Investigado por contratar fantasmas em seu gabinete, Carluxo avalia desistir da reeleição e morar no Texas; será que ele vai levar o Índio?

O vereador Carlos Bolsonaro, investigado pela suspeita de contratação de supostos funcionários fantasmas em seu gabinete na Câmara do Rio, além de ser apontado como um dos líderes do chamado “gabinete do ódio”, esquema de fake news voltado para atacar adversários políticos e opositores do governo Jair Bolsonaro, avalia desistir de se candidatar à reeleição, além de deixar o Brasil e se mudar para o Texas, nos Estados Unidos, onde tem amigos. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

No último dia 01 de julho ele perdeu o direito ao foro especial. Segundo reportagem do blog da jornalista Bela Megale, o Ministério Público do Rio de Janeiro reconheceu o declínio de competência e atribuição de 21 ações penais, além de investigações envolvendo vereadores do Rio que tramitem na primeira instância.

Nesta quinta-feira (9), Carlos usou as redes sociais para publicar uma série de mensagens enigmáticas nas quais afirmativa estar realizando “um novo movimento pessoal” e que “aos poucos vou me retirando do que sempre defendi”. Postagem aconteceu 24 horas após o Facebook banir 73 contas e perfis, ligadas a Jair Bolsonaro e seus filhos, que divulgavam fake news. Segundo o Facebook, o assessor especial da Presidência e ex-assessor de Carlos, o paraibano Tercio Arnaud Tomaz, seria um dos responsáveis pela movimentação das contas na plataforma.

“O revés envolvendo Tercio foi o estopim para Carlos anunciar o seu afastamento. A interlocutores, ele tem afirmado que está decidido a não concorrer à reeleição para vereador no Rio. E, ao mesmo tempo, estuda a possibilidade de morar no Texas, nos EUA, onde tem amigos. Carlos também não descarta a possibilidade de viver em Brasília para ficar mais perto do pai, embora as recentes divergências sobre os rumos do governo o obriguem a se afastar do Planalto”, ressalta a reportagem assinada pelas jornalistas Jussara Soares e Camila Turtelli.

Patrimônio oficial de Ricardo Coutinho supera 6 milhões de reais e cresceu 650% enquanto governador

STJ mandou Queiroz para casa, mas negou prisão domiciliar a jovem que furtou xampu

O STJ (Superior Tribunal de Justiça), que concedeu a Fabrício Queiroz e sua mulher o benefício da prisão domiciliar, por causa da pandemia do coronavírus, negou recentemente o mesmo benefício para um jovem, preso sob acusação de furtar dois xampus, de R$ 10 cada.

A decisão contrária ao jovem foi do ministro Felix Fischer, do STJ. Na decisão, ele afirmou que o jovem que roubara dois xampus ele oferece “risco à sociedade”. O Tribunal considerou que Queiroz não oferece risco à sociedade, apesar de ser o operador do esquema de sustentação financeira do clã Bolsonaro, ser ligado às milícias do Rio e ter ameaçado testemunhas no caso da “rachadinha”.

No despacho em que negou o pedido dos advogados do jovem, Fischer citou sentença de outro ministro do STJ, Rogerio Schietti Cruz, segundo Mônica Bergamo. Na sentença, afirma-se que “a crise do novo coronavírus deve ser sempre levada em conta na análise de pleitos de libertação de presos, mas, inelutavelmente, não é um passe livre para a liberação de todos”. A tese não valeu para o casal Queiroz.A defesa do jovem apresentou pedido de habeas corpus ao STF (Supremo Tribunal Federal), mas ele foi  negado pela ministra Rosa Weber em 30 de junho.

O caso aconteceu em 1º de fevereiro, na cidade de Barra Bonita, interior de São Paulo. Após o furto dos dois xampus em um estabelecimento, o jovem foi preso em flagrante. Fischer é o relator do caso Queiroz no STJ. A decisão de conceder a ele a prisão domiciliar, no entanto, foi de João Otávio de Noronha, presidente da corte, que está de plantão no recesso e deixou de sair de férias para favorecer o clã Bolsonaro.

Brasil 247

Câmara Municipal de Salgadinho aprova 30 horas para profissionais de Enfermagem; Coren PB apela para que prefeito sancione matéria

A Câmara Municipal de Salgadinho aprovou nesta ontem (09), por unanimidade, a carga horária semanal de 30 horas para profissionais de Enfermagem, faltando apenas a sanção do prefeito, Marcos Alves (PSDB).

A presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Paraíba (Coren PB), Renata Ramalho, apelou nesta sexta-feira (10) para o chefe do Executivo municipal sancione a matéria, garantindo o benefício a categoria. “Esperamos que o prefeito atenda a este pleito da categoria”, disse.

A jornada de 30 horas é importante para fortalecer a enfermagem como profissão da saúde e condição necessária para a prestação de cuidados seguros e de qualidade, posto que a enfermagem tem significativa responsabilidade na assistência em saúde, o que requer condições de trabalho e conhecimentos científicos adequados.

Presidente do STF nega retorno de Berg Lima à Prefeitura de Bayeux

Por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, o prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, continuará fora do cargo.

Dias Toffoli negou prosseguimento a um pedido de suspensão de liminar apresentada pela defesa de Berg para retornar ao cargo, de onde foi afastado por decisão do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), acusado de se apropriar de verbas públicas.

A defesa argumentou que os fatos apontados pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), acatados pelo TJPB, não tinham os requisitos da tipicidade e da contemporaneidade para justificar seu afastamento do cargo, pois retroagiam ao ano de 2017.

“Argumentos apresentados pelo ora requetente evidenciam não uma pretensão de caráter suspensivo, mas sim rescisório, incoerente com os estreitos limites desta via de contracautela, a revelar, inclusive, a tentativa indevida do uso desta via como sucedâneo de recurso”, disse em seu despacho o presidente do STF.