Pesquisa revela que 79% dos internautas acreditam no envolvimento do ex-governador Ricardo Coutinho na Operação Calvário

A aparente imagem de austeridade, seriedade, gestor e político diferenciado tão ostentada pelo ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) ao longo de sua trajetória na vida pública está ruindo desde a eclosão da operação desencadeada com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que drenou recursos para corrupção a partir de contratos fraudulentos entre Governo do Estado e Organizações Sociais, a exemplo da Cruz Vermelha gaúcha, que administra o Hospital de Trauma da Capital desde 2011, e que, inclusive, já colocou atrás das grades a ex-secretária Livânia Farias, considerada uma das principais auxiliares das gestões do PSB desde os tempos de Prefeitura de João Pessoa.

Levantamento feito pelo portal Tá na Área, com base numa ferramenta de inteligência artificial da AtivaWeb Group, empresa especializada em monitoramento e análise de marcas, política e personalidades nas redes sociais, aponta que quase 80% dos internautas enxergam o envolvimento do ex-governador paraibano com o escândalo apurado até aqui pela Operação Calvário.

O monitoramento produzido pela AtivaWeb Group, no período de 30 de janeiro 20 de maio de 2019, isto é, compreendendo todas as quatro fases da operação comandada por uma ‘Força Tarefa’ dos Ministérios Públicos do Rio de Janeiro, Paraíbas  e Goiás, mostra que 79% dos paraibanos que acessam as quatro principais plataformas de redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter e Youtube) acreditam no envolvimento do ex-governador Ricardo Coutinho com as denúncias de corrupção até aqui apuradas. Por outro lado, apenas 16% não acreditam no envolvimento do socialista. O estudo tomou por base quase 7 milhões de menções nas redes sociais sobre o assunto.

Pela pesquisa, que toma por base a análise de sentimento, isto é, que verifica a partir da polaridade, o saldo entre menções negativas e positivas, a Operação Calvário tem um impacto negativo de quase 70% na internet. Os números mostram que o tema ganha cada vez mais negatividade perante os internautas a cada nova fase da operação, o que reflete na imagem do próprio Ricardo Coutinho, cujo desgaste acentuado já bate à porta dos 80%. 

Nas duas das mais importantes e acessadas plataformas de redes sociais do mundo, o assunto tem ocupado lugar de destaque. Instagram e Facebook lideram as menções sobre o tema com 31% e 36%, respectivamente. Em sites e blogs, canais que também utilizam as plataformas para distribuição de conteúdo jornalístico, o tema tem ocupado 16% de relevância nas redes sociais. Twitter e Youtube vêem em seguida com 11% e 6%, respectivamente.

Em meio aos desdobramentos da Operação Calvário, que já colocou no xadrez sua secretária de Administração e alguns auxiliares ocupantes de cargos de assessoria, o governador João Azevedo também não escapa das avaliações depreciativas dos internautas. Em que pese 43% dos internautas manifestarem que o atual governador não tem nenhuma culpa no escândalo da Calvário, 41% acreditam que Azevedo tem algum grau de envolvimento, a julgar pelas menções apuradas pela análise.

O levantamento da Ativa Web Group e publicado com exclusividade pelo Tá na Área tomou por base 6.678.981 menções nas redes sociais sobre o tema Operação Calvário, e foi feito no período de 30 de janeiro a 20 de maio desse ano. O método utilizado foi a análise de sentimento em redes sociais, que monitorou menções e compartilhamentos sobre o tema. Das quase 7 milhões de menções pesquisadas, 67% foram geradas por mulheres e 33% por homens.

Ativa Web Group

Em 2017, a AtivaWeb Group trabalhou na campanha de Governo do Estado do Amazonas e em grupos de comunicação de todo Brasil. Nas eleições suplementares do Amazonas, tanto no primeiro, quanto no segundo turno, a empresa obteve grande notoriedade pela precisão e acerto dos seus dados.

Alek Maracajá desde março de 2017 faz parte de um grupo de inteligência de dados formado por analistas políticos, empresariais, antropólogos, jornalistas e engenheiro de dados digitais. Segundo ele, o grupo tem o intuito de fazer uma varredura em todo Brasil de nomes de gestores e analisar números de aceitação e reprovação.

Ta Ná Área

Estela Bezerra, o Gaeco e a batida de pino

Metida a valente, a deputada Estela Bezerra usou a entrevista no Correio Debate para tentar desqualificar o trabalho do GAECO na Paraíba, que investiga o maior esquema de corrupção da história através da Operação Calvário.

