Pâmela Bório diz que ficou com medo de ser envenenada após achar caixas de dinheiro na residência de Ricardo Coutinho

Em nota divulgada nas redes sociais, a ex-primeira da Paraíba, Pâmela Bório, afirma que teve receio de ser envenenada após descobrir o que Ricardo Coutinho era e o que ele fazia. Pâmela se refere às caixas de dinheiro que ela encontrou na Granja Santana enquanto esteve casada com o ex-governador.

“Óbvio que a motivação da minha separação em abril de 2013 e posterior divórcio em 2015 foi justamente a descoberta de quem era e o que fazia e claramente só tive segurança em denunciar na PGR e na PF após sair da Granja, onde passei bom tempo só comendo o que eu via ser feito com receio de ser envenenada.”

O que não é nenhuma novidade, pois Pâmela já reiterou por diversas vezes ter encontrado caixas de dinheiro na residencia oficial do governo. Mas até então Pâmela não tinha revelado o receio em ser assassinada:

VÍDEO: Ex-esposa de Ricardo Coutinho confirma para a Justiça ter encontrado “caixas de dinheiro” em guarda-roupa da Granja Santana

Confira a nota na íntegra:

SOBRE (IN)JUSTIÇA
Por Pâmela Bório – jornalista

Que tipo de gente defende o mal? Que tipo de gente defende a injustiça? Que tipo de gente defende a roubalheira?

Quando proferi discurso em ato do último domingo, dia 07, me permiti ser a voz dos que não têm voz, mortos ou vivos, mas todos injustiçados, roubados, prejudicados por uma quadrilha responsável pelo 2º maior escândalo de corrupção do país, perdendo apenas para o caso do PT e revelada pela Operação Calvário, ainda em andamento… Bilhões de reais foram desviados da saúde – por isso tanta gente com péssimo atendimento médico (quando tem!) e, pior, tantos morrendo nos hospitais públicos!

Mas os culpados não são apenas os ladrões – eles acreditam na impunidade apoiados em cúmplices no judiciário. E tão grave quanto os atos criminosos é também a omissão – hoje, inclusive, o meu pastor destacou sobre este pecado no culto da manhã. Então, contra um judiciário que é cúmplice, omisso ou covarde (leia-se, uma parte do judiciário, e não O judiciário), me levanto e repudio, tendo absoluta certeza de que toda a maioria do povo compartilha da mesma indignação e repulsa. Eu defenestro um judiciário criminoso que envergonha a toda uma categoria profissional, eu combato os que maculam a todos os justos e honestos do judiciário – e também fora dele. Ao passo que eu apoio incondicionalmente todos os grandes profissionais, aos juízes perseguidos como o Moro – saibam que aqui na Paraíba temos muitos como ele. Particularmente vi duas juízas serem colocadas em suspeição apenas por seus ofícios livres de compactuações com o poder executivo, como as admiráveis excelências Tulia Neves e Lucia Ramalho.

Quem ousa apoiar práticas tão nefastas? Somente quem acoberta ou pratica as mesmas péssimas ações. Continuarei combatendo a corrupção onde estiver, dentro ou fora do judiciário, da política, do partido… Por toda a população que é vitimidada, por todos os juristas que, assim como eu, passaram muitos anos de sua vida estudando e se esforçando por uma vida melhor para sua família e para a sociedade, por todos da imprensa que não podem falar a verdade dos fatos, aqui estou.

Para desviar o foco das minhas denúncias do domingo, passaram a me execrar publicamente, me injuriaram de “louca”, de “caloteira” pelo leilão (no ano passado) de um imóvel com irregularidades no financiamento, fabricaram nudes como se, absurdamente, eu tivesse postado tais fotos aqui no Instagram, disseminaram memes como se as causas das denúncias fossem interesses em cargos de quem nem tem capacidade para tal oferta, inventaram mentiras diversas… Questionaram até o porquê de “só depois de romper relações matrimoniais com o ex-governador Ricardo Coutinho, Pâmela Bório descobriu que ele não presta e que é chefe de quadrilha”… Óbvio que a motivação da minha separação em abril de 2013 e posterior divórcio em 2015 foi justamente a descoberta de quem era e o que fazia e claramente só tive segurança em denunciar na PGR e na PF após sair da Granja, onde passei bom tempo só comendo o que eu via ser feito com receio de ser envenenada.

Bom, nesta semana tudo foi feito para que minhas denúncias fossem ofuscadas. Pressionaram até o TJ para emitir nota de repúdio contra mim – o que não aconteceu, obviamente. Ao contrário, a Associação dos Magistrados da Paraíba não deveria ser condescendente com um judiciário que aceita ser subjugado ou que se mantém em conluio com criminosos. Deveria haver gratidão por alguém que se sujeita a todo tipo de retaliação por lutar pelos direitos, pela Lei, por um judiciário mais coerente com sua missão em promover a justiça.”

