casa, Gervásio Maia (PSB), que promoveu acessibilidade ao deficiente físico, auditivo e visual com as reformas no prédio do Poder Legislativo, que ficou agora totalmente adaptado às necessidades desse segmento da população paraibana.

(…)

Para a deputada, foram bastante relevantes as adaptações o que significa que a o Legislativo está democratizando o acesso, cumprindo um direito elementar das pessoas com deficiência puderam opinar e viver a vida pública da cidade e do Estado.

O que mudou de dezembro pra cá? Certamente é o medo da CPI da Cruz Vermelha e o constrangimento de Adriano Galdino em ter que barrar mais um inquérito contra o esquema do governo.

E mesmo que a reforma fosse necessária, precisaria de 15 dias para fazer ajustes na acessibilidade ao plenário da ALPB? Até o próprio Gervásio Maia ficou indignado com a manobra que desqualifica sua gestão:

“Chama um marceneiro, corta lá 20 centímetros da altura do púlpito, da tribuna, e o assunto está resolvido”, ironizou.

De acordo com o deputado, antes não tinha elevador para cadeirante, não tinha sinalização em braile, não tinha botão de pânico nos banheiros, não tinha nada. “Fizemos tudo. Não precisava dessa zoada toda que está se fazendo. O quesito acessibilidade foi tratado com muito respeito, até por que eu conheço a legislação e procurei fazer com que o projeto arquitetônico verificasse isso” disse Gervásio.

 

Pré-candidata à deputada estadual, Naymara Carneiro pode surpreender em Bayeux

A pré-candidatura da jovem Naymara Carneiro pode ser a surpresa eleitoral de 2018, em Bayeux. Numa cidade onde os “marmanjos” estão quase todos envolvidos em escândalos de corrupção e trabalhando contra a cidade, talvez a saída esteja na sensibilidade da mulher.

É fato que as mulheres cometem menos ilícitos e na política são mais honestas que os homens. Mas o diferencial de Naymara está na ética e vem de berço, pois ela é filha de Mazinho Carneiro – dono da JM Diesel – e uma das poucas reservas morais de Bayeux.

A credibilidade da família Carneiro serve de referencial para a candidatura de Naymara à Assembleia, ainda mais quando Bayeux se vê atolada em num lamaçal de imoralidade.

Filiada ao PPS, Naymara é suplente de vereador e graduada em serviço social pela UFPB. Há alguns anos desempenha ações sociais nas comunidades carentes de Bayeux.

Euda Fabiana se filia ao Patriota e será candidata a deputada estadual

Euda Fabiana, ex-prefeita de Cuité e esposa do ex-deputado estadual Bado Venâncio, confirmou que vai disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. Euda trocou o PMDB pelo Patriota e agora figura entre os favoritos da coligação que deve contar com mais 5 partidos de médio porte.

Euda caminha para ser a mais votada em sua cidade, Cuité, onde por oito anos construiu uma gestão com mais de 80% de aprovação popular e com relevantes serviços na área da saúde. E o fraco desempenho da gestão do prefeito Charles Camaraense pode potencializar a votação de Euda.

A ex-prefeita quer ser a representante do Curimataú na Assembleia Legislativa e para isso conta com o forte sentimento de renovação do atual momento político. Além de vários prefeitos e lideranças da região, Euda conta ainda com o apoio do vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior.