pmjp 1

Vereadora que tinha filhos recebendo bolsa-família enquanto marido era presidente da Câmara agora quer ser prefeita de Bayeux

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Bayeux é uma cidade sem sorte. O prefeito é um ladrão que foi preso em flagrante e contou com a benevolência dos vereadores que por três vezes livraram o corrupto Berg Lima da cassação. Agora, eis que surge a vereadora Luciene de Fofinho como pré-candidata a prefeita.

Luciene é esposa do ex-presidente da Câmara Municipal, o Fofinho, que de tão queimado desistiu de disputar a eleição e botou a mulher em seu lugar. Mesmo recebendo um salário de R$ 7 mil, em 2009, Fofinho queria ficar ainda mais fofinho e não cancelou o bolsa família dos filhos:

A esposa do parlamentar, Luciene Andrade, a Fofinha, ganhava o valor de duas bolsas-famílias referentes aos dois filhos do casal: Victor Daniel Gomes Martinho (de sete anos) e Vitória Danielly Gomes Martinho (de cinco anos).

Mesmo com o salário do marido político, portanto, ela recebia o dinheiro destinado pelo Governo Lula às famílias pobres do país.

Fofinho chegou a ser afastado da Câmara e uma CPI investigou o recebimento indevido do Bolsa-família, mas como tudo no legislativo de Bayeux acaba em pizza, Fofinho escapou.

Em 2011, Fofinho e mais 9 vereadores foram denunciados pelo Ministério Público, acusados de montarem um esquema de desvio de recursos públicos através da contratação de assessorias:

À época, os vereadores de oposição e da situação foram acusados de contratar assessores fantasmas e ainda de se apropriar criminalmente dos salários dos funcionários. Há casos em que os próprios vereadores ficavam de posse dos cartões e senhas das contas dos assessores fantasmas, onde mensalmente retiravam e usufruíam totalmente e indevidamente dos seus salários, a exemplo do ex-presidente da Casa, o Fofinho.

O esquema funciona da seguinte maneira. A maioria dos assessores eram contratados com um salário de R$ 1.200,00, mas ficavam apenas com 200 reais, sendo obrigados a repassar R$ 1 mil ao vereador que o contratou. As despesas com salários dos gabinetes dos vereadores chegavam a quase R$ 80 mil por mês.

Pesquisa no site do Tribunal de Justiça confirma que Fofinho e os demais vereadores figuram como réus no inquérito policial na 5a Vara de Bayeux:

Em 2017, a vereadora Luciene de Fofinho foi motivo de piada nacional ao propor voto de aplausos para um grupo de WhatsApp:

Após a prisão de Berg Lima, Fofinho, como um bom amigo, saiu em defesa do ex-presidiário nas redes sociais:

Bayeux não tem sorte. É um político pior do que o outro.

Comentar com Facebook

Comentários

Últimas notícias

Opinião

Mais lidas

Notícias relacionadas

"Atenção Gaeco, suposto roubo do computador de Ricardo Coutinho cheira a destruição de provas", alerta Virgolino

"Atenção Gaeco, suposto roubo do computador de Ricardo Coutinho cheira a destruição de provas", alerta Virgolino

Em contato com o blog, o deputado estadual Walber Virgolino fez um alerta sobre o estranho e suspeito roubo do…
A pedido de Ricardo Coutinho, direção nacional do PSB intervém na Paraíba

A pedido de Ricardo Coutinho, direção nacional do PSB intervém na Paraíba

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, acaba de anunciar, em contato com o Portal MaisPB, a decisão de nomear uma comissão…
Segundo Ricardo Coutinho, encapuzados invadiram seu escritório e roubaram um computador

Segundo Ricardo Coutinho, encapuzados invadiram seu escritório e roubaram um computador

O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), presidente da Fundação João Mangabeira, está cobrando investigação para apurar o arrombamento de…