POSTE? RC minimiza importância de João Azevedo em 2018, “se você não tivesse sido o candidato, fosse outro, nós teríamos ganhado a eleição”

Em entrevista ao PBagora, o ex-governador Ricardo Coutinho deixou aflorar o seu narciso e praticamente anulou o papel de João Azevedo na vitória de 2018. Só faltou chamar João de poste.

Ricardo é assim, não admite sombras, muito menos ser superado enquanto líder político. As comparações positivas a João – como por exemplo a capacidade de diálogo com setores da sociedade – estão corroendo o ego do Mago e ele está definhando no ostracismo.

RC não suporta a ideia de ser superado pela criatura:

“Eu disse uma coisa para o governador João, depois da eleição e antes da posse: João, se você não tivesse sido o candidato, fosse outro, nós teríamos ganhado a eleição. 

(…)

Eu só fazia rir. Vão votar no projeto e se botar qualquer um ganha.”

Tem algo de muito errado no jardim dos girassóis…

Secretário de João Azevedo afirma que deputado Virgolino silenciou sobre Operação Famintos porque teve amigo preso

Em seu blog, o secretário executivo de Comunicação questionou o silêncio do deputado estadual Walber Virgolino sobre a Operação Famintos. Segundo Tião, Virgolino é amigo de um dos presos, o empresário frederico de Brito Lira.

Confira o texto:

Um dos apontados como comandante do esquema que desviava recursos da merenda escolar na gestão de Romero Rodrigues (PSD) na Prefeitura de Campina Grande é Frederico de Brito Lira. Ele é empresário e possui amizade com personalidades que atuam na política paraibana, dentre eles o deputado Wallber Virgolino (PATRI). Lira possui um haras, que chega a ser frequentado pelo parlamentar.

Frederico de Brito Lira é o responsável por trás da empresa de fachada que vencia licitações na Secretaria de Saúde, e negociava todas as transações licitatórias, inclusive com sobrepreços.

Conhecido por suas declarações contra a corrupção, curiosamente Wallber silenciou com relação a Operação Famintos, que desbaratou um esquema milionário no município campinense. E, além disso, não apontou culpados ou criticou nominalmente membros da organização que atuava no desvio da verbas da merenda escolar.

Um dos exemplos deste silêncio é na esfera virtual. Bastante atuante nas redes sociais, e sempre comentando os principais assuntos do estado, muitos deles sobre corrupção e segurança pública, o deputado Wallber ainda não tratou sobre o assunto no ambiente digital.