PESQUISA DATAVOX: Gestão de Berg Lima é reprovada por 77% da população de Bayeux

O prefeito ex-presidiário de Bayeux, preso em flagrante ao extorquir um empresário em julho de 2017, possui a maior rejeição dos últimos 10 anos na cidade. De acordo com os números da pesquisa Datavox, 77,1% dos eleitores desaprovam a administração que ficou marcada por escândalos de corrupção.

Apenas 18,4% dos entrevistados responderam que aprovam a gestão de Berg e 4,5% não souberam opinar:

Berg Lima também bate o record de rejeição quando o entrevistado é questionado a avaliar a gestão de maneira mais detalhada. 41,6% consideram a administração PÉSSIMA e 26,6% RUIM. Na soma de péssimo e ruim, Berg alcança o impressionante percentual de 68,2%:

A Datavox realizou 402 entrevistas no dia 30 de abril. A margem de erro é de 4,9% e o intervalo de confiança é de 95%.

Berg Lima se mantém no cargo de prefeito graças a uma liminar, mas nas próximas semanas pode ser afastando novamente.

EX-PRESIDIÁRIO: Berg Lima pode ser afastado da prefeitura de Bayeux a qualquer momento

A suspensão da liminar que mantém no cargo o prefeito ex-presidiário de Bayeux pode ser julgada a qualquer momento no STJ. O processo está concluso para julgamento desde o dia 28 de fevereiro.

A permanência de um gestor preso em flagrante ao cobrar propina de um fornecedor fere de morte o princípio constitucional da moralidade administrativa.

O ex-presidiário não tem moral nem para ser síndico de condomínio, pois quando desempenhou a função de síndico, antes de se tornar político, também foi acusado de desvios.

Prefeito ex-presidiário de Bayeux ganha marchinha de Carnaval: “Eureka, eureka, descobriram minha propina escondida na cueca…”

O prefeito Berg Lima, que passou quase 6 meses preso, ao ser pego em flagrante recebendo propina de um empresário, acaba de ganhar uma marchinha de Carnaval. Já que a Justiça mantém a raposa cuidando do galinheiro, a população protesta de uma forma lúdica:

Eureka, eureka
Descobriram minha propina
escondida na cueca…

Eureka, eureka
encontraram minha propina
escondida na cueca…

Minha propina tava guardada
foi o Paulino que me deu
de madrugada

Eureka, eureka
pegaram minha propina
enfiada na cueca…

Minha propina tava guardada
Mas o Gaeco descobriu a marmelada

Eureka, eureka
me prenderam com propina
enfiada na cueca

OPERAÇÃO FANTOCHE: Presidente da FIEP, Buega Gadelha é preso em Brasília

O presidente da Federação das Indústrias no Estado da Paraíba (Fiep), Francisco de Assis Benevides Gadelha, o Buega Gadelha, foi preso na manhã desta terça-feira (19), em Brasília, durante operação da Polícia Federal.

Ele é um dos alvos da operação ‘Fantoche’, da Polícia Federal, deflagrada para cumprir mandados contra um esquema suspeito de crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos no Ministério do Turismo e entidades do Sistema S.

Procurada pelo Portal MaisPB, a Fiep informou que ainda não tem um posicionamento em relação à operação, e está aguardando entrar em contato com Buega, que desde o último domingo (17) está em Brasília cumprindo uma agenda de trabalho. O Portal MaisPB também tentou contato com Buega, mas o telefone estava desligado.

Em nota, a Federação informou que o presidente está disposto a colaborar com as investigações e dar respostas às autoridades competentes. Ainda de acordo com a Fiep, Buega afirmou que o Sistema de Indústria da Paraíba está ‘tranquilo e sem qualquer receio’.

Na Paraíba, são cumpridos três mandados de busca e apreensão, todos em Campina Grande, e outro de prisão temporária, esse contra Buega. Ainda não há informações sobre o que teria motivado o pedido de prisão contra o paraibano.

Na operação foi preso o presidente da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Robson Braga de Andrade. Ainda há mandados de prisão contra o presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco, Ricardo Essinger e presidente da Federação das Indústrias de Alagoas, José Carlos Lyra de Andrade.

A operação investiga um esquema de corrupção envolvendo um grupo de empresas controladas pela mesma família que estaria executando contratos por meio de convênios com o Ministério de Turismo e com as entidades do Sistema S.

