VÍDEO: Advogado afirma que o “crime de Bruno Ernesto foi tramado no Palácio da Redenção ou na Granja Santana”

O advogado Aluízio Régis Filho, constituído pelos pais de Bruno Ernesto, afirmou, esta segunda (dia 11), no programa Intrometidos, que o assassinato do jovem, em 7 de fevereiro de 2012, foi tramado dentro do Palácio da Redenção ou da Granja Santana. Aluízio disse ter fundamentado sua afirmação, com base em informações do Inquérito 1200, que tinha tramitando no Superior Tribunal de Justiça.

“A família acredita e eu também que esse foi um crime armado, planejado e urdido dentro do Palácio da Redenção ou dentro da Granja Santana. Eu não tenho a menor dúvida disso. Eu só não quero ser injusto que foi o governador Ricardo Coutinho, mas que foram pessoas de dentro da granja, e que pode ter sido ele, a família não tem a menor dúvida”, afirmou o advogado.

Informações extraoficiais de Brasília indicam que o inquérito deve descer, em breve, à Justiça da Paraíba, uma vez que um dos indiciados, o ex-governador Ricardo Coutinho, perdeu o foro privilegiado.

As declarações podem ser conferidas no vídeo em https://goo.gl/wMciMz (a partir do momento 23:30)

Hélder Moura

Supremo repara injustiça e nega ação de censura contra Pâmela por postar sobre Jampa Digital e execução de Bruno Ernesto

O governador Ricardo Coutinho sofreu novo revés nas ações movidas contra a ex-primeira-dama Pâmela Bório. O ministro Roberto Barroso (Supremo Tribunal Federal) acaba de fulminar uma decisão do juiz da 7ª Vara Cível de João Pessoa, que havia proibido Pâmela de postar sobre o escândalo do Jampa Digital. O governador foi ainda condenado a pagar os honorários da causa, estimados em R$ 2 mil.

Em julho de 2016, o juiz José Célio de Lacerda Sá (titular da 7ª Vara) acatou pedido do governador Ricardo Coutinho e proibiu a ex-primeira-dama de postar nas redes sociais informações sobre o Jampa Digital, bem como sua eventual relação com o assassinato do jovem Bruno Ernesto, ex-coordenador de Informática da Prefeitura de João Pessoa.

O governador alegou em sua ação, que Pâmela vinha tentando, de forma dissimulada, estabelecer um vínculo entre o escândalo do Jampa Digital e o assassinato de Bruno Ernesto, e que isso objetivava macular a sua imagem. E ex-primeira-dama, então, Pâmela decidiu recorreu ao Supremo, com pedido de liminar, contra decisão do magistrado.

Mas, em poucos meses depois, em outubro de 2016, o ministro Roberto Barroso deferiu a liminar impetrada pela ex-primeira-dama, determinando a suspensão temporária dos efeitos da decisão do juízo da 7ª Vara Civil. Agora, Barroso cassou, definitivamente, a decisão do juiz e ainda arbitrou multa contra o governador pela litigância.

Atuaram na defesa de Pâmela os advogados George e Michele Ramalho.

Despacho – Em sua decisão, o ministro pontuou: “… Por todo o exposto, com fundamento no art. 161, parágrafo único, do RI/STF, julgo procedente o pedido, para cassar a decisão reclamada. Condeno a parte beneficiária do ato reclamado ao pagamento de honorários advocatícios, arbitrados em R$ 2.000,00 (dois mil reais), na forma do art. 85, § 8º, do CPC/2015. Publique-se. Comunique-se.”

Hélder Moura