Prefeito de Bayeux extorquia pessoalmente e pedia 30% aos fornecedores

Era grande a fome do prefeito de Bayeux, Berg Lima. Enquanto na operação Lava-Jato os executivos e políticos são presos por cobrarem propina de 1 a 3%, o prefeito de Bayeux estava cobrando 30%!.

Segundo o delegado de Defraudações de João Pessoa, Lucas Sá, Berg cobrava 30% pessoalmente, sem intermediários.

Certamente ele tinha medo de ser roubado.

“O prefeito teria liberado R$ 15 mil com tanto que ele desse R$ 5 mil ao gestor. O comerciante ficou preocupado se isso seria toda vez, o que inviabilizaria seu negócio, e nos procurou”, disse o delegado, referindo-se aos valores que a Prefeitura deve ao empresário cerca de R$ 77 mil de R$ 100 mil empenhados na gestão anterior. Segundo o empresário, o prefeito já teria recebido R$ 8 mil.

O delegado informou que a audiência de custódia do gestor ocorre neste momento, o que pode provocar o afastamento de Berg da Prefeitura. Ele ainda deve responder por corrupção  passiva, extorsão e crimes referentes a administração pública. Ele informou que não há indícios de outros participantes no esquema.

Toda a ação foi filmada com equipamento do Gaeco. “Verificamos que a denúncia tinha procedência e o próprio prefeito ia ao local. Não era um indicado do prefeito. Ele estava pessoalmente indo receber esses valores a título de propina mesmo. Existem informações de que isso é uma prática comum Bayeux, mas só podemos afirmar se houver denúncia”, adverte Lucas Sá.

A defesa do prefeito Berg Lima disse que vai aguardar maiores informações da investigação para então se pronunciar.

Comentar com Facebook

Comentários