MaisPB

R$ 20 MIL POR MÊS: Leo Micena articula ação popular para suspender o salário de Berg Lima

Finalmente alguém da classe política de Bayeux se mobiliza para por fim a uma imoralidade. Sem dar um prego numa barra de sabão e depois de ter roubado a cidade de Bayeux, Berg Lima continua recebendo um dos maiores salários de prefeito da Paraíba; R$ 20 mil.

É um verdadeiro tapa na cara do povo trabalhador de Bayeux, que rala diariamente para ganhar um salário mínimo e ainda tem que bancar a vida boa de um prefeito preso em flagrante por corrupção.

Enquanto na cidade falta de tudo, inclusive merenda, o ilustre vagabundo se esforça para continuar recebendo seu salário de R$ 20 mil até dezembro de 2020, pois Berg tem certeza que para a prefeitura ele não volta nunca mais. E como o “projeto” do garoto da fala mansa sempre foi o dinheiro, Berg Lima fez acordos para não ser cassado e continuar lesando o bolso do contribuinte.

Se a Justiça não agir contra essa imoralidade, Berg dará um prejuízo de R$ 1 milhão aos cofres de Bayeux, até dezembro de 2020.

Precisamos elogiar a atitude de Leo Micena, que diferente da maioria da classe política de Bayeux, não fica só jogando conversa fora nos grupos de WhatsApp, e está mobilizando a sociedade para se manifestar contra a imoralidade que representa o salário de Berg Lima.

“Quantas ruas poderiam ser calçadas, quantos medicamentos poderiam estar à disposição do povo e a merenda para as crianças nas creches. Ou seja, Bayeux já perdeu quase R$ 200 mil com essa imoralidade. Chegou a hora de reagir”, afirma Leo Micena.

Na próxima quinta-feira (24), a partir das 9h, em frente à Câmara de Vereadores, será realizado um ato público para coleta de assinaturas para uma ação popular que vai pedir o bloqueio do salário de R$ 20 mil que Berg recebe todo mês sem trabalhar.

Preso em flagrante por corrupção há quase um ano, Berg Lima continua recebendo salário de R$ 20 mil

Enquanto a maioria do trabalhador honesto de Bayeux tem que fazer milagre pra sobreviver com um salário de R$ 954,00, um político preso em flagrante por corrupção ganha R$ 20 mil todo mês sem dar um prego numa barra de sabão. E assim deve continuar até dezembro de 2020, já que 10 vereadores da cidade votaram contra a cassação de Berg Lima e arquivaram o processo.

Diferente de gestores que são afastados por suspeitas de corrupção, Berg Lima foi afastado do cargo porque foi preso em flagrante e vários vídeos comprovam o crime cometido. Ou seja, não há dúvidas sobre a ilicitude.

O mais curioso é que a classe política de Bayeux compactua com tal imoralidade e até o presente momento ninguém provocou a Justiça para que o salário de Berg Lima seja suspenso.

Enquanto Bayeux continua um caos e falta de tudo para a população mais carente, um corrupto dará um prejuízo aos cofres da cidade de quase R$ 1 milhão até 2020. E tudo isso com a ajuda dos nobres vereadores:

Segundo investigações, prefeito de Cabedelo enriqueceu 1.475% e dono do Manaíra Shopping comprou “renúncia” de Luceninha

As investigações da Operação Xeque-Mate concluíram que prefeito, vice-prefeito e vereadores de Cabedelo presos hoje (3) pela Polícia Federal montaram um esquema de desvio de recursos públicos através de funcionários fantasmas, laranjas e doação de terrenos.

O trabalho de apuração foi realizado pela PF e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado), do Ministério Público da Paraíba (MPPB), que identificaram um aumento de patrimônio do prefeito Leto Viana da ordem de 1.475% em apenas oito anos, de 2008 a 2016.

Nesse período, Leto e sua esposa, Jacqueline, teriam comprado pelo menos 13 imóveis no município de Cabedelo. As transações, fechadas em nome de terceiros, somaram mais de R$ 10 milhões, valor que os investigadores e a Justiça consideraram muito acima do poder de compra e da remuneração do casal.

Outro ponto de destaque da investigação aponta indícios de que o empresário Roberto Santiago, dono do Manaíra Shopping, teria financiado a compra do mandato do prefeito Luceninha, eleito em 2012 e que viria a renunciar em novembro de 2013, favorecendo a ascensão de Leto ao cargo de prefeito.

Parte do suposto pagamento a Luceninha teria sido feita com cheques de uma imobiliária chamada Portal, da qual Santiago seria sócio-proprietário. Outra parte, no valor de R$ 500 mil, foi sacado em espécie de contas do empresário e daquela empresa, conforme informações fornecidas à PF e ao Gaeco pelo Coaf – Conselho de Controle de Atividades Financeiras, órgão do Governo Federal.