VÍDEO: Ex-babá do filho de Ricardo Coutinho confirma ter encontrado caixas de dinheiro na Granja Santana

VÍDEO: Ex-esposa de Ricardo Coutinho confirma para a Justiça ter encontrado “caixas de dinheiro” em guarda-roupa da Granja Santana

Durante o programa Intrometidos, exibido em 24 de outubro de 2016, a ex-primeira-dama Pâmela Bório revelou que, certo dia, quando ainda era esposa de Ricardo Coutinho, ao procurar taças de cristal, ela encontrou misteriosas “caixas de dinheiro” num quarto de hóspedes da Granja Santana. “Só sei que  eram muitas caixas, que estavam guardadas lá no guarda-roupa”, afirmou.

“Eu não sabia o que pensar na hora… a justificativa foi que o dinheiro que estava guardando era de diárias de viagens de um carro da campanha”, pontuou Pâmela. Informação similar, inclusive, já havia circulado na Internet, com o depoimento de uma ex-babá da Granja, que fez revelação nos mesmos termos, além de outras de maior gravidade.

Então, durante uma audiência na Justiça, em 20 de novembro de 2018, instada a confirmar a informação em juízo, Pâmela confirmou tudo.

CONFIRA O TRECHO DO INTROMETIDOS COM A REVELAÇÃO DE PÂMELA…

Helder Moura

CRISE? Mordomias de Ricardo Impostinho na Granja Santana custaram R$ 1,3 milhão em apenas um ano

Bancar as mordomias do governador Ricardo Impostinho tem custado caro para o contribuinte paraibano. Mesmo em tempos de crise, o governador não admite a hipótese de deixar de morar na Granja Santana, símbolo maior de um privilégio que só existe no estado da Paraíba.

Metido a republicano, Ricardo Impostinho não passa de um falso socialista que adora as mordomias do Estado. Usa o momento de crise para aumentar impostos, mas não reduz seu exército de comissionados que custa milhões por mês aos cofres.

De acordo com matéria veiculada no Correio da Paraíba, tendo como fonte o Tribunal de Contas do Estado, os gastos da Granja Santana com alimentos e material de limpeza, em apenas 11 meses, totalizaram R$ 1,3 milhão. Isto sem contar os salários das dezenas de policiais, jardineiros, faxineiros, cozinheiros e demais auxiliares que trabalham para garantir a vida boa do rei.

O valor empenhado e pago por meio da Casa Civil nesse período, daria para comprar 4.024 cestas básicas no valor de R$ 335,77, conforme dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) no valor da cesta correspondente ao mês de abril em João Pessoa. Se avaliarmos os dois meses de 2018, no valor R$ 266,5 mil, em apenas um mês, seria possível comprar 397 cestas básicas.

Grande parte dos gastos na Granja Santana é com alimentação, entre mercearia, pães, frangos, carnes e frios. Em apenas um dos empenhos o Governo do Estado desembolsou um total de R$ 45,6 mil para compras de mercearia. Os empenhos disponibilizados pelo Sagres não especificam quais os alimentos comprados.

Em um outro empenho também deste ano, o Governo do Estado pagou a quantia de R$ 38,5 mil de carnes para a Granja. Apesar do valor alto, também não é especificado o período de consumo na residência oficial do governador.

Os gastos excessivos na residência já inspiraram até mesmo um bloco de carnaval em 2014, chamado de ‘Quero Morar na Granja’, formado por servidores públicos estaduais. Os foliões protestavam pelo congelamento dos salários e pela falta de diálogo com o Governo do Estado.

Nos últimos dias, políticos têm pautado os gastos na Granja Santana como tema para ser debatido pela sociedade. O deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) sugeriu que o governador Ricardo Coutinho siga o exemplo do governador do Estado do Maranhão, Flávio Dino, e transforme a residência oficial em um espaço a serviço da população.

O pré-candidato ao Governo do Estado, Lucélio Cartaxo (PV), também sugere que se acabe com as regalias da Granja, a transformando em um espaço: num Parque Jardim e no Museu da Inovação, ambos abertos à população. “Um espaço como esse precisa ser de todos os paraibanos”, disse.

Até mesmo a deputada estadual Estela Bezerra (PSB), que faz parte do partido do governador, afirmou ser favorável à mudança de finalidade da Granja Santana. Em entrevista, ontem, ao programa Correio Debate, da TV Correio, a parlamentar disse: “não acho a ideia ruim da Granja ser parque”.

PEC tenta proibir despesas

Está tramitando na Assembleia Legislativa (ALPB) a PEC 26/2018, de autoria do deputado Tovar Correia Lima que proíbe gastos públicos com despesas pessoais na residência do governador, do vice-governador e de familiares.

A PEC prevê que o governador, vice e familiares tenham à sua disposição e de seus familiares, em primeiro grau, para garantia da segurança, ficando proibida a disposição de servidores para qualquer outra função de caráter pessoal.

