VÍDEO: Jane do Sopão confessa que não está preparada para representar Santa Rita na Assembleia Legislativa

Como se não bastasse o mandato inútil do deputado estadual Zé Paulo, que em 4 anos não teve a mínima capacidade para representar Santa Rita na Assembleia Legislativa e só fez esquentar a cadeira, agora surge Jane Panta, que se autodeclara incapaz para representar a cidade.

“Eu me preparei para ser médica, eu não me preparei para ser política”, disse Jane Panta, mais conhecida em Santa Rita como Jane do Sopão, por distribuir sopas para os pobres às vésperas da eleição.

Jane do Sopão não precisava confessar seu despreparo, pois toda a cidade de Santa Rita sabe que ela não tem capacidade nem para ser vereadora. Dizem que a cada entrevista às rádios Jane perde mil votos.

Jane é o retrato da velha política; não sabe discursar, não tem ideias, projetos, nem ideologia. Mas é esposa do prefeito e tem dinheiro para gastar. Além da máquina pública para ser usada em benefício pessoal.

Jane do Sopão já está sendo chamada de Zé Paulo de saias.

Mas ninguém sabe quem pior…

JANE DO SOPÃO: Pré-candidata a deputada estadual, primeira-dama de Santa Rita resolve distribuir sopa às vésperas da eleição

Tem político que acredita que eleitor ainda se engana com sopa e tapinha nas costas. A pré-candidata a deputada estadual Jane Panta é um exemplo. Esposa do prefeito de Santa Rita e secretária de Assistência Social, Jane tem resumido a atuação da sua secretaria em distribuir sopas para o povo de Santa Rita.

O assistencialismo barato tem um só objetivo, Jane quer virar deputada e se espelha no fenômeno eleitoral da eleição de 2010, Toinho do Sopão.

A diferença é que Jane é secretária municipal e seu marido é o prefeito da cidade. Então, o povo exige bem mais que alguns pratinhos de sopas. Até porque a gestão Panta já recebeu mais de R$ 200 milhões em 14 meses. Como diria a música dos Titãs, o povo não quer só comida:

A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte

A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida
Como a vida quer

O problema é que os políticos conservadores preferem manter o povo dependente de sopas, cestas básicas e outras migalhas. Dão o peixe mas não ensinam a pescar, porque mais na frente vem a hora de cobrar o “favor” que será retribuído através do voto.

Segundo os dados do Tribunal de Conta do Estado, o Fundo Municipal de Assistência Social de Santa Rita teve uma receita de R$ 3,5 milhões, apenas em 2017. Mas a grande ação social da prefeitura se resume a distribuição de pratos de sopas:

Não conseguiram nem disfarçar o verdadeiro objetivo do “Sopão Solidário”, que só começou a ser distribuído no final de dezembro. Ou seja, passaram um ano inteiro para perceber que as famílias carentes de Santa Rita passam fome e necessitam de um prato de sopa? Ou será apenas a proximidade da eleição?

Como não tem serviço prestado para mostrar e quer ser deputada estadual, Jane achou que o sopão seria a sua redenção à frente da secretaria de ação social.

Porém, com um orçamento anual de quase R$ 200 milhões, o povo de Santa Rita espera algo mais da prefeitura do que alguns pratinhos de sopa…