RICARDISMO DECADENTE: Porta-voz extraoficial de Ricardo Coutinho apela para fake news para atacar João Azevedo

O ricardismo está tão decadente que agora apela para fake news para atacar o governo de João Azevedo. Em seu blog, o porta-voz extraoficial de Ricardo Coutinho, Flávio Lúcio – aquele mesmo que acha que a Operação Calvário é uma perseguição política – divulgou uma matéria falsa sobre perda de recursos federais para a segurança pública. O problema é que a transferência de recursos é obrigatória:

Precisamos lembrar que esta dita ‘esquerda’, que de esquerda não tem nada, foi quem inaugurou as fake news na política. Em 2014, com medo de Marina Silva ganhar a eleição, o PT distorceu tudo que ela falava e chegou ao absurdo de dizer que com Marina iria faltar comida na mesa do brasileiro, dentre outros absurdos. Puro Terrorismo.

Em relação ao ricardismo decadente, não podemos esperar nada de bom. O ex-presidiário já mostrou do que é capaz, e se deixar, rouba até pano de ferida.

OPERAÇÃO CALVÁRIO: MP denuncia Ricardo Coutinho e esposa pela utilização do LIFESA para lavagem de dinheiro

O Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) apresentou nova denúncia ao Poder Judiciário, no âmbito da Operação Calvário, contra o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) e outros agentes. A denúncia está relacionada a suposta utilização do Laboratório Industrial Farmacêutico da Paraíba (Lifesa), do Estado, por organização criminosa para lavagem de dinheiro.

Também são alvos da denúncia o irmão do ex-governador, Coriolano Coutinho; o ex-procurador-Geral do Estado, Giberto Carneiro; o empresário delator e ex-líder da Cruz Vermelha Brasileira, Daniel Gomes; o ex-secretário de Estado da Saúde e do Planejamento e Gestão, Waldson de Souza; e a ex-secretária de Estado das Finanças, Amanda Araújo, atual companheira de Ricardo Coutinho.

“O grupo liderado por Ricardo Coutinho foi pródigo na criação de mecanismos e condutas que pudessem render aos seus componentes a apropriação de verbas públicas, praticando fraudes das mais diversos matizes, sobretudo por meio da utilização de organizações sociais e a adoção massiva de métodos fraudulentos de contratação de fornecedores, seja por inexigibilidade de licitação, seja por processos licitatórios viciados, sem olvidar da aquisição superfaturada de produtos e serviços e da lavagem de dinheiro; tudo inserido no seio de um silêncio obsequioso dos órgãos de persecução e controle estaduais. Os episódios criminosos em específico estão sendo postos em investigações e denúncias autônomas, como a presente que versa sobre a utilização perniciosa do Lifesa”, diz trecho da denúncia.

Ainda de acordo com a denúncia, as investigações apontam que “isso efetivamente ocorreu através da “aquisição de toda a participação privada do LIFESA pela organização criminosa (através de empresa interposta e dominada pela quadrilha), ao mesmo tempo em que a gestão da empresa pública viabilizou uma enorme estruturação material (nova sede e indústria, novos e caros maquinários e insumos etc), possibilitando que, através de procedimentos fraudulentos de dispensa de licitação, a ORCRIM firmasse contratos com a administração de entidades públicas prestadoras de serviços de saúde”.

CARA DE PAU E OPORTUNISTA: Preso sob acusação de desviar mais de R$ 130 milhões da Saúde, ex-presidiário Ricardo Coutinho faz live criticando medidas do Estado e prefeitura sobre coronavírus