TRANSPARÊNCIA? Governo João Azevedo só enviou informações de janeiro e fevereiro ao TCE

A transparência pública nunca foi o forte dos governos do PSB. Se, por exemplo, um cidadão quiser localizar e saber quanto ganho um funcionário, o portal da ‘transparência’ do Estado ‘joga’ o cidadão para o sistema Sagres, onde você terá que procurar em centenas de links diferentes para concluir uma simples pesquisa que deveria levar segundos. Uma missão quase impossível e que requer muito tempo.

Bem diferente do modelo de ‘transparência’ do Estado, a prefeitura de João Pessoa simplificou a busca e num só link o cidadão consegue pesquisar um funcionário por nome, mês e ano, obtendo a informação que deseja, inclusive valor do salário:

Mas o que mais chama atenção é o atraso (proposital?) das informações do governo do Estado no site do Tribunal de Contas, mais precisamente no sistema Sagres. Como revela a imagem abaixo, o governo só disponibilizou informações de dois meses, mas já estamos entrando em junho:

Mais célere e transparente, a prefeitura de João Pessoa tem dois meses a frente em informações. Vale ressaltar que no portal da transparência próprio da prefeitura de João Pessoa (www.transparencia.joaopessoa.pb.gov.br), as informações são ainda mais atualizadas que no Sagres:

Gervásio Maia comprou R$ 1,2 milhão em medicamentos para a Assembleia Legislativa em apenas dois anos

O blog recebeu uma denúncia bastante curiosa de um funcionário da Assembleia Legislativa sobre compra de medicamentos na gestão do ex-presidente Gervásio Maia – PSB, (girassol!). De acordo com o SAGRES do Tribunal de Contas do Estado, nos anos de 2017 e 2018, a ALPB comprou R$ 1,2 milhão em medicamentos.

Confesso que não tinha conhecimento da necessidade do Poder Legislativo comprar milhões em remédios. Por acaso são distribuídos à população?

Ou uma pandemia tomou conta da ALPB e ninguém soube, ou então Gervásio Maia é hipocondríaco:

Que coisa, né?

Espero que Gervásio tenha curado todas as enfermidades da Assembleia Legislativa.

E que tenha sobrado muito Doril…

 

Berg Lima mantém empresa de coleta de lixo da gestão de Expedito, que o próprio Berg acusou de superfaturamento e pediu CPI

A informação consta no Tribunal de Contas do Estado e comprova mais uma vez que a gestão do prefeito Berg Lima não passa de uma continuidade da gestão Expedito, mas de cara nova.

Quando era oposição, Berg denunciava o superfaturamento no lixo e chegou a protocolar um pedido de CPI na Câmara. Mas ao assumir a gestão manteve a mesma empresa…

O que fez Berg Lima mudar de opinião e aceitar uma empresa de limpeza urbana que antes ele acusava de superfaturamento e pediu uma CPI?

Será que ele foi “convencido” de uma forma pouco republicana?

Ou era tudo encenação para enganar a população de Bayeux? Porque atitude pra mentir não falta, já que ele prometeu congelar o próprio salário e dos secretários em dezembro, mas aumentou em janeiro.

O novo em Bayeux já cheira a mofo…