O que diz Roberto Santiago

Através de Nota à Imprensa divulgada na tarde de hoje (3), Roberto Santiago disse que construiu sua vida “tendo como signo o trabalho honesto” e manifestou-se “profundamente surpreso” com a citação de seu nome entre os investigados da Operação Xeque-Mate.

“Tenho a plena convicção de que não cometi nenhum ato ilícito e não tenho qualquer relação administrativa ou funcional com os Poderes Executivo e Legislativo de Cabedelo. Estou, e como sempre estive, colaborando e à disposição da Justiça e das Instituições”, arremata Santiago.

Rubens Nóbrega

Prefeito e primeira-dama de Cabedelo são presos pela Polícia Federal

A Polícia Federal, em ação conjunta com o MPPB (GAECO), deflagrou na manhã desta terça (3) a operação Xeque-Mate com objetivo de desarticular esquema de corrupção na administração pública de Cabedelo/PB, no âmbito dos poderes executivo e legislativo municipal.

Confira abaixo a lista dos alvos até o momento. Operação está agora também na casa do empresário Roberto Santiago, dono do Manaíra Shopping

Entre os alvos da operação estão os vereadores: Lúcio José; Tercio Dornelas;  Jackeline (mulher do prefeito); Júlio Datele e Antônio do Vale.

Segundo o advogado Marcos Pires, o empresário Roberto Santiago não foi detido na operação, apenas a residência foi alvo de mandado de busca e apreensão.

Participam da operação cerca de 200 policiais federais. Serão cumpridos 11 mandados de prisão preventivas, 15 sequestros de imóveis e 36 de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça da Paraíba. Além dos mandados, a justiça decretou o afastamento cautelar do cargo de 85 servidores públicos, entre eles o prefeito e o vice-prefeito de Cabedelo, e o presidente da Câmara Municipal.

Durante as investigações, ficou comprovado a participação das principais autoridades públicas do município que se beneficiavam do esquema de diversas formas, tendo registrado aumento patrimonial espantoso, muito acima do condizente com sua renda. Somente na aquisição de imóveis nos últimos cinco anos, verificou-se que um agente político envolvido movimentou mais de 10 milhões de reais à margem do sistema financeiro oficial. Operação está agora também na casa do empresário Roberto Santiago.

O advogado do empresário, Marcos Pires, confirmou que Roberto Santiago não foi preso. “Não tenho nada a declarar, só vim prestar minha solidariedade ao amigo Roberto Santiago, empresário respeitado, bem quisto e de boa índole. Vamos nos reunir no shopping e a partir daí, ficar a par do que está acontecendo e o que será feito de nossa parte”, explicou o advogado do empresário.

Em um dos esquemas, foram detectados funcionários fantasmas da prefeitura e da câmara municipal que recebiam salários de até R$20.000 e entregavam a maior parte para as autoridades locais, ficando de fato com valores residuais.

Foram constatadas ainda doações fraudulentas de imóveis do patrimônio público municipal, bem localizados e de alto valor, para empresários locais sem que houvesse critérios objetivos para a escolha do beneficiado.

Os envolvidos responderão por formação de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e fraude licitatória. O prefeito responderá ainda por crime de responsabilidade de prefeito. O MPPB e a PF disponibilizam o endereço eletrônico http://xequemate.mppb.mp.br para denúncias relativas à investigação. _Haverá coletiva de imprensa às 10h30 na Superintendência Regional da Polícia Federal_

Berg Lima volta a administrar Bayeux, mas indiretamente

Preso em flagrante por corrupção, o prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, volta a dar as cartas na prefeitura; mas indiretamente, através do prefeito interino Noquinha, que votou e organizou a tropa de choque contra a cassação de Berg na vergonhosa sessão de fim de ano da Câmara Municipal.

Réu no Tribunal de Justiça pelo crime de estelionato, Berg Lima foi convidado de forma especial pelo próprio Noquinha para comparecer à sessão de posse na Câmara. Com um sorriso de orelha a orelha, Berg não escondia sua felicidade.

Fontes informaram ao POLÍTIKA que ele deverá nomear 5 secretários e centenas de cargos comissionados. É coisa demais para um leproso político que sequer pode andar nas ruas de Bayeux porque é chamado de ladrão pelo povo.

Por que os vereadores de Bayeux temem tanto Berg Lima?

É bom a Justiça ficar de olho. O menino “traquino” está de volta ao comando…