VÍDEO: Ricardo Coutinho diz que o G10 faz chantagem e culpa João Azevedo

O ex-governador Ricardo Coutinho demonstra que ainda não se conformou com a derrota do deputado Hervázio Bezerra para o segundo biênio da presidência da Assembleia Legislativa. Na ocasião, um grupo de parlamentares não seguiu as ordens de RC e juntamente com a oposição elegeram Adriano Galdino como presidente nos dois biênios da Casa.

Ali nascia o G9, que depois virou G10; um grupo paragovernista que se declara governo, mas de forma independente e crítica, sem seguir à risca aos ordens do ex-governador e do PSB.

Durante evento na Câmara de Cajazeiras, neste final de semana, RC soltou o verbo contra o G10:

“Eu tenho um certo faro para esse negócio e fico vendo em algumas declarações uma espécie de chantagem… Muito disso dependo do governo, o governo tem que dizer se aceita ou não… e ao dizer que não aceita tem que agir deixando claro que não aceita”.

Que pena que o ‘faro’ do ex-governador não funcionou para detectar a corrupção que tomava conta do seu governo através das organizações sociais que ele trouxe do Rio de Janeiro.

Né não?

Deputado Cabo Gilberto pede com urgência justificativa ao comandante Geral da PM sobre inconsistência no Curso de Formação de Oficiais

Desde a última sexta-feira, dia 10, foi entregue ao Comando Geral da Polícia Militar, ofício do gabinete do deputado estadual Cabo PM Gilberto Silva (PSL), pedindo, com urgência cópia dos exames toxicológicos, e justificativa do grande número de eliminação de concorrentes no Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar da Paraíba.

O Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar da Paraíba, classificou 78 concorrentes para 30 vagas. Em uma das fases do certame algo inusitado aconteceu, quando 74% dos alunos foram reprovados no exame toxicológico, o que gerou suspeita e apreensão tanto dos estudantes, quanto de seus familiares.

O deputado estadual Cabo PM Gilberto Silva, ao tomar conhecimento do fato, considerou urgente explicação do Comando Geral da Polícia Militar e a suspensão das novas etapas do Curso, para que prejudicados na eliminação, não tenham seu direito violado tendo em vista que inconsistências podem prejudicar candidatos de forma injusta.

“Nossa preocupação de imediato é que ninguém seja prejudicado, e todos possam concorrer em pé de igualdade, e uma inconsistência na elaboração do edital não seja injusto com uns e beneficie outros candidatos”, comentou o parlamentar.

OPERAÇÃO CALVÁRIO: Propina da Cruz Vermelha pode ter financiado imóveis de luxo em Miami, Espanha e Portugal

A investigação da Operação Calvário deixou as divisas da Paraíba e agora transcende fronteiras. O trabalho e a responsabilidade dos que estão a frente dessa missão aumentam a cada dia.

Após acesso aos endereços de imóveis em João Pessoa, Cabedelo, Litoral Sul e Sousa, os investigadores agora estão com a informação de endereços em Miami, nos Estados Unidos, na Espanha e em Portugal.

As revelações são estarrecedoras e impactam até os mais experientes profissionais na área de investigação de crimes de corrupção, fraudes e desvios de recursos públicos.

Como a investigação Calvário chegou aos endereços de luxo na América do Norte e na Europa?  Vizinhos contaram.

Marcelo José

DELAÇÃO DA ORCRIM GIRASSOL: Livânia Farias repassou R$ 8 milhões em propina para o chefe da quadrilha, revela fonte

De acordo com a minha fonte especializada em Operação Calvário – que até agora não errou uma – a ex-secretária de Administração dos governos do PSB, Livânia Farias, afirmou na delação do fim do mundo ter repassado R$ 8 milhões em espécie para o chefe da ORCRIM girassol.

O dinheiro foi desviado da Saúde através da organização social Cruz Vermelha e os repasses eram mensais.

A fonte não revelou o nome do girassol em questão, mas adiantou o apelido: Cara Amassada.

Segundo a informação, Cara Amassada teria comprado imóveis de luxo com a propina da Cruz Vermelha, inclusive no exterior, mais precisamente em Portugal.

Também fiquei curioso para saber quem é Cara Amassada…

Secretário Tião Lucena é flagrado usando veículo do Estado para buscar neta na creche

O Polítika recebeu imagens denunciando o uso de veículo locado pelo Estado para fins pessoais. O agente em questão é o secretário executivo da Comunicação, Tião Lucena, que foi flagrado usando veículo e motorista do governo para buscar sua neta na creche.

Conforme informações obtidas pelo blog, o carro hoje não pertence mais à Localiza, empresa responsável pela locação, mas na data do flagrante, 08 de agosto de 2016, o veículo era de uso exclusivo da SECOM.

O veículo foi vendido, mas a Localiza Rent a Car ainda aparece como proprietária anterior.