Em determinado momento, Estela disse que os políticos estão sendo condenados antes de serem denunciados e que existe um tipo de manipulação dentro de algumas instituições, inclusive no Ministério Público. Foi então quando Nilvan Ferreira questionou mais de uma vez se o GAECO estava errando na Operação Calvário, e por diversas vezes Estela tergiversou e não respondeu, desviando o foco para as esfera nacional e usando a Lava Jato para fugir da pergunta.

Pense numa batida de pino…

 

 

VÍDEO: Assim como fez com Livânia, Ricardo Coutinho manda ‘recado’ para Gilberto Carneiro e Waldson

Na mais nova versão do “ninguém solta a mão de ninguém“, o ex-governador Ricardo Coutinho mandou um recado para Gilberto Carneiro e Waldson Souza, ex-secretários exonerados por envolvimento na Operação Calvário: “Defender companheiro é uma necessidade… a vida é feita de acertos e não acertos“, disse RC.

Mas quais seriam os “não acertos” dos companheiros?

Ricardo Coutinho teve o mesmo gesto com Livânia Farias, mas se de mal, pois sua mulher de confiança delatou tudo para o Gaeco.

Temendo que Gilberto e Waldson façam o mesmo, Ricardo bancou o solidário mais uma vez:

O interessante é que Ricardo Coutinho também ressaltou a “grande contribuição” da “companheira” Livânia Farias, mas em seu acordo com o Ministério Público ela confessou todos os crimes imputados.

Porém, o recado veio tarde, pois um certo girassol já colaborou com o Gaeco…

 

MPF INVESTIGA: Organizações sociais da Educação já receberam R$ 263 milhões do governo da Paraíba em menos de dois anos

Vamos torcer para que o modus operandi do PSB na Saúde não esteja sendo replicado com as organizações sociais da Educação. Em menos de dois anos as ‘OS’ Ecos e Insaúde já receberam R$ 263 milhões do governo do Estado para fazer um papel que seria do próprio estado: administrar a Educação.

Se os tentáculos da ORCRIM girassol também operar na Educação, cobrando em média de 10% a 15% de propina, o montante desviado seria de quase R$ 40 milhões em menos de dois anos.

Dinheiro suficiente para bancar 8 eleições ao governo, conforme prestação de contas ao TRE do governador João Azevedo.

MPF investiga contratos de R$ 234 mi com organizações sociais na PB

O Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB) abriu inquérito para investigar a contratação do Instituto Nacional de Pesquisa e Gestão em Saúde (INSAÚDE) e do Espaço Cidadania e Oportunidades Sociais (Ecos) pela Secretaria de Estado da Educação da Paraíba, que ultrapassam o valor de R$ 234 milhões. A investigação foi determinada pelo procurador da República, Antônio Edílio Magalhães Teixeira, e foi publicada no Diário do Ministério Público Federal Eletrônico.

De acordo com os autos, os contratos foram firmados pelo Governo do Estado em julho de 2017. Além da Educação, essa modalidade de contratação também é adotada na Saúde, através da Cruz Vermelha do Rio Grande do Sul, que gerencia alguns hospitais na Paraíba, dentre eles, o Hospital de Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa.

Denúncias na Saúde

Investigações do Ministério Público da Paraíba (MPPB) revelam a existência de um suposto esquema responsável pelo desvio de dinheiro público, por meio da Cruz Vermelha gaúcha, para financiar campanhas políticas no estado.

Waldson Souza é citado

Dentre outros desdobramentos, a decisão do desembargador diz que Waldson, “outrora Secretário de Estado de Saúde do Estado da Paraíba e ex-secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, […] foi identificado pelo TCE e pela auditoria da Secretaria de Controle Externo do Tribunal de Contas da União, no Estado da Paraíba, como o responsável pela contratação da Cruz Vermelha Brasileira — filial do Estado do Rio Grande do Sul, apesar das inúmeras irregularidades documentais, para a gestão do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena”.

Livânia também é lembrada

Quanto à suposta atuação de Livânia Farias, o documento judicial diz que “segundo auditoria da Secretaria de Controle Externo do Tribunal de Contas da União, Livania Maria da Silva Farias foi a responsável pela “qualificação/confirmação da Cruz Vermelha Brasileira/RS como organização social, sem que fossem preenchidos os requisitos previstos nos artigos 3º, 4º a 7º 15 e 33 da Lei Estadual nº 9454/2011, em especial, o fato de que a CVB/RS não possuir conselho de administração e órgão de administração superior, o que impediria a chancela (por ela, como autoridade delegada a tanto) da natureza de organização social com base na declaração de organização social do Município de Balneário de Camboriú”.

O PSB ‘MALUFOU’? Ricardo Coutinho, Estela Bezerra e a absurda narrativa do ‘rouba, mas faz’

Dias atrás o deputado estadual Ranieri Paulino questionava o discurso dos “socialistas” e indagava se o PSB tinha “malufado”.

