Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas para escapar do afastamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Para conseguir o apoio parlamentar necessário para barrar a denúncia de corrupção apresentada por Rodrigo Janot, Michel Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária; Temer montou ainda uma verdadeira maratona de reuniões: recebeu mais de 160 deputados e senadores; o peemedebista, no entanto, não deve ter muito tempo para comemorar; antes de deixar o cargo, Janot apresentará uma nova acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa

O peemedebista recebeu mais de 160 deputados e senadores, acelerou emendas parlamentares, lançou “pacotes de bondades”, manteve como aliado Rodrigo Maia (DEM-RJ), seu eventual sucessor, e se beneficiou das “ruas vazias”.

Desde 17 de maio, quando veio à tona o conteúdo da delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, Temer recebeu em seu gabinete no Palácio do Planalto 133 deputados federais e 30 senadores. Após a denúncia chegar à Câmara em 29 de junho, Temer iniciou uma verdadeira “blitze política” para receber deputados e convencê-los a votar contra a abertura de investigação no Supremo Tribunal Federal. Em um único dia, recebeu 30 parlamentares.

O peemedebista atendeu a interesses da base, como a liberação de R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária. A pouco mais de um ano das eleições de 2018, a oferta de recursos para obras em municípios tem como objetivo ajudar deputados e senadores a colher dividendos em suas bases eleitorais.

No entanto, uma nova denúncia contra Temer, com a acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa, deve ser apresentada por Janot, que vai deixar o comando do Ministério Público Federal no dia 17 de setembro. Novas delações também podem voltar a conturbar o ambiente político.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Bolsonaro manda recado para Mandetta: "Médico não abandona paciente, mas o paciente troca de médico"

Bolsonaro manda recado para Mandetta: "Médico não abandona paciente, mas o paciente troca de médico"

Um dia depois de se reunir com o ministro Luiz Henrique Mandetta, Jair Bolsonaro voltou a alfinetar o titular da…
Conselho de Contabilidade disponibiliza canal para sanar dúvidas sobre auxílio financeiro do Governo Federal  

Conselho de Contabilidade disponibiliza canal para sanar dúvidas sobre auxílio financeiro do Governo Federal  

O Conselho Regional de Contabilidade da Paraíba (CRCPB) lançou, nesta quinta-feira (9) um canal de atendimento ao público para sanar…
Julian Lemos é relator do projeto de lei que suspende inclusão de devedor no SPC e Serasa durante a pandemia do coronavírus

Julian Lemos é relator do projeto de lei que suspende inclusão de devedor no SPC e Serasa durante a pandemia do coronavírus

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (9) proposta que suspende, por 90 dias, a inclusão de novos…
CNN intercepta diálogo de Onyx e Osmar Terra sobre saída de Henrique Mandetta

CNN intercepta diálogo de Onyx e Osmar Terra sobre saída de Henrique Mandetta

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, e o deputado federal Osmar Terra, conversaram na manhã desta quinta-feira sobre a substituição…

Siga-nos Facebook