A conduta de Tião Lucena é tipificada na LEI Nº 8.429, configurando ato de improbidade administrativa:

Art. 9o- Constitui ato de improbidade administrativa importando enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou atividade nas entidades mencionadas no artigo. 1o desta Lei, e notadamente:

IV – utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no artigo. 1o desta Lei, bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou terceiros contratados por essas entidades.

Nas redes sociais, Tião debochou das imagens denunciando o fato. E como procurador de carreira, ele sequer pode alegar desconhecimento da lei.

 

Os girassóis já gostam de confundir o público com o privado…

Atualizado em 19.03.19, às 13h

Em contato com o blog, Tião Lucena confirmou que fez uso de veículo do estado para fins pessoais, mas que no ano de 2016 ele não era da Secom, estava na PGE.

“E busquei minha neta na creche porque a creche ficava no percurso do meu trabalho pra casa. Ou será que deveria ir pra casa pegar o carro e voltar pra pegar a criança, somente pra lhe agradar? Adianto que fiz isso com pleno  conhecimento e consentimento do  procurador geral do estado. Mas esse assunto a gente vai discutir mais adiante, quando você for chamado ao tribunal para explicar a exposição desautorizada da criança”, disse o secretário.

 

Metido a republicano, Ricardo Coutinho emprega quase toda a família em órgãos públicos

A família do ex-governador Ricardo Coutinho vive no pleno emprego, claro. O político mais falastrão da Paraíba gosta muito de usar o termo “republicano”. É quase um mantra nos discursos de RC, mas só no discurso. Porque na prática a coisa é bem diferente.

Segundo o historiador José Murilo de Carvalho, ser republicano é “saber que o Estado não é uma extensão da família, um clube de amigos, um grupo de companheiros. É repudir práticas patrimonialistas, clientelistas, familistas, paternalistas, nepotistas, corporativistas”.

Agora aprende, Ricardo. Porque pendurar toda a família em órgãos públicos é o inverso do republicanismo.

Nas suas rede sociais, o deputado estadual Walber Virgulino criticou a prática “familista” de Ricardo Coutinho:

“Um irmão vai para o gabinete do deputado Gervásio Maia, em Brasília, vai dar expediente ? Uma irmã nomeada para a Fundação Casa de José Américo de Almeida. Um filho e um sobrinho no Sebrae/PB. Outro sobrinho, por afinidade (casado com uma sobrinha, na PBPrev), sobrinho mantendo relações com o Estado, cunhada atuando como superintendente de Organização Social contratada pelo Estado, isso é o que sabemos. É o que podemos chamar da Grande Família”.

E ainda tem mais.

Uma irmã de Ricardo é diretora na Assembleia Legislativa e outra trabalha atualmente na prefeitura do Conde, com passagens pelas prefeituras de Bayeux e João Pessoa.

É uma família que tem apego à coisa pública…

Né não?

Coordenador do Gaeco ratifica que Operação Calvário envolve agentes públicos do governo do PSB

Apesar do governo do PSB tentar sair do foco da Operação Calvário e a corrupção na Cruz Vermelha, afirmando que a roubalheira só envolve as organizações sociais, o coordenador do GAECO, Octávio Paulo Neto, confirmou a participação de agentes públicos do governo.

O que é bastante óbvio, já que um assessor da secretária Livânia Farias encontra-se preso por ser o operador da propina.

Em breve a casa de políticos metidos a republicanos vai cair…

 

 

AZEDOU PARA JOÃO: Veneziano se filiou ao PSB para ser o plano B de Ricardo Coutinho

Uma fonte ligada ao governo informou ao Polítika que a filiação de Veneziano ao PSB tem um propósito maior que a disputa ao Senado. Cristão novo no jardim dos girassóis, Veneziano é o plano B de Ricardo Coutinho para o iminente fracasso da pré-candidatura de Azevedo.

A informação encontra verossimilhança no fato de Veneziano não ter se filiado ao Podemos, partido que ele controla e viabilizaria a sua candidatura ao Senado, do mesmo jeito, e sem ficar refém de Ricardo Coutinho.

Por que então torna-se dependente de um político que já traiu Deus e o mundo e uma banda da lua?

Filiado ao PSB e usando o 40, Veneziano agrega mais elementos para se apresentar como a continuidade do atual governo.

Azedou pra João Azevedo…

E caso Veneziano seja mesmo o candidato, Ricardo vai ter que explicar ao povo paraibano como o seu juízo de valor sobre o então adversário mudou da água para o vinho:

 

Semelhanças entre João Azevedo e Dilma prejudicam candidato do PSB

Dilma e João Azevedo foram sacados do bolso por dois políticos populares. Ambos se apresentaram como técnicos e nunca tinham disputado uma eleição nem pra vereador. Não têm carisma e são ruins de trato com a classe política.

Dilma fez besteira na refinaria de Pasadena. E segundo a Controladoria Geral da União, João Azevedo também fez besteiras na construção do viaduto do Geisel.

Pela lógica do eleitor médio – diante do atual cenário da política nacional e das semelhanças – João Azevedo é uma tragédia anunciada e deve ser evitado.