É evidente que sim.

Analisando o último discurso da deputada Estela Bezerra – que tem como ex-chefe de gabinete a atual presidente da Cruz Vermelha na Paraíba -, e a entrevista do ex-governador Ricardo Coutinho, fica claro que aqueles que antes se apresentavam sob o vestal da honestidade, agora apostam na absurda narrativa do ‘rouba, mas faz’.

Os girassóis agora descem um degrau e começam a convenientemente relativizar a corrupção.

E mesmo que a saúde da Paraíba fosse boa – coisa que não é – porque o que existe é muita propaganda e dinheiro pra comprar silêncio de meios de comunicação, não podemos jamais relativizar a corrupção; porque corrupção é uma só, lesando sempre a coletividade e prejudicando quem mais precisa do Estado.

O dinheiro que foi roubado da saúde, por exemplo, faz falta agora na maternidade estadual Arlinda Marques, onde crianças estão dormindo no chão e a superlotação já foi denunciada por usuários:

Os girassóis deveriam ter vergonha ao defender a lógica de Paulo Maluf, do ‘rouba mas faz’.

O problema é que na Paraíba estão roubando mais do que fazendo…

 

VÍDEO: Cabo Gilberto acusa ex-governador Ricardo Coutinho de superfaturar compra de helicóptero que não funciona

O deputado estadual Cabo Gilberto Silva, do PSL, detonou o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na manhã desta quarta-feira (08), durante sessão na Assembleia Legislativa. Ele disse que o governo de Coutinho superfaturou a compra de um helicóptero em quase R$ 2 milhões.

O parlamentar apresentou o contrato e mostrou que  a aeronave custou R$ 16,7 milhões, mas, segundo o deputado, o governo do Rio de Janeiro, comprou helicóptero similar por cerca de R$ 15 milhões: “Superfaturamento de quase R$ 2 milhões, inclusive, esse helicóptero (da Paraíba) foi comprado em março de 2018, mas só funcionou na campanha eleitoral (em outubro).”

O parlamentar disse que “o senhor Ricardo Coutinho, então governador, utilizou a máquina pública em favor de seus candidatos, João Azevedo e Fernando Haddad… Quando acabou o segundo turno, os helicópteros sumiram. O helicóptero está no hangar do governo, sem as hélices e sem o motor”, afirmou.

O deputado revelou ter feito uma investigação e descobriu que foi a ex-secretária Livânia Farias quem assinou a compra do helicóptero, e Leandro Nunes Azevedo, foi o responsável para fazer a fiscalização da compra. Ambos, como se sabe, foram presos na Operação Calvário, por desvio de recursos públicos: “Não tem dinheiro pra nada neste Estado, mas para corrupção tem dinheiro de sobra”.

E arrematou: “O ex-governador, o ditador Ricardo Coutinho prestou um desserviço aos cofres públicos e à sociedade paraibana, e ainda ataca a Imprensa, ataca os órgãos fiscalizadores, o Ministério Público, a Justiça e a própria Assembleia Legislativa, quando disse que os deputados valiam R$ 300 mil e eram como um pneu furado, ou seja, furou, trocou, e, agora, fica dando uma de bom moço, paladino da moral, mas a máscara de vossa excelência vai cair.” O deputado revelou que está encaminhando a denúncia ao Ministério Público.

CONTRATO DA COMPRA NO RJ

Veja um trecho do discurso:

Presa na 4° fase da Operação Calvário, assessora de Gilberto Carneiro também vai delatar

A mesma fonte que antecipou com exclusividade a delação de Livânia Farias ao Polítika, acaba de confirmar que a assessora de Gilberto Carneiro, Maria Laura Carneiro, presa na 4° fase da Operação Calvário também vai delatar a ORCRIM (organização criminosa) girassol.

Diferente de Livâna Farias, Maria Laura é uma espécie de laranja do “mecanismo” do PSB e não teria muito a perder. De acordo com minha fonte, Maria Laura seria um peão no jogo de xadrez da corrupção, o que justifica a rapidez na decisão de delatar.

A delação da ex-assessora da Procuradoria Geral do Estado, juntamente com as informações de Livânia Farias, deverá resultar nos próximos dias na 5° e maior fase da Operação Calvário.

A expectativa é que 12 deputados estaduais e um federal que receberam propina da Cruz Vermelha estejam entre os alvos.

A delação de Maria Laura também pode trazer dor cabeça para Cida Ramos e João Azevedo, pois ela foi foi coordenadora financeira da campanha de João e da campanha de Cida à Prefeitura de João Pessoa, nas eleições 2016:

 

Em entrevista, Ricardo Coutinho utiliza a mesma estratégia dos presos da Lava Jato

Em entrevista concedida à TV Tambaú, o ex-governador Ricardo Coutinho seguiu o mesmo roteiro dos presos na Lava Jato e se vitimou, falando em julgamento antecipado, condenação na mídia a assassinato de reputação. A mesma narrativa que antecedeu a prisão de muito político graúdo nos últimos anos.

