Em contraponto a PT, Ciro articula movimento de oposição a Bolsonaro

Terceiro colocado na disputa presidencial,  Ciro Gomes articula a formação de um movimento que seja um contraponto à frente de esquerda, mas que também faça oposição ao presidente eleito Jair Bolsonaro no Congresso Nacional.

A ideia é formar uma frente parlamentar com integrantes de partidos como PSB, PSDB, PPS e DEM que não pretendem aderir à base aliada do capitão reformado e que têm resistência ao grupo liderado por siglas como PT e PCdoB.

Pelos cálculos de Ciro, Bolsonaro deve contar com o apoio de cerca de 175 deputados federais da próxima legislatura. O campo oposicionista formado por partidos de esquerda soma em torno de 90. A estratégia é tentar elevar o último número para pelo menos 120.

“O objetivo é ampliar a centro-esquerda. Eu imagino que o PSDB não vai querer se associar ao PT e, pelo menos a parte mais sadia da sigla, não vai querer se associar ao Bolsonaro. E por antipetismo vamos ficar longe deles?”, disse Ciro à Folha.

O pedetista não exclui a participação de petistas no movimento, mas critica a formação de uma frente de esquerda articulada pelo partido. Segundo ele, ela seria uma “mentira da burocracia petista” para enganar “abestados”.

“Francamente, não excluo o PT. Apenas não podemos permitir que o PT venha exercitar a sua fraude em cima desse momento tão crítico do país”, disse.

Para ele, além de fazer oposição ao governo, a ideia é que o movimento de centro-esquerda funcione como uma “guarda da institucionalidade democrática”, protegendo o interesse nacional e e o direitos das classes mais pobres.

“O deputado federal Onyx Lorenzoni [ministro da Casa Civil deBolsonaro] é do DEM. O que vai acontecer com o DEM? Vamos entregar de barato ou temos uma conversa com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia?”, questionou.

A ideia é que, na próxima semana, Ciro visite Brasília para intensificar conversas para a formação do movimento. Os partidos do chamado centrão, como PP e PSD, também devem ser procurados.

Nesta terça-feira (30), o juiz federal Sergio Moro disse estar honrado com um eventual convite de Bolsonaro para integrar a sua administração. Para Ciro, é melhor que Moro seja indicado para o Ministério da Justiça do que ao STF (Supremo Tribunal Federal).

“Acho Moro um juiz político, politiqueiro. Então, é muito melhor que ele fique no Ministério do que no Supremo. Ele deveria assumir logo a política. A aptidão dele para a política é completa. Só que com a toga vira uma aberração”, criticou.

Dinaldinho avalisa Lucélio e diz que candidatura pode unir João Pessoa, Campina Grande e o Sertão

O prefeito de Patos, Dinaldo Wanderley Filho (PSDB), declarou, em entrevista à imprensa na quinta-feira (29), logo após participar de uma reunião da executiva do seu partido, que enxerga Lucélio Cartaxo (PV) como um excelente quadro a encabeçar a chapa majoritária das oposições nas eleições de outubro próximo.

O gestor patoense disse que o PSDB está bem alinhado com o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, que preside o PV no estado, e disse acreditar que Lucélio pode representar bem a Paraíba através de uma parceria com Campina Grande e a região do sertão polarizada pela cidade de Patos. “É um nome novo e que pode ser o nosso candidato”, acentuou.

E arrematou: “eu tenho certeza que a oposição trará um plano de governo que possa solucionar grandes problemas que assolam o sertão, a exemplo da escassez de água, segurança e saúde”.

Patos Online