Ministério Público Federal aciona José Maranhão por acumular salário de R$ 57 mil

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação contra o senador e candidato ao Governo da Paraíba, José Maranhão (MDB). O MPF questiona o acúmulo da pensão de ex-governador com o salário de senador, que juntos somam mais de R$ 57 mil. No documento, de julho deste ano, o procurador que faz a denúncia cobra a devolução de mais de R$ 1 milhão recebidos ilegalmente pelo parlamentar apenas entre os anos de 2015 e 2018.
A ação mostra que o senador já estava informado que o acúmulo era ilegal, por ter sido notificado desde 2011 pelo recebimento da pensão de ex-governador acumulando outros cargos públicos. Na ocasião, Maranhão não foi condenado pelo fato da juíza responsável pelo caso ter alegado que o acúmulo por parte do ex-governador não ocorrera de má fé. No entanto, na ação deste ano, o MPF destaca que José Maranhão, por conta do processo anterior, já sabia da ilegalidade do acúmulo e, portanto, está consciente de que comete uma irregularidade.
Não por acaso, na campanha para o Senado, em 2014, Maranhão foi questionado em um debate se abriria mão da pensão de ex-governador caso fosse eleito. Na ocasião, ele se comprometeu com os eleitores da Paraíba a abrir mão do vencimento caso garantisse a vaga no Senado Federal. A vitória na eleição acabou se concretizando, mas o candidato do MDB continuou a receber a pensão.
Maranhão recebe atualmente R$ 33.763,00 como senador, valor que já representa o teto do funcionalismo público, e mais R$ 23.500,82 pela pensão de ex-governador.
O caso veio a público depois da pergunta formulada pelo candidato ao Governo, Lucélio Cartaxo (PV), durante debate realizado na última sexta-feira (28). Cartaxo questionou o acúmulo considerado ilegal pelo MPF. Na ação, o procurador da República, Marcos Alexandre Queiroga, afirma que Maranhão é “condenado a devolver ao erário federal os valores recebidos indevidamente, acima do teto, desde o momento em que começou a cumular o subsídio de senador com a pensão de ex-governador do Estado da Paraíba”, relatou no documento oficial.
A Ação Civil Pública, de número 7693/2018, afirma que “há uma clara lesão ao erário da União em razão do desrespeito da norma constitucional”. O MPF solicitou ao Senado o informe detalhado da remuneração do parlamentar, requerendo os valores recebidos desde quando o senador tomou passe. O órgão também pediu que o Governo do Estado envie todos valores recebidos com a pensão de ex-governador.

Preso em flagrante por corrupção há quase um ano, Berg Lima continua recebendo salário de R$ 20 mil

Enquanto a maioria do trabalhador honesto de Bayeux tem que fazer milagre pra sobreviver com um salário de R$ 954,00, um político preso em flagrante por corrupção ganha R$ 20 mil todo mês sem dar um prego numa barra de sabão. E assim deve continuar até dezembro de 2020, já que 10 vereadores da cidade votaram contra a cassação de Berg Lima e arquivaram o processo.

Diferente de gestores que são afastados por suspeitas de corrupção, Berg Lima foi afastado do cargo porque foi preso em flagrante e vários vídeos comprovam o crime cometido. Ou seja, não há dúvidas sobre a ilicitude.

O mais curioso é que a classe política de Bayeux compactua com tal imoralidade e até o presente momento ninguém provocou a Justiça para que o salário de Berg Lima seja suspenso.

Enquanto Bayeux continua um caos e falta de tudo para a população mais carente, um corrupto dará um prejuízo aos cofres da cidade de quase R$ 1 milhão até 2020. E tudo isso com a ajuda dos nobres vereadores:

Luciano Cartaxo concede aumento de 10% para servidores da Semob-JP

Dando sequência ao programa de valorização do servidor, que já garantiu aumento salarial para os professores este ano, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, concedeu, nesta sexta-feira (9), um reajuste de 10% para os servidores efetivos da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob-JP). Com a medida, os servidores da autarquia tiveram um aumento real na sua remuneração, bem como o compromisso do prefeito Luciano Cartaxo em fazer uma revisão no Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) do órgão.

O aumento foi concedido após reuniões do sindicato dos agentes de mobilidade e associação dos servidores da Semob-JP com a direção da autarquia e o prefeito Luciano Cartaxo. “Estamos investindo muito em novos caminhos para João Pessoa, com investimentos importantes como a Nova Beira Rio e o programa Ação Asfalto, que já asfaltou ou pavimentou mais de 60 ruas em toda a cidade. Essas ações passam pela valorização dos nossos servidores, sendo os agentes de mobilidade, principais responsáveis pela fiscalização e ordenamento do trânsito da cidade”, disse o prefeito, que foi homenageado pela categoria no fim do ano passado, durante a entrega de novos fardamentos. “O aumento chega em boa hora, reconhecendo o esforço desses profissionais na segurança do trânsito da cidade”, argumentou o superintende da Semob-JP, Adalberto Araújo.

Valorização – O aumento concedido aos servidores da Semob-JP integra o programa de Valorização do Servidor do Município. “Mesmo em um cenário de crise, a Prefeitura de João Pessoa tem feito mais do que o dever de casa, pagando salários em dia. Antecipamos, por cinco anos consecutivos, a primeira parcela do décimo-terceiro salário e premiamos servidores de áreas como saúde e educação”, disse o secretário de administração Roberto Wagner. Em cinco anos, mais de 2.500 profissionais foram convocados por concurso público e novos editais foram abertos com seleções em áreas como a Controladoria Municipal, Instituto da Previdência (IPM) e para as Secretarias de Saúde e Desenvolvimento Urbano.

Berg prometeu congelar o próprio salário, mas aumentou de R$ 16 para R$ 20 mil e já ganha quase igual RC; confira o vídeo da promessa

É impressionante a incapacidade que Berg Lima tem de honrar com a sua própria palavra. Em apenas seis meses de gestão o prefeito de Bayeux conseguiu arruinar a sua imagem de político sério e competente, e agora ganha a fama de mentiroso.

Com cara de sonso, mas esperto, Berg Lima disse que ia congelar o próprio salário e dos secretários. Era tudo mentira e teatro para justificar o arrocho salarial do funcionalismo público que já entrou em greve para que o prefeito cumpra a lei. Vejam bem, nem a lei o prefeito da “atitude” quer cumprir!

O vídeo a seguir comprova uma realidade triste para Bayeux; Berg Lima é uma farsa, cometeu estelionato eleitoral e sua palavra perdeu a credibilidade.

Seu projeto é pessoal e familiar.

Que pena.

[totalpoll id=”107″]