“Entendemos que os ocupantes de cargos públicos são, em verdade, servidores públicos que devem custear a sua manutenção pessoal a partir de seus salários, a proposta busca retirar os privilégios hoje existentes e proíbe que seja dispensado ao governante dinheiro público para a residência oficial, vestuário, empregados domésticos e outras despesas congêneres”, explicou Tovar.

Lucélio Cartaxo promete acabar com a mordomia na Granja Santana e transformá-la em Parque Jardim e Museu da Inovação

O pré-candidato a governador pelo PV, Lucélio Cartaxo, utilizou as redes sociais neste sábado (02/06) para lançar duas novas propostas que irão integrar o seu Programa do Governo. Em mensagem de vídeo, Cartaxo se propôs a transformar a Granja Santana, a residência oficial do governador da Paraíba, em um Parque Jardim e no Museu da Inovação, ambos abertos à população. “Um espaço como esse precisa ser de todos os paraibanos”, pontuou.

A área onde hoje funciona a Granja foi convertida na residência oficial ainda durante o período da Ditadura Militar, no final da década de 1960. “De lá para cá, muita coisa mudou. É por isso que nós queremos apresentar duas propostas: a primeira delas é fazer com que toda a área verde seja transformada em um Parque Jardim, com segurança 24h”, explicou. O novo equipamento será implantado com conexão para a Nova Beira Rio, com ciclovias e passeios públicos que ligam a Calçadinha da Orla ao Parque da Lagoa.

De acordo com o pré-candidato, a segunda ação será a implantação do Museu da Inovação, preservando a riqueza do patrimônio histórico da casa oficial, com espaços também dedicados às novas tecnologias. “Vamos apresentar serviços, informação na área de tecnologia, exposições e mostras culturais”, disse, acrescentando, em seguida, que pretende transformar a Granja numa “área onde todos os paraibanos terão acesso”.

Cartaxo afirmou que vai implantar as novas medidas com corte de gastos e equilíbrio de despesas. Os recursos atualmente empregados no custeio da Granja Santana, apenas na manutenção da residência oficial, serão destinados à implantação dos dois novos espaços públicos.

Nova Paraíba – O pré-candidato largou na frente e inovou ao criar um portal onde a população poderá contribuir com ideias e sugestões. No “Nova Paraíba”, será possível sugerir novas propostas ou a melhoria em programas e ações desenvolvidas pelo Governo. Para a Granja Santana, os internautas poderão enviar contribuições através do endereço www.novaparaiba.com/parquejardim.

MAGO FITNESS: Ricardo Coutinho compra esteira de R$ 6,5 mil com dinheiro público para a Granja Santana

Símbolo da mordomia estatal, a Granja Santana é a maior e mais vigiada residência destinada a um governador no Brasil. Um privilégio desproporcional à realidade econômica e social da Paraíba, pois somos um dos estados mais pobres da Federação.

Achando pouco os privilégios que já tem, o governador Ricardo Coutinho comprou recentemente uma esteira ergométrica no valor de R$ 6.500, enquanto no mercado virtual é possível comprar o mesmo equipamento pagamento apenas 10% do valor:

Mas o certo seria o governador comprar a sua esteira com o seu próprio dinheiro, pois ele recebe quase R$ 30 mil reais por mês. Um salário praticamente intocável, porque até o papel higiênico que Ricardo Coutinho usa quem paga é o Estado. Ou melhor, nós quem pagamos com nossos impostos. Impostos estes que o governador não cansa de aumentar ano a ano.

Confira o detalhamento da compra no site do Tribunal de Contas do Estado:

Percebe-se que o socialismo do governador Ricardo Coutinho funciona às avessas. Ele tira dos mais pobres para bancar seu luxo e sustentar um padrão de vida que ele sempre sonhou quando era sindicalista e andava num chevette velho (emprestado) pelas ruas de Jaguaribe.

A Granja Santana já foi palco de muitos escândalos no primeiro governo de Ricardo Coutinho, mas o governador não dá a mínima para a opinião pública. Quem não lembra da compra milionária de toneladas de lagostas e outros frutos do mar? E dos sais de banho e papel higiênico de R$ 50 reais?

Enquanto a metade da população paraibana está com o nome sujo no SPC e se vira nos 30 para sobreviver com um salário mínimo por mês, o governador de um dos estados mais pobres do Brasil gasta milhões ao ano para morar numa luxuosa granja e viver uma vida de rei.

 

VÍDEO: Ex-esposa de Ricardo Coutinho diz que Granja Santana serve para esconder dinheiro e bandido

A Granja Santana foi palco mais uma vez de um atrito envolvendo o governador Ricardo Coutinho, Pâmela Bório e o filho do casal, na última quinta-feira, 22. Indignada por ter seu direito de ver a criança tolhido pelos seguranças da Granja, a ex-primeira-dama resolveu revelar para que serve a luxuosa residência custeada pelos impostos do povo paraibano.

“É aqui nesse ambiente que deveria ser a casa do povo, onde neguinho se acovarda, onde bandido se esconde e dinheiro é escondido”… disse Pâmela.

Será que Pâmela já encontrou malas de dinheiro na Granja?