Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas para escapar do afastamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Para conseguir o apoio parlamentar necessário para barrar a denúncia de corrupção apresentada por Rodrigo Janot, Michel Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária; Temer montou ainda uma verdadeira maratona de reuniões: recebeu mais de 160 deputados e senadores; o peemedebista, no entanto, não deve ter muito tempo para comemorar; antes de deixar o cargo, Janot apresentará uma nova acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa

O peemedebista recebeu mais de 160 deputados e senadores, acelerou emendas parlamentares, lançou “pacotes de bondades”, manteve como aliado Rodrigo Maia (DEM-RJ), seu eventual sucessor, e se beneficiou das “ruas vazias”.

Desde 17 de maio, quando veio à tona o conteúdo da delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, Temer recebeu em seu gabinete no Palácio do Planalto 133 deputados federais e 30 senadores. Após a denúncia chegar à Câmara em 29 de junho, Temer iniciou uma verdadeira “blitze política” para receber deputados e convencê-los a votar contra a abertura de investigação no Supremo Tribunal Federal. Em um único dia, recebeu 30 parlamentares.

O peemedebista atendeu a interesses da base, como a liberação de R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária. A pouco mais de um ano das eleições de 2018, a oferta de recursos para obras em municípios tem como objetivo ajudar deputados e senadores a colher dividendos em suas bases eleitorais.

No entanto, uma nova denúncia contra Temer, com a acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa, deve ser apresentada por Janot, que vai deixar o comando do Ministério Público Federal no dia 17 de setembro. Novas delações também podem voltar a conturbar o ambiente político.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Mais dois prefeitos do MDB e PL garantem apoio ao governador João Azevedo

Mais dois prefeitos do MDB e PL garantem apoio ao governador João Azevedo

Os prefeitos de Vista Serrana, Sérgio de Levi (MDB), e de Paulista, Valmar Arruda (PL), respectivamente, reafirmaram, nesta quinta-feira (26),…
Cícero Lucena anuncia pagamento da primeira parcela do 13º salário para servidores municipais de João Pessoa

Cícero Lucena anuncia pagamento da primeira parcela do 13º salário para servidores municipais de João Pessoa

O prefeito Cícero Lucena anunciou o pagamento da primeira parcela do 13º salário para os servidores municipais de João Pessoa.…
Pesquisa qualitativa revela que Ricardo Coutinho puxa Veneziano pra baixo e aumenta rejeição

Pesquisa qualitativa revela que Ricardo Coutinho puxa Veneziano pra baixo e aumenta rejeição

Quando Veneziano é associado ao ex-governador Ricardo Coutinho, que foi preso na Operação Calvário e gravado negociando propina, o eleitor…
Ao lado de Murilo Galdino, prefeito de Catolé do Rocha reafirma apoio a Efraim para o Senado

Ao lado de Murilo Galdino, prefeito de Catolé do Rocha reafirma apoio a Efraim para o Senado

Com o projeto #PéNaEstrada, na manhã desta quinta-feira (26), o deputado federal e pré-candidato ao Senado, Efraim Filho (União Brasil),…

Siga-nos Facebook