Operação Calvário pode alterar bancada do PSB na Câmara de JP

Primeiro suplente de vereador, Renato Martins, ex-flor do jardim girassol, está otimista em reassumir uma vaga na CMJP. De acordo com a postagem de Renato, a Operação Calvário pode alterar a bancada do PSB, composta hoje por Sandra Marrocos, Leo Bezerra, Tanilson Soares e Tibério Limeira.

Ou seja, Renato acredita que a delação de Livânia Farias pode comprometer os vereadores do PSB, resultando no afastamento ou cassação.

Será que a propina da Cruz Vermelha financiou a campanha de 2016?

Após constranger Cássio ao declarar apoio a Maranhão, Renato Martins pede demissão do gabinete

O ex-vereador de JP e agora ex-assessor do senador Cássio, Renato Martins, “pediu” demissão do gabinete do tucano depois de constrangê-lo publicamente ao declarar apoio à pré-candidatura de José Maranhão.

Segundo informações de bastidores, Renato surpreendeu a todos do gabinete ao declarar apoio a Maranhão, inclusive Cássio.

Em menos de dois anos Renato Martins abandonou o ricardismo, virou cassista e agora Maranhista. Já pode pedir música no Fantástico!

Através de uma nota, Renato “pediu” demissão e agradeceu a oportunidade.

Prezado amigo e senador Cássio Cunha Lima

Compreendendo a dissonância de minha decisão e do grupo ao qual pertenço quanto à pré-candidatura majoritária ao governo do Estado, entendo conveniente pedir o desligamento da minha honrosa assessoria junto ao profícuo mandato do senador Cássio Cunha Lima, ressaltando o engrandecimento pessoal e profissional que tive no acompanhamento de tantos processos legislativos relevante ao Brasil e à Paraíba.

Agradeço a convivência com todos os colegas e reafirmo o voto com convicção certo de ser este um mandato proativo que enobrece a Paraíba e precisa ter continuidade.

Abraço forte no amigo Cássio,
Grato demais.

Renato Martins Leitão

 

Depois de perder as rédeas do PSDB, Cássio perde as rédeas do próprio gabinete

É notório que o senador Cássio Cunha Lima já não exerce a autoridade de outrora sobre os seus liderados. Primeiro deixou Romero Rodrigues brincar de pré-candidato a governador, quando todos sabiam que ele não teria coragem de largar a prefeitura.

Uma tragédia anunciada e que foi alertada pelo blog por diversas vezes. Cássio deixou a coisa correr solta e a pré-candidatura “fake” de Romero só serviu aos interesses de Ricardo Coutinho que se viu aliviado com a desistência do então favorito Luciano Cartaxo.

E agora um fato novo revela que o senador Cássio vem perdendo sua autoridade dentro do próprio gabinete. A declaração de apoio do seu assessor Renato Martins, ex-vereador de JP, à candidatura de José Maranhão não se traduz em votos, mas tem um simbolismo muito grande. Por analogia, é como se um secretário de Luciano Cartaxo declarasse apoio a qualquer outro candidato ao Senado, menos Cássio.

Renato Martins virou assessor de Cássio em 2017, mesmo depois de acusá-lo de traidor por romper com Ricardo Coutinho, em 2014. À época, Renato dizia que as promessas de campanha que Ricardo não conseguiu cumprir eram resultados da herança maldita que recebeu dos governos de Cássio, Maranhão e Ronaldo.

O senador Cássio precisa agir e restabelecer a sua autoridade, principalmente dentro de seu gabinete. Senão vai abrir um precedente perigoso para que auxiliares de Luciano Cartaxo resolvam seguir o exemplo de seu assessor e inversamente não votem no tucano.

E internamente, outros cassistas podem se sentir “liberados” a não votar em Lucélio Cartaxo.