Só não entendi por que não perguntaram a Ricardo sobre a propina da Cruz Vermelha utilizada na campanha eleitoral de 2014, como descobriu o Ministério Público…

No celular de Michele Cardoso, assessora do chefe do esquema, o MP encontrou mensagens de texto comprovando que a propina era utilizada para campanhas eleitorais na Paraíba:

As conversas de Michele Cardoso, a mulher da caixa com dinheiro, revelava o desespero com a provável derrota de Ricardo Coutinho e, consequentemente, o fim do contrato com a Cruz Vermelha:

Mas, o que tem sido motivo de dor de cabeça para RC e aliados próximos é o registro na sentença de Ricardo Vital, de que a propina apurada pelo Gaeco teria irrigado a sua campanha eleitoral 2014, quando disputou a reeleição. No documento fica explícito que Michelle Louzada Cardozo (secretária particular de Daniel Gomes) fez entrega de dinheiro destinado a campanha eleitoral na Paraíba.

Ministro Vital do Rêgo cai na Lava Jato

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou à Justiça Federal do Paraná, responsável pela Operação Lava Jato, investigação sobre o ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo e o ex-deputado Marco Maia (PT) por supostas propinas da OAS de R$ 4 milhões para que, na função de presidente, e relator da CPI da Petrobras, em 2014, impedissem a convocação de dirigentes de empreiteiras investigadas.

“Assim sendo, considerando a plausibilidade da aludida conexão dos fatos ora aqui revelados com aqueles em trâmite no Juízo da 13ª Vara Criminal de Curitiba/PR, assiste razão à pretensão ministerial de remessa do feito àquele juízo”, determinou Fachin

Segundo a chefe do Ministério Público Federal, não há provas de que os valores tenham sido utilizados para doações eleitorais, e, portanto, o inquérito deve ser arquivado nesta área, informa reportagem do Jornal de Brasília.

Segundo a procuradora-geral, “os relatos dos executivos da OAS revelam o pagamento de vantagens indevidas no montante de R$ 4 000.000,00 (quatro milhões de reais) a Vital do Rêgo Filho, a pretexto do pleito eleitoral de 2014, intermediado por Alex Azevedo, suposto assessor parlamentar do investigado”.

“Do valor total pago a título de propina, R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) teria sido repassado via doação eleitoral oficial realizada em favor do Diretório Nacional do PMDB, R$ 1 000.000,00 (um milhão de reais) foi pago mediante celebração de contrato fictício com a Construtora Planície e os R$ 2.000 000,00 (dois milhões de reais) restantes foram repassados por meio de celebração de contrato fictício com a Construtora Câmara e Vasconcelos”, diz Raquel.

Os delatores ainda afirmam ter feito pagamento de R$ 1 milhão para José Capela, que seria um interlocutor de Marco Maia.

Para Raquel, “as provas apontam, em tese, para o cometimento dos crimes de corrupção passiva e ativa e de lavagem de dinheiro”.

“Registre-se que o repasse de valores espúrios a Vital do Rêgo, travestido de doação eleitoral oficial, foi usado para camuflar a real intenção das partes, tratando-se de nítido negócio simulado para encobrir a finalidade de transferência de recurso, que não era outro se não adimplir a vantagem indevida e viabilizar a blindagem da convocação dos executivos à CPI da Petrobras.”

“Com efeito, a doação oficial em tais casos pode configurar mecanismo de dissimulação para o repasse de dinheiro ilícito, fruto de corrupção, o que caracteriza o delito de lavagem de capitais”, escreve.

ORCRIM GIRASSOL: Deputado Federal diz que Livânia Farias cobrou “pedágio” de R$ 10 mil a dono de posto de combustíveis

De acordo com o deputado federal Julian Lemos, a quadrilha que saqueava o estado da Paraíba nos governos de Ricardo Coutinho cobrava “pedágio” em tudo. O parlamentar relatou nas redes sociais um caso informado pela própria vítima da ORCRIM girassol:

“Eu recebi uma informação pessoalmente de um empresário que tinha um posto de gasolina no interior. Lá eram abastecidos dois carros da polícia apenas, e de repente esse convênio acabou. Quando ele veio ao estado da Paraíba a ex-secretária pediu R$ 10 mil para reativar o contrato”, disse Julian.

Será que Livânia Farias também delatou ao GAECO o esquema da ORCRIM girassol envolvendo os milhões de reais gastos anualmente com postos de combustíveis?