Ricardo Impostinho aproveitou a greve dos caminhoneiros para aumentar o preço do diesel

Parece pegadinha, mas a verdade é que o Governo da Paraíba aproveitou a greve dos caminhoneiros para aumentar o preço base do diesel para cobrança do ICMS e, com isso, majorou o custo pra cima. “Essa alta dificulta que o desconto de R$ 0,46 chegue aos postos”, foi o que noticiou o portal G1, nesta quarta (dia 6). Justo o Governo Ricardo Coutinho impôs uma das cargas tributárias mais elevadas do País.

Paraiba aumenta preço do diesel

A Paraíba elevou o preço base do combustível de R$ 3,44 para R$ 3,59 (ou seja, em mais 12,87%), conforme levantamento realizado pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária). Diz a reportagem do G1: “Segundo a tabela de referência Confaz, em vigor desde o dia 1º de junho, o preço do diesel foi elevado nos Estados do Acre, Alagoas, Paraíba, Rio de Janeiro, Rondônia e Tocantins.”

Segundo ainda a reportagem, “os Estados do Amapá, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande Norte, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe, além do Distrito Federal, não mudaram os preços de referência do diesel para essa 1ª quinzena de junho, na comparação com a tabela que estava em vigor antes da greve dos caminhoneiros”.

Mais em https://goo.gl/msBSgS

Paraiba aumenta preço do diesel Globo

Helder Moura

SORRIA, VOCÊ ESTÁ SENDO ASSALTADO: No governo de Ricardo Impostinho, tarifa da Cagepa já subiu 132%

A Paraíba tem um dos maiores ICMS do Nordeste e agora já pode se orgulhar de ter uma das tarifas de água e esgoto mais caras do país. Desde que Ricardo Impostinho assumiu o governo, em 2011, o acumulado dos reajustes nas contas de água e esgoto chegam a 132,60%.

O mais curioso é que os reajustes da Cagepa no governo Ricardo sempre foi muito além da inflação, como revela tabela abaixo.

Ao invés de enfrentar a crise econômica com cortes nos gastos do governo, gratificações, redução de comissionados e demais privilégios desnecessários, a exemplo da Granja Santana, Ricardo Impostinho preferiu esfolar ainda mais o bolso do contribuinte paraibano.

Ou seja, se tem alguém enfrentando a crise econômica na Paraíba, esse alguém é o povo, já que o governo não fez sua parte para reduzir gastos, preferiu a alta de impostos.

Ricardo Impostinho não admite reduzir ICMS de 30% na gasolina: “Me poupem”

Cobrando um dos maiores ICMS sobre a gasolina e álcool no Nordeste, o governador Ricardo Coutinho foi curto e grosso ao ser questionado por um repórter sobre a possibilidade de redução do imposto: “Me poupem”.

Antes de pedir para ser poupado, Ricardo deveria poupar o bolso do contribuinte que não aguenta mais pagar um ICMS superior aos estados mais ricos, a exemplo de São Paulo.

O governador ainda disse que está superando a crise econômica. Pura mentira. Ele apenas transferiu a fatura para o bolso do contribuinte. Mas cortar as mordomias do governo e reduzir os cargos comissionados que é bom, nada…

 

Ricardo Impostinho lucra com a indústria da seca e vai cobrar 18% de ICMS dos carros-pipa

A sede tributária do governador Ricardo Impostinho não tem fim. A vítima da vez é justamente quem ajuda a matar a sede do paraibano que mora na região do semiárido; os pipeiros.

De acordo com comunicado emitido pelo Exército, instituição responsável pela Operação Carro-pipa, cada pipeiro deverá pagar 18% de ICMS à Secretaria de Tributos do Estados.

Sem ações efetivas no combate à seca, o governo do estado se escora nas ações do governo federal. Mas além de não ajudar, atrapalha.

O correto seria a isenção de impostos para os carros-pipa, pois não faz sentido o Estado lucrar com a industria da seca. Já nos basta as tiras de couro que Ricardo Impostinho esfola das costas do povo paraibano através da maior carga tributária do Nordeste.

Pagamos o maior ICMS da gasolina e álcool. Até pra morrer ficou mais caro na gestão de Ricardo Impostinho, que aumentou o ITCD de 4% para 8%. Na conta de água foram 6 aumentos desde 2011, totalizando 77,8% de majoração nas contas de água e esgoto.

Só falta agora Ricardo Impostinho tributar o ar que a gente respira…