Talvez por isso o candidato do PSB continua com um fraco desempenho. O eleitor paraibano quer um político com identidade própria. E rejeita um poste.

Prudente, Luciano joga “GO” enquanto os outros jogam xadrez – por Rômulo Oliveira

A grande maioria de nós foi aconselhada na adolescência a aprender jogar xadrez. Seja na escola ou em casa, o ensinamento era o de que ao dominar o jogo, se dominaria também a arte da estratégia que serviria para a vida, negócios e política. Poucos de nós, entretanto, ouviu falar sobre um milenar jogo de tabuleiro oriental chamado “Go”.

O Go é um jogo de cerco e território, de regras muitos simples e acessíveis a todas as idades. Começa com o tabuleiro retangular vazio, habitualmente com 19×19 intercepções. É jogado com pedras pretas e brancas. Cada jogador coloca alternadamente uma pedra numa intercepção, tentando cercar território do outro. As pedras permanecem no tabuleiro, na mesma posição onde foram colocadas, a não ser que venham a ser, por sua vez, cercadas e capturadas. Vence quem conseguir dominar uma maior área do tabuleiro.

A sua origem permanece incerta e é rodeada por vários mitos. Entre eles, há um que afirma que o general Sun-Tsu jogava Go enquanto escrevia a “Arte da Guerra”, dada a natureza filosófica e estratégica do jogo. Na China antiga, das quatro grandes artes – Go, Poesia, Guquin (um instrumento de corda) e a caligrafia – o Go, apesar da sua aparente simplicidade, era considerada a mais difícil de apreender, compreender e dominar.

Ao avaliar as últimas mexidas do prefeito Luciano Cartaxo no tabuleiro da oposição, destacadamente após seu declínio na postulação ao cargo de governador, não é difícil admitir que o alcaide tenha preferido o jogo de Go ao convencional xadrez.

Explico.

O interesse em entrar na disputa estadual – tragado pela vaidade da oposição – foi seu primeiro movimento; na sequência disto veio à desistência, o segundo movimento. Até aqui era xadrez que se jogava. Com o jogo zerado, a partir de então, Luciano percebeu que era hora jogar outro jogo, e não hesitou: saiu do PSD, se filiando ao PV e desde então monitora a repercussão do lançamento da pré-candidatura do seu irmão, Lucélio, ao governo por setores do seu grupo. Atingindo a oposição de dentro pra fora por todos os flancos possíveis.

Trocando em miúdos, cada vez que Luciano mexe em uma pedra do seu jogo ele cerca o território da oposição (principalmente do PSDB) empurrando quaisquer pretensões – que não as dele – contra o canto do tabuleiro.

O novo plano tático do prefeito da Capital é uma resposta legítima ao comportamento dos seus “aliados” em relação a sua postulação inicial. A desistência de Romero, por exemplo, reforça a tese defendida por alguns de que Cartaxo teve sua candidatura fritada. Nesse sentido, o dito Plano “P”, na verdade, não seria uma saída de última hora, mas a estratégia inicial do clã Cunha Lima, em que pese os esforços do senador Cássio para não aparecer publicamente à frente dessa manobra – pelo menos até agora.

Para o grupo do senador, a candidatura do deputado Pedro atenderia a dois objetivos práticos: isolaria o grupo Ribeiro, não abrindo o espaço na prefeitura de Campina Grande para o vice, já que sabem que os aliados de hoje serão adversários em 2020; e o segundo seria tentar renovar a “marca” Cunha Lima, tão desgastada nos últimos tempos, acumulando uma cassação em 2009, uma derrota em 2014 e a linha de frente de um golpe em 2016, como é dito por alguns.

Paralelo isso, Luciano, em mais um movimento certeiro, avança nas tratativas para consolidar a candidatura de Lucélio como candidato da oposição. Pois sabe que o PSDB – por uma questão lógica – depende do seu apoio para reeleger sua da maior liderança ao senado. De modo que, ou assume seu candidato ao governo ou verá uma nova força se estabelecer no cenário paraibano em voo solo; restando para si um apoio constrangedor a candidatura de José Maranhão. Isso tudo em se falando de cenários prováveis, já que o pior para os tucanos seria ver Luciano e toda sua estrutura política ao lado de Ricardo Coutinho. Algo que, apesar de improvável, geraria em 2018, um estrago muito maior do que em 2014.

No tabuleiro da oposição, em menos dois meses, Luciano passou de pré-candidato ao governo subordinado para jogador essencial, já que dele depende a sobrevivência política de gente graúda…

Para quem caminha no terreno da política saber cultivar a dependência é uma arte essencial, assim já nos ensinava Baltasar Gracián em “A Arte da Prudência”: (…) A lição mais importante que a experiência ensina é conservar a dependência, e nutri-la sem satisfazê-la, mesmo diante de um rei. Mas não chegue a extremos, calando para que os outros errem ou tornando o mal incurável em proveito próprio”.

Prudente, Luciano controla os seus movimentos jogando num tabuleiro de Go, enquanto os outros perdem o sono jogando num xadrez previsível.