DENÚNCIA: Fonte revela que sobrinho de Livânia Farias é funcionário da organização social InSaúde

Em contato com o Polítika, por e-mail, uma fonte que preferiu não se identificar, afirma que o sobrinho de Livânia Farias, Lucas Vinicios, seria funcionário da organização social InSaúde, que administra hospitais e escolas na Paraíba.

Livânia foi delatada pelo seu ex-braço direito, Leandro Nunes, que a acusa ter comprado uma casa da cidade de Sousa, no Sertão da Paraíba, no valor de R$ 400 mil com dinheiro desviado da organização social Cruz Vermelha, que administra o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa.

Sendo verdade a denúncia envolvendo o sobrinho, teremos certeza que os girassóis terceirizaram a saúde e a educação para, além da propina, arrumar empregos para parentes e aliados, confundindo assim o público com o privado:

A ex-chefe de gabinete da deputada Estela Bezerra é presidente da Cruz Vermelha paraibana.

A cunhada do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), Shirley Jucá Menezes, casada com o irmão de Ricardo, Coriolano Coutinho, é a superintendente da Organização Social contratada pelo Governo do Estado para atuar na área da Educação.

E o advogado pessoal de Ricardo Coutinho atua na defesa de outra organização social, a ABBC.

O Gaeco precisa investigar essa relação “estreita” de parentes e aliados de políticos do PSB com as OS.

 

Miliciano acusado de matar Marielle é apoiador de Bolsonaro; outro acusado mora no mesmo condomínio do presidente

O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, que dirigia o automóvel usado para o assassinato de Marielle Franco em 14 de março de 2018, ostenta em seu perfil no Facebook uma foto ao lado de Jair Bolsonaro. Na foto, o rosto de Bolsonaro está cortado. Os dois aparecem sorrindo. Ela foi postada depois do assassinato, em 4 de agosto último. Quanto ao policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, apontado como o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson, mora no mesmo condomínio de Bolsonaro -e lá foi preso às 4h desta terça.

Veja a seguir o post no perfil de Élcio no Facebook. Até as 9h10 da manhã desta terça o perfil continuava ativo e a foto, pública:

Ambos os assassinos vivem no universo de extrema violência das milicias do Rio de Janeiro. Segundo reportagem do jornal O Globo, “temido pelos próprios colegas, mesmo depois de aposentar a farda, e exímio atirador, principalmente no manejo de fuzis, Lessa foi vítima de uma tocaia em 28 de abril, um mês depois da morte de Marielle. Há a suspeita de que alguém tentou matá-lo como queima de arquivo. O sargento é o principal alvo da primeira operação conjunta da Delegacia de Homicídios (DH) da Capital e do Gaeco para prender os envolvidos na morte da vereadora. As circunstâncias do crime ainda não foram apuradas, assim como ainda não se sabe quem foi o mandante da execução.”

A ligação do clã Bolsonaro com universo das milícias é pública. Além da foto e da vizinhança, apareceu ainda outro laço entre os Bolsonaro, Lessa e Élcio Queiroz.

Raimunda Veras Magalhães, mãe do ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega, neste momento foragido da Operação “Os Intocáveis” e suspeito de envolvimento com o assassinato da ex-vereadora do Rio Marielle Franco (Psol), foi funcionária do gabinete do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) e aparece em relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras como uma das remetentes de depósitos para Fabrício Queiroz, ex-assessor do parlamentar. O filho dela, o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega, homenageado na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) por Flávio Bolsonaro, já foi preso duas vezes, suspeito de ligações com a máfia de caça-níqueis.

Segundo o Coaf, Raimunda depositou R$ 4,6 mil na conta de Fabrício Queiroz. Ela aparece na folha da Assembleia Legislativa do Rio com salário líquido de R$ 5.124,62.

O curioso é que o filho presidente Jair Bolsonaro também homenageou o filho dela, Adriano Magalhães da Nóbrega, que está foragido. Em 2003, o então deputado estadual propôs moção de louvor e congratulações a Adriano por prestar “serviços à sociedade com absoluta presteza e excepcional comportamento nas suas atividades”.

Adriano foi preso duas vezes, suspeito de ligações com a máfia de caça-níqueis. Em 2011 ele foi capturado na Operação Tempestade no Deserto, que mirou o jogo do bicho.

Ele também era tido pelo Ministério Público do Rio como o homem-forte do Escritório do Crime, uma organização suspeita do assassinato de Marielle Franco e que nasceu da exploração imobiliária ilegal nas mãos de milicianos. Era formada pistoleiros da cidade e foi alvo da Operação Os Intocáveis, nesta terça-feira (22), no Rio. Suspeitos de matarem a ex-parlamentar e homenageados por Flávio Bolsonaro foram presos (veja aqui).

O policial é acusado há mais de uma década por envolvimento em homicídios. Adriano e outro integrante da quadrilha foram homenageados por Flávio na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

 

EX-PRESIDIÁRIO: Berg Lima pode ser afastado da prefeitura de Bayeux a qualquer momento

A suspensão da liminar que mantém no cargo o prefeito ex-presidiário de Bayeux pode ser julgada a qualquer momento no STJ. O processo está concluso para julgamento desde o dia 28 de fevereiro.

A permanência de um gestor preso em flagrante ao cobrar propina de um fornecedor fere de morte o princípio constitucional da moralidade administrativa.

O ex-presidiário não tem moral nem para ser síndico de condomínio, pois quando desempenhou a função de síndico, antes de se tornar político, também foi acusado de desvios.

PRESIDENTE FAKE: De cada 10 falas de Bolsonaro, 6 são mentirosas

Em meio à promoção do linchamento da jornalista Constança Rezende nas redes sociais a partir de uma fake news divulgada pelo presidente Jair Bolsonaro, um levantamento divulgado pela agência de checagem Aos Fatos mostra o grau de disseminação de informações falsas por parte do presidente.

Segundo o levantamento, em 68 dias à frente da Presidência da República, Bolsonaro deu 82 declarações falsas ou distorcidas. A base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente.

Leia o levantamento